26 de abr de 2016

PREMIÈRE DO DOCUMENTÁRIO SOBRE JORGE "JORGITO" JÉREZ

 
Carmen Diniz e Jorge "Jorgito" Jérez
No dia 20 a atividade foi na American University com a exibição da Première do documentário "The Power of the Weak", do cineasta alemão Tobias Kriele sobre Jorge "Jorgito" Jérez, nascido em Cuba em 1993 durante o período especial com paralisia cerebral. O filme mostra como uma sociedade estruturada para apoiar o desenvolvimento humano pode empoderar uma pessoa com deficiência. Atualmente Jorgito é auto-suficiente e estuda jornalismo contribuindo com a sociedade cubana.

Impressionante: fui conversar com ele (tem uma dificuldade motora) me apresentei como brasileira ao que ele comentou: "a situação no Brasil está complicada, não?". Depois me identificando como do MST se mostrou extremamente animado e interessado. Conhecia o MST. Lhe presenteei com um boné (foto) ficou super agradecido. Também levou uma agenda e camisas do MST e do Comitê Carioca.

Anexo aqui um pequeno vídeo dele mais jovem contando seu caso publicamente em Havana com alguns colegas.

O último dia da Jornada foi realizado na Faculdade de Direito da Universidade de Colúmbia com Jorgito e a presença do Embaixador de Cuba em Washington José Ramón Cabañas.




Por Carmen Diniz

                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!! 

PARTICIPAÇÃO NA II JORNADA PELO FIM DO BLOQUEIO



Participação na II Jornada "DAYS OF ACTION - Against the Blockade" que aconteceu de 18 a 22 de abril em Washington D.C. com o Comitê Internacional Paz, Justiça e Dignidade aos Povos 

A atividade consistiu em uma espécie de "lobby" (só que sem $$$...) junto ao Congresso Estadunidense (Capitólio) visitando mais de 40 gabinetes de congressistas (deputados e senadores) com farto material demonstrando a inutilidade do bloqueio, com base na visita de Obama a Cuba, das "novas relações"(....sei....) entre os dois países, do fato de não terem fornecido visto a 5 cubanos que iriam participar do evento, do mal causado pelo bloqueio que já se comprovou inútil, nas palavras do próprio Obama, do programa de estudo gratuito para jovens norte-americanos na Ilha, etc

Um dos argumentos fortes é o fato de Cuba possuir um medicamento ( Heberprot -P) recém criado pelos cubanos, que evita amputação de extremidades (mãos e pés) em pacientes com diabetes. O bloqueio impede o acesso de estadunidenses ao medicamento. Assim como impede o acesso a medicamentos norte-americanos de quimioterapia aos cubanos que têm câncer.
 
 Outro argumento que todos os gabinetes dos congressistas receberam com atenção foi a lista de mais de cem parlamentares brasileiros que assinaram uma carta a eles dirigida exigindo o fim do bloqueio.

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

23 de abr de 2016

COM TRISTEZA E ORGULHO CUBA SE DESPEDE DE SEUS FILHOS MORTOS NO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES: SALVANDO VIDAS

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Com respeito e admiração o povo cubano se despediu dos três médicos que perderam suas vidas em terremoto no Equador  

vários autores
22 de abril de 2016 02:38:36 CDT

Os lajeros enchem as ruas para acompanhar Drª . Barbara até sua última morada. Foto: Rubén Aja
Santa Isabel de las Lajas, Cienfuegos.- O amanhecer de 21 de abril de 2016 será lembrado com tristeza neste município, Cienfuegos. Às 5:30 da manhã chegou o cadáver de Barbara Caridad Cruz Ruiz, depois de ter sido transladado do Equador.

As quatro horas em ela foi velada na Casa da Cultura Benny Moré não foram suficientes para que o povo lhe demonstrasse, em um último gesto, seu amor, admiração e gratidão.

Durante toda a noite funcionários do cemitério municipal trabalharam para depositar seu corpo em um mausoléu de mármore rosado, feito especialmente para abrigá-la em seu descanso eterno.

Os lajeros encheram as ruas e a acompanharam até o lugar onde repousa agora. As fotos com seu rosto sorridente estavam em cada esquina, para sempre recordá-la alegre, como foi em vida.

Dr. Salvador Tamayo, diretor provincial de Saúde em Cienfuegos, se despediu e lamentou diante das mais altas autoridades do partido e do governo no território.

Haviam coroas de flores de familiares, amigos, pacientes, líderes do território. A bandeira cubana cobriu até o fim o caixão da filha que morreu no cumprimento do dever.

Adeus sentido

Manzanillo, Granma.- Centenas de pessoas, incluindo médicos, enfermeiros, e os líderes políticos e governamentais desta cidade costeira, renderam homenagem na funerária local para Dr. Leonardo Ortiz Estrada.

Família e amigos do Dr. Leonardo reunidos no funeral de Manzanillo. Foto: Armando Ernesto Tamayo Cabreras / ACN
Coberto por uma bandeira cubana, ao caixão do Dr. Ortiz Estrada foram colocados seus múltiplos prêmios de trabalho, assim como certificados que reconheceram a sua incontestável participação como colaborador em várias nações.

Ressaltaram, também, as coroas de flores enviadas pelos Comitês Provincial e municipal do partido, das Assembleias do Poder Popular a esses organismos, bem como direções de Saúde Pública em Granma e Manzanillo.

Em uma sentida manifestação de dor aconteceram as honras do funeral do médico proeminente, cuja a família foi acompanhada pelos principais líderes políticos e do governo do território, do setor da saúde e uma representação dos companheiros de trabalho da policlínica Marta Abreu, da cidade de Santa Clara.

Nas extensas horas de serviços de Ortiz Estrada sobressaem missões em Lesoto, Venezuela e desde 2014 estava no Equador, onde perdeu a vida em consequência do terremoto no último 16 de abril.

A doutora Mayuris Labrada Elías, diretora da policlínica Francisca Rivero Aroche, da cidade de Manzanillo, se despediu no funeral de Leonardo Ortiz Estrada, médico internacionalista que perdera sua vida no terremoto que sacudiu o Equador, informou ACN.

Os trabalhadores da saúde pública fizeram guarda de honra diante do caixão de Leonardo Ortiz Estrada, e as pessoas na cidade lhe renderam homenagem.

Carinho do povo.

Santa Clara, Villa Clara - A quente manhã se abriu triste aqui, esmagada por uma multidão onde prevaleciam pessoas em jalecos brancos, que vieram para dizer adeus ao Dr. Erick Omar Pérez de Alejo Quesada, um dos três médicos que morreram no Equador, vítimas do terremoto.

Os villaclareños se despediram comovidos do Dr. Erick Omar. Foto: Arelys María Echevarria / ACN
Cenas emocionantes protagonizaram sua viúva e seus dois filhos, seus pais e seus companheiros em missões na Bolívia e Venezuela, que refletiam o sentimento diante da perda irreparável de quem soube cumprir bem seu trabalho na vida.

O funeral, que incluíram guarda de honra pelos profissionais de saúde e líderes do Partido e do Governo, foi realizado no Palácio Ajedrez Guillermo García, nesta cidade, repleta de pessoas que vieram para prestar homenagem ao Dr. Pérez de Alejo , cujo caixão foi coberto com a bandeira cubana.

Poucas vezes foi visto uma multidão como a da véspera, ir ao funeral, revelou o respeito e a admiração das pessoas por esses homens e mulheres que, apesar dos riscos, andam por diversos países salvando vidas.

Na enlutada despedida, o Dr. Juan Carlos Dupuy, fundador da Brigada Henry Reeve, destacou a brilhante carreira, como estudante e trabalhador, do desaparecido companheiro de 41 anos. Ele enfatizou que deixa o exemplo inesquecível do bom filho e magnífico pai que foi, e um legado de altruísmo e abnegação.

Também participaram as mais altas autoridades políticas e governamentais do território e dirigentes de saúde pública e das organizações políticas e de massas.


Barbara Caridad Cruz Ruiz, 45 anos, residente em Jose Marti de Santa Clara, província de Villa Clara, natural de Santa Isabel de Las Lajas, Cienfuegos. Especialista em Medicina Geral integral com licenciatura em Medicina Geral, trabalhou na Policlínica Martha Abreu, Santa Clara, com 22 anos de experiência na área de Saúde Pública. Era também especialista em doenças infecciosas. Deixou um filho de 23 anos de idade.

Em 1999 se formou em especialista de Medicina Geral Integral, trabalhando como Vice-diretora de Higiene e Epidemiologia na Policlínica do mesmo município.

Mudou-se em 2001 para a cidade de Santa Clara, província de Villa Clara, onde trabalhou como um médica de família e mais tarde como Chefe do Subsistema de Urgências do Conselho Popular Antón Diaz, parte da Policlínica Universitária Martha Abreu de Estévez.

Em 2003 ela se juntou à missão médica na República Bolivariana da Venezuela por um período de oito anos, oferecendo seus serviços como professora adjunta na formação de estudantes venezuelanos. Juntou-se ao país em 2011, trabalhando como médica de família no escritório 20-14 Policlínica até 2014, ano em que foi selecionada para cumprir a missão internacionalista no Equador, um país onde estava servindo no município Pedernales, na província de Manabí.

Leonardo Ortiz Estrada, 53 anos, residente em Abel Santamaria, na cidade de José Martí na província de Villa Clara, médico da Policlínica Martha Abreu, especialista em Medicina Geral Integral, com 22 anos de experiência no setor de saúde e pai de três filhos de 32, 14 e 10 anos.

Ele foi premiado em 1988 com Ordem 18 do Ministro das FAR para estudar Medicina, que estudou na Faculdade de Ciências Médicas “Celia Sánchez Manduley” em Manzanillo, até sua graduação em 1994, quando foi indicado para fazer o seu serviço social em Sierra Maestra, no ambulatório "Los Isleños", localizado em Las Mercedes, área montanhosa de difícil acesso, por dois anos ininterruptos.

Em dezembro de 1999 ele alcançou o título de Especialista em Medicina Geral Integral, trabalhando na policlínica "Francisca Rivero Arocha" do município Manzanillo até 2002, quando saiu para cumprir uma missão internacionalista em Lesoto.

Em seu retorno foi reintegrado como médico de família na mesma unidade de saúde Manzanillo. Em 2007 ele voltou a cumprir missão internacionalista na irmã República Bolivariana da Venezuela, servindo como Subdiretor Docente do Centro Integral de Diagnóstico Integral Nº 1 em Caracas.

Após a conclusão da missão, em 2011, se mudou para o município de Santa Clara, província de Villa Clara, onde trabalhou na Clínica Médica de família Nº 17 da Policlínica "Martha Abreu".
Em 2014 ele se juntou à missão internacionalista no Equador, prestando seus serviços no município de Pedernales, na província de Manabí.

Juntou-se ao país em 2011, trabalhando como médico de família no escritório 20-14 Policlínica até 2014, ano em que foi selecionado para cumprir a missão internacionalista no Equador, um país onde estava servindo na município Pedernales, na província de Manabí.


Erick Omar Pérez de Alejo Quesada, de 41 anos de idade, de Villa Clara. Médico da Policlínica XX Aniversario, especialista em Medicina Geral Integral, Professor Instrutor, com 17 anos de experiência no setor da saúde e pai de duas crianças com idades de 8 e 13 anos.

Se formou em 1999 na Universidade de Ciências Médicas de Villa Clara, desenvolvendo o serviço social por três anos na Policlínica Manacas, no município Santo Domingo.

Terminou sua especialização em Medicina Geral Integral em 2005; bem como o Diploma Medicina.
De 2004 a 2009 serviu em missão internacionalista na República Bolivariana da Venezuela, servindo como professor na formação de estudantes venezuelanos, ensinando Morfofisiologia Humana.

Em 2010 declarou sua vontade de se juntar à Missão Médica na Bolívia, onde permaneceu por dois anos.

Em seu retorno ele continuou a trabalhar como médico de família no consultório 21-18 da Policlínica XX Aniversario até 2015.

Pelos resultados do trabalho em Atenção Primária de Saúde e sua vontade e incondicionalidade, se incorporou à brigada médica no Equador em março de 2015, servindo no município Pedernales, na província de Manabí.

 Veja mais em Juventude Rebelde - Diario de la juventud cubana.
 Fonte: Periódico Juventud Rebelde

                                                      VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!          

22 de abr de 2016

RAFAEL CORREA: CUBA É CAMPEÃ DE SOLIDARIEDADE



Bahía de Caráquez, Equador, 22 de abril (Prensa Latina) O presidente Rafael Correa assegurou hoje que Cuba é campeã de solidariedade após agradecer a ajuda oferecida pela ilha caribenha ao Equador depois do catastrófico terremoto do último sábado.

Em declarações a jornalistas cubanos, após percorrer ontem à noite o hospital provisório instalado nesta localidade costeira na província de Manabí, seriamente afetada pelo terremoto de 7,8 graus na escala Richter, o chefe de Estado cumprimentou os membros da brigada médica Henry Reeve.

Depois do forte abalo sísmico, Cuba enviou de imediato um grupo deste contingente internacional de médicos especializados no enfrentamento de desastres e graves epidemias para atender os afetados pelo terremoto que devastou a costa no noroeste do país sul-americano.

Contamos com a solidariedade de Cuba e Cuba pode contar com a do Equador, acrescentou Correa, que ressaltou a "infinita gratidão" de seu povo à nação antilhana.

O governante também lamentou a morte de três médicos cubanos que trabalhavam como colaboradores de saúde na localidade de Pedernales no momento do terremoto.

Foi uma tragédia. Minha solidariedade para sua família e ao povo cubano, apontou Correa, e recordou que os três morreram realizando seu trabalho "totalmente entregues pela saúde de seus irmãos latino-americanos".

Bárbara Caridad Cruz, de 46 anos de idade; Leonardo Ortiz, de 53; e Eric Omar Pérez, de 41; todos especialistas em Medicina Geral Integral, faleceram no último sábado na localidade de Pedernales, província de Manabí, onde se encontravam por uma missão de trabalho.

A brigada enviada por Cuba inclui socorristas além de especialistas em saúde que se somaram aos mais de 700 cooperantes dessa esfera que trabalham de forma permanente no país há dois anos, como parte de 11 convênios assinados por ambas nações.

O chefe da brigada Henry Reeve, José Ernesto Betancourt, explicou à Prensa Latina que desde sua chegada na segunda-feira passada à Bahía de Caráquez começaram a atender a população em um hospital improvisado porque o oficial foi derrubado durante o terremoto.

Alguns integrantes do contingente foram às intrincadas comunidades de Jama e Canoa, onde já atenderam cerca de 400 pacientes.

O grupo de especialistas está integrado por um cirurgião, um ortopedista, um anestesista, um pediatra, dois médicos gerais integrais, dois neurocirurgiões e enfermeiros.

Outros oito especialistas trabalham como paramédicos com a equipe de salvamento e resgate enviado também por Cuba e que se encontra apoiando as autoridades equatorianas na cidade de Portoviejo.

Até o momento, a Promotoria Geral do Estado indica que o número de mortos em consequência do terremoto de sábado é de 587, mas os trabalhos de busca de corpos entre os escombros continuam.

Fonte: Prensa Latina

                                                                      VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

21 de abr de 2016

ATO DE SOLIDARIEDADE À DILMA E REJEIÇÃO AO GOLPE PARLAMENTAR

Notícias de hoje No. 191 Ano VI
Serviço de informação
19 de abril de 2016 (IX) fechamento: 17:10


Um chamado à unidade, luta e resistência dos povos e a mobilização incansável contra as ações da direita reacionária e do imperialismo na região, foi fortemente expresso terça-feira em um ato de solidariedade com a presidenta constitucional do Brasil, Dilma Rousseff, e de profunda rejeição ao golpe parlamentar contra ela que está em andamento no país.

Em uma cerimônia na sede do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), Messilene da Silva, coordenadora em Cuba do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra do Brasil, denunciou que a manobra é parte é parte da estratégia imperialista e das oligarquias contra movimentos de emancipação popular.

Ela criticou as artimanhas do judiciário brasileiro, "aliado com a manipulação midiática e os interesses de poucos", e denunciou que o pretenso impeachment de Dilma é um ataque à democracia, sem justificava nenhuma, que visa restabelecer o neoliberalismo e acabar com projetos que buscam benefícios para o povo.

"É por isso que a esquerda no Brasil está na rua", disse ela, e mencionou o dia 17 de abril, quando o voto da maioria na Câmara dos Deputados foi contra Dilma, "nós o chamamos de Dia da Vergonha no Brasil", afirmou.


"O golpe só pode ser derrotado na rua", assegurou, acrescentando que "a única forma de derrotarmos esse golpe é massificando a participação popular."

Graciela Ramirez, coordenador do Comitê de Paz, Justiça e Dignidade dos Povos, também falou de forma muito forte "contra o golpe midiático, político e jurídico que não é apenas contra Dilma, mas contra toda a América Latina". Observando aos mais de 56 milhões de brasileiros que seus votos a reelegeram presidente, disse ela.

Afirmou que esta manobra confirma o perigo que está vivendo hoje toda a região, "é um golpe contra todos nós, a razão, a democracia, e a mão do imperialismo está neste golpe", afirmou, defendendo "um estado de mobilização permanente e alerta, mobilizando-nos nas ruas com a verdade e o compromisso de nunca desistirmos."

O último orador do evento foi Roberto César Hamilton, diretor no ICAP, que reiterou a denúncia de conspiração contra Dilma "com base em uma acusação que carece de sustento legal".

Desde o ICAP denunciamos ao mundo que estava em curso um novo golpe parlamentar no Brasil, exclamou, e insistiu na unidade necessária para a luta dos povos.

Estavam presentes Elio Gámez Neyra e o herói Fernando González Llort, vice-presidente sênior e vice-presidente, respectivamente, do ICAP, Pedro Pablo Prada, vice-diretor do Ministério das Relações Exteriores, Francisco Delgado, coordenador do Departamento de Relações Internacionais do Comitê Central do PCC, representantes de diversos órgãos, trabalhadores ICAP e membros da comunidade. (Iliana Garcia Giraldino / Foto: Orlando Perera / Siempre con Cuba / ICAP)

(Iliana García Giraldino/Fotos: Orlando Perera /Siempre con Cuba/ICAP)
Publicado por ICAP - Instituto Cubano de Amistad con los Pueblos. 

                                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

20 de abr de 2016

HOMENAGEM AOS MÉDICOS CUBANOS MORTOS NO TERREMOTO DO EQUADOR

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

 

Cubanos, equatorianos e membros do corpo diplomático prestarm hoje uma homenagem aos três médicos da ilha caribenha mortos no terremoto que devastou no último sábado a costa noroeste do Equador.

Sempre recordaremos deles como membros do glorioso exército das batas brancas criadas na época por nosso Comandante em Chefe Fidel Castro, disse Maria Isabel Martinez, chefe dos profissionais da brigrada de saúde destacados no país sul-americano há mais de dois anos.

Na cerimônia solene realizada na embaixada cubana em Quito, Martinez ressaltou que os médicos Barbara Caridad Cruz, 46 anos, Leonardo Ortiz, 53, e Eric Omar Pérez, 41, todos especialistas em Medicina Geral Integral, que morreram no sábado passado na localidade de Pedernales, deixaram para trás suas famílias em Cuba para virem servir o povo equatoriano.

Por sua parte, a deputada Maria Augusta Calle, que também preside a Coordenadoria equatoriana de Solidariedade com Cuba, transmitiu as sentidas condolências de seus compatriotas aos familiares dos falecidos, ao povo e ao governo da ilha caribenha.

Sentimos uma profunda dor por ter que lhes devolver os três combatentes que sacrificaram as suas vidas em nosso país, expressou Calle, que visivelmente emocionada também leu um acordo assinado pela presidenta da Assembleia Nacional, Gabriela Rivadeneira, em que a deputada expressa seu pesar pela trágica morte dos três profissionais de saúde.

O presidente da Associação de Cubanos Residentes no Equador, Rafael Nodarse, também transmitiu o pesar sentido pelos membros da organização, pelo desaparecimento físico de seus compatriotas que de forma altruísta prestaram seus serviços ao povo equatoriano.

Juan Hernández, ministro conselheiro da missão diplomática cubana aqui, agradeceu o apoio das autoridades no resgate dos corpos, e confirmou que os restantes 700 membros da brigada médica, junto ao contingente de profissionais de saúde e equipes de resgate que chegaram de Cuba nas últimas horas, seguirão trabalhando com a mesma dedicação de seus companheiros mortos.

A homenagem foi assistida por uma representação dos colaboradores de saúde que trabalham permanentemente no país andino, familiares do pintor falecido Oswaldo Guayasamín, membros dos comitês equatorianas de solidariedade com Cuba, e os embaixadores da Venezuela e da Bolívia, Carol Delgado e Juan Enrique Jurado, respectivamente, bem como representantes do Ministério de Saúde Pública do Equador.

Os corpos serão repatriados para Cuba nas próximas horas, acompanhados pelos médicos Oneida Toirac e Jorge Luis Quintana, que trabalhavam em Pedernales juntamente com três mortos e sobreviveram ao terremoto que deixou até agora um saldo de 525 mortos, mais de quatro mil feridos e 231 desaparecidos.
Extraído de PL
                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!! 

TRÊS MÉDICOS CUBANOS MORREM EM TERREMOTO NO EQUADOR




Cinquenta e nove colaboradores de saúde cubanos prestam serviços nas áreas mais afetadas pelo terremoto no Equador.

Três médicos cubanos morreram em Pedernales, município da província de Manabi, durante o terremoto de 7,8 graus de sábado no Equador, informou o Ministério da Saúde Pública de Cuba.

Durante o terremoto os médicos estavam dentro de um edifício que desabou completamente.

"Como parte dos trabalhos de resgate e salvamento realizados, foram encontrados os corpos da Dra. Bárbara Caridad Cruz Ruiz, de 46 anos, especialista em clínica geral e medicina interna, da província de Villa Clara. do Dr. Leonardo Ortiz Estrada, 53 anos, um especialista em clínica geral, residente em Villa Clara, natural de Manzanillo, província de Granma e do Dr. Eric Omar Pérez de Alejo Quesada, 41 anos, que também é um especialista em clínica geral, da província de Villa Clara. Os corpos estão sendo mantidos em conservação a fim de serem levados de volta a Cuba", explica a nota do Ministério da Saúde Pública de Cuba.

A nota disse que dos 742 funcionários de saúde que estão no Equador, 59 prestam seus serviços na área que foi atingida pelo terremoto.

"O resto da brigada se encontra em bom estado de saúde, participando da recuperação em seus trabalhos habituais, com a disposição de colaborar em tudo o que for necessário", concluiu a nota.

O ministro da Defesa do Equador, Ricardo Patiño, afirmou em um contato com Telesur que o número de mortos no terremoto de 7,8 graus no sábado subiu para 413 e há mais de dois mil feridos.

Patiño disse que contam com mais de 400 trabalhadores de resgate de oito países: Venezuela, Colômbia, Peru, Chile, El Salvador, Bolívia, México e Espanha. Enquanto outros da Argentina e Brasil estão para chegar.

Após o terremoto de 7,8 graus de magnitude que sacudiu o sudoeste do Equador, ocorreram ainda 300 tremores secundários, informou o Instituto Geofísico do país.

O terremoto é um dos de maior intensidade registrados na América Latina nos últimos 20 anos. O tremor foi registrado entre os balneários costeiros de Cojimíes e Pedernales (norte), na província de Manabi e perto de Esmeraldas, onde o impacto dos tremores também foi sentido.

                                                                               
Por: teleSUR - ACH

 Este contenido ha sido publicado originalmente por teleSUR bajo la siguiente dirección: 
 http://www.telesurtv.net/news/Tres-medicos-cubanos-mueren-en-terremoto-en-Ecuador-20160418-0076.html. Si piensa hacer uso del mismo, por favor, cite la fuente y coloque un enlace hacia la nota original de donde usted ha tomado este contenido. www.teleSURtv.net
Fonte: teleSUR - www.teleSURtv.net

                                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

19 de abr de 2016

CUBA ENVIA BRIGADA MÉDICA PARA AJUDAR VÍTIMAS DO TERREMOTO NO EQUADOR

 
Havana, 18 abr (PL) A brigada do Contingente Internacional de Médicos Especializados em lidar com desastres e epidemias graves "Henry Reeve", viajou para o Equador para prestar assistência às vítimas do terremoto que atingiu algumas regiões do país no sábado.

Uma nota oficial informou que o grupo de especialistas está reforçado com uma equipe de resgate e salvamento.

Esta contribuição se soma aos mais de 700 colaboradores dos serviços de saúde prestados de maneira permanentemente no Equador e que foram postos à disposição das autoridades do país para prestar assistência à população afetada, acrescenta.

A nota afirma que Cuba ratifica sua solidariedade e apoio ao governo e ao povo do Equador que já existe desde antes da tragédia causada pelo terremoto de 7,8 graus na escala Richter, que deixou um saldo, até agora, de 272 mortes e mais de dois mil feridos.

Editado por Julio Pérez 
Fonte: Radio Habana Cuba - Una voz de amistad que recorre el mundo
 
                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

18 de abr de 2016

CUBA CONDENA 'GOLPE DE ESTADO PARLAMENTAR' NO BRASIL E APOIA DILMA ROUSSEFF

#‎FIMDOBLOQUEIO‬



Declaração do Ministério das Relações Exteriores da República de Cuba

Setores da direita representantes da oligarquia, em conluio com a imprensa reacionária do Brasil, apoiados abertamente pelas transnacionais da comunicação e o imperialismo, têm consumado, na Câmera de Deputados desse país, o primeiro passo daquilo que constitui um golpe de Estado parlamentar contra o governo legítimo do Partido dos Trabalhadores (PT) e a presidente Dilma Rousseff, que se vem preparando há meses.

Trata-se de um ataque baseado em acusações sem provas nem fundamentos legais contra a democracia brasileira e contra a legitimidade de um governo eleito nas urnas pela maioria do povo, como tem sido denunciado pela própria presidente, pelo ex-presidente e líder do PT Luiz Inácio “Lula” Da Silva e por inúmeros líderes de partidos políticos da esquerda e movimentos sociais brasileiros.

Desde o ano 2003, em que tomou posse o primeiro governo do Partido dos Trabalhadores, liderado por Lula, têm sido implementados no Brasil importantes programas sociais com um alto impacto na população menos favorecida. Segundo o Banco Mundial, 25 milhões de brasileiros deixaram de viver na pobreza, graças a programas como “Bolsa Família”; “Minha Casa, Minha Vida”; “Mais Médicos” e “Fome Zero”. Brasil se converteu em um influente ator internacional, defensor das causas justas e promotor da unidade e a integração latino-americana e caribenha.

A oposição golpista busca fechar o ciclo de governos populares do Partido dos Trabalhadores e com isso acabar com as conquistas sociais alcançadas pelo povo brasileiro, impor um governo neoliberal que permita o saqueio por parte das grandes empresas transnacionais das riquezas naturais deste irmão país latino-americano, especialmente suas imensas reservas de petróleo, minérios, água e biodiversidade, e que subordine sua política exterior aos interesses hegemônicos imperialistas.

Este golpe contra a democracia brasileira faz parte da contraofensiva reacionária da oligarquia e o imperialismo contra a integração latino-americana e os processos progressistas da região. Ainda, vai encaminhado contra os países do chamado grupo BRICS, que constituem um conjunto de poderosas economias que têm desafiado a hegemonia do dólar estadunidense.

O Ministério das Relações Exteriores da República de Cuba condena energicamente o golpe de Estado parlamentar que está em andamento no Brasil e apoia resolutamente o povo e o legítimo governo desse irmão país, bem como a presidente Dilma Rousseff, em defesa dos avanços políticos e econômicos e as conquistas sociais atingidas durante os governos do Partido dos Trabalhadores.

Havana, 17 de abril de 2016Setores da direita representantes da oligarquia, em conluio com a imprensa reacionária do Brasil, apoiados abertamente pelas transnacionais da comunicação e o imperialismo, têm consumado, na Câmera de Deputados desse país, o primeiro passo daquilo que constitui um golpe de Estado parlamentar contra o governo legítimo do Partido dos Trabalhadores (PT) e a presidente Dilma Rousseff, que se vem preparando há meses.

Trata-se de um ataque baseado em acusações sem provas nem fundamentos legais contra a democracia brasileira e contra a legitimidade de um governo eleito nas urnas pela maioria do povo, como tem sido denunciado pela própria presidente, pelo ex-presidente e líder do PT Luiz Inácio “Lula” Da Silva e por inúmeros líderes de partidos políticos da esquerda e movimentos sociais brasileiros.

Desde o ano 2003, em que tomou posse o primeiro governo do Partido dos Trabalhadores, liderado por Lula, têm sido implementados no Brasil importantes programas sociais com um alto impacto na população menos favorecida. Segundo o Banco Mundial, 25 milhões de brasileiros deixaram de viver na pobreza, graças a programas como “Bolsa Família”; “Minha Casa, Minha Vida”; “Mais Médicos” e “Fome Zero”. Brasil se converteu em um influente ator internacional, defensor das causas justas e promotor da unidade e a integração latino-americana e caribenha.

A oposição golpista busca fechar o ciclo de governos populares do Partido dos Trabalhadores e com isso acabar com as conquistas sociais alcançadas pelo povo brasileiro, impor um governo neoliberal que permita o saqueio por parte das grandes empresas transnacionais das riquezas naturais deste irmão país latino-americano, especialmente suas imensas reservas de petróleo, minérios, água e biodiversidade, e que subordine sua política exterior aos interesses hegemônicos imperialistas.

Este golpe contra a democracia brasileira faz parte da contraofensiva reacionária da oligarquia e o imperialismo contra a integração latino-americana e os processos progressistas da região. Ainda, vai encaminhado contra os países do chamado grupo BRICS, que constituem um conjunto de poderosas economias que têm desafiado a hegemonia do dólar estadunidense.

O Ministério das Relações Exteriores da República de Cuba condena energicamente o golpe de Estado parlamentar que está em andamento no Brasil e apoia resolutamente o povo e o legítimo desse irmão país, bem como a presidente Dilma Rousseff, em defesa dos avanços políticos e econômicos e as conquistas sociais atingidas durante os governos do Partido dos Trabalhadores.

Havana, 17 de abril de 2016.
 
Fonte: Solidários

                                                                    VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!     

PRAIA GIRÓN : PRIMEIRA DERROTA DOS ESTADOS UNIDOS NA AMÉRICA LATINA !!

#‎FIMDOBLOQUEIO‬


Terça-feira, dia 19 de  abril, o povo cubano comemora a vitória da batalha de Praia Girón. Este fato tem singular relevância para o povo cubano e é recordado pela derrota em 1961 da invasão de tropas mercenárias treinadas pela Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA).
 
Aquele plano de incursão armada foi aprovado pelo presidente dos Estados Unidos Dwight D. Eisenhower, que no dia 17 de março de 1960 ordenou iniciar o recrutamento dos mercenários de origem cubana, encarregados do desembarque pela província de Matanzas, situada a oeste.

Mercenários

Segundo documentos históricos, a cada um deles foram oferecidos 225 dólares mensais, mais 50 adicionais pelo primeiro filho e 25 pelos restantes. Ao todo destinaram-se inicialmente 4,4 milhões de dólares, cifra que depois se multiplicou.

A CIA estabeleceu 13 acampamentos de treinamento disseminados por Guatemala, Nicarágua e Estados Unidos e bases militares norte-americanas em Porto Rico e na região do canal do Panamá.

Dias após as eleições nos Estados Unidos, em 18 de novembro de 1960, a CIA expôs ao presidente eleito John F. Kennedy os pormenores do plano e este aprovou a ideia.

Caráter socialista da revolução

Em 15 de abril de 1961, enquanto o agrupamento naval mercenário navegava rumo a Cuba escoltado por navios norte-americanos da Marinha de Guerra, oito bombardeiros B-26 pintados com símbolos da Força Aérea Cubana bombardearam duas bases da aviação e um aeroporto civil.

Depois, no enterro das vítimas do ataque, foi proclamado o caráter socialista da Revolução e decretou-se o estado de alarme de combate para o país. Nesta data celebra-se a cada ano o Dia do Miliciano.

Ao mesmo tempo que se intensificava o apoio aos grupos mercenários encravados na Flórida e encarregados das ações terroristas contra Cuba, se desatou uma campanha midiática cujo objetivo era assegurar a futura agressão direta.

Plano desestabilizador

Foram satanizadas as medidas revolucionárias adotadas em benefício popular, como a reforma agrária que entregou a terra aos que a trabalhavam, ou a reforma urbana, liquidadora dos proprietários de casas que exploravam a necessidade popular de moradias.

Imprensa e políticos de numerosos países, unidos ao plano desestabilizador, vincularam a abertura de Cuba às relações com todos os estados a um suposto ataque da União Soviética ao mais importante bastião capitalista e a seus aliados na América Latina.

Manipulação mediática

Os Estados Unidos colocaram todo seu poderio de propaganda para convencer o mundo, mediante falsas notícias, da existência de uma rebelião interna do povo cubano e do respaldo a um "governo no exílio" constituído por políticos tradicionais e corruptos.

O desembarque em Cuba da denominada Brigada 2506 começou no dia 17 de abril e a mesma reunia características similares às unidades de assalto anfíbio das forças armadas dos Estados Unidos. Tinha cerca de 1.500 homens armados, tanques e artilharia de campanha.

Vitória da revolução


 
As forças cubanas estavam integradas por combatentes do Exército Rebelde e da Polícia Nacional Revolucionária, mas o grosso eram milicianos voluntários com escassa ou nenhuma experiência combativa.

Dirigidas pessoalmente pelo líder da Revolução, Fidel Castro, as tropas cubanas não deram trégua ao inimigo e às 17:30 hora local do dia 19 de abril, a invasão estava liquidada. Foi uma vitória histórica dos revolucionários contra o imperialismo. 

Povo Invencível !!!  

O custo para os compatriotas cubanos: veja a lista de mortos :
 
1. Ramón Enrique Báez Vázquez, Jiguaní, Granma, agricultor, 21 años
2. Alejandro Beltrán Mojena, Baire, Granma, obrero agrícola, 26 años
3. Héctor Batista Peña, Holguín, obrero agrícola, 19 años
4. Ramiro Betancourt, Santiago de Cuba, empleado, 19 años
5. Emilio Daudinot Pineda, Guantánamo, obrero agrícola, 20 años
6. Juan Alberto Díaz González, estudiante, 24 años
7. Nicanor Egoscue Rosa, Cienfuegos, carpintero, 37 años
8. Antero Fernández Vargas, minero, 30 años
9. José Ramón Fuertes Cano, Villa Clara, obrero agrícola, 27 años
10. Manuel Galán Mora, Santiago de Cuba, obrero agrícola, 22 años
11. Enrique Hernández Montes de Oca, Santiago de Cuba, panadero, 23 años
12. Diosmede Jiménez Palomino, Granma, obrero agrícola, 26 años
13. Osvaldo López López, Granma, obrero agrícola, 33 años
14. Inocente Antonio Palacio Baró, Ciego de Ávila, obrero agrícola, 24 años
15. Armando Parra Góngora, Holguín, obrero agrícola, 25 años
16. Víctor Manuel Reyes Pérez, Santiago de Cuba, mecánico de autos, 23 años
17. Raúl Rojas Mendoza, Santiago de Cuba, dependiente, 24 años
18. José Mariano Tamayo Rodríguez, Granma, estudiante, 21 años.
Fuerza Aérea Rebelde
19. Orestes Acosta Herrera, Remedios, Villa Clara, piloto de aviación, 28 años
20. Reinaldo Fabián González Galainena, Ciudad de La Habana, mecánico, 22 años
21. Alfredo de Jesús Noa Díaz, Holguín, artillero, 20 años
22. Luis Alfonso Silva Tablada, Santiago de Cuba, piloto de aviación, 47 años
23. Martín Torres Ruiz, Villa Clara
24. Carlos Ulloa Arauz, Nicaragua, piloto de aviación
Policía Nacional Revolucionaria
25. José Miguel Bañuls Perera, Santiago de Cuba
26. Wilfredo Betancourt Arias, obrero agrícola, 21 años
27. Eusebio Cañer Enríquez, Lajas, Cienfuegos, obrero agrícola, 21 años
28. Luis Artemio Carbó Ricardo, Holguín, estudiante, 21 años
29. Rafael Ángel Carini Milián, Ciudad de La Habana, empleado de periódico, 21 años
30. Efraín Israel Espinosa Pérez, Granma, obrero agrícola, 24 años
31. Adalberto Gómez Núñez, La Habana, empleado de periódico, 26 años.
32. Wilfredo Gonce Cabrera, Guantánamo, 19 años
33. Rodolfo Fernández Álvarez, Santiago de Cuba, 19 años
34. Eusebio Rafael Izquierdo Ramírez, Las Tunas, cocinero, 24 años.
35. Luis López Mustelier, Guantánamo, obrero agrícola, 25 años
36. Álvaro Morales Hernández, Granma, 25 años
37. Tomas Palmero Vizcaíno, Sancti Spíritus, obrero agrícola, 30 años
38. Juan Dioscórides Prieto Delgado, Matanzas, 20 años
39. Pedro Antonio Quintana López, Pinar del Río, empleado de almacén, 26 años
40. Sofiel Riverón López, Matanzas, empleado de tintorería, 20 años
41. Roberto Rodríguez Sarmiento, Santiago de Cuba, obrero agrícola, 25 años
42. Julián Sánchez Gómez, Cienfuegos, dependiente, 31 años
Marina de Guerra Revolucionaria
43. Juan Alarcón Rodríguez, Granma, marinero, 23 años
44. Armando Ramos Velazco, Pinar del Río, 27 años.
Escuela de Responsables de Milicias
45. Ignacio Rolando Abreu, Santa Clara, 37 años
46. Félix Edén Aguada Gerardo, Cienfuegos, empleado, 21 años
47. Claudio Argüelles Camejo, Ciudad de La Habana,empleado, 34 años
48. Giraldo Díaz Pérez, Matanzas, empleado, 22 años
49. Wilfredo Díaz Rodríguez, Matanzas, obrero ganadero, 24 años
50. Roberto Fernández Pérez, Matanzas, empleado, 33 años
51. Luis Ferrer Falcón, Ciudad de La Habana, empleado, 17 años
52. Mario Raudilio Fleitas Martínez, Matanzas, obrero de construcción, 21 años
53. Benito Jesús Garay León, Villa Clara, zapatero, 37 años
54. Orlando García García, Matanzas, obrero de construcción, 22 años
55. Octavio García Hernández, Cienfuegos, empleado, 40 años
56. Orestes García Saroza, Cienfuegos, obrero ganadero, 38 años
57. Gil Augusto González Morera, Sancti Spíritus, propietario de bar, 30 años
58. Antonio Jesús González Sánchez, Matanzas, empleado azucarero, 24 años
59. Ángel Guerra Oramas, Sancti Spíritus, obrero agrícola, 27 años.
60. Macario Guevara Carvajal, Ciego de Ávila, obrero agrícola, 39 años.
61. Ángel Orlando Hernández González, Villa Clara, empleado, 28 años.
62. Ramón Peña Díaz, España, mecánico, 24 años
63. Crescencio Valdés Ruiz, Villa Clara, obrero agrícola, 20 años
64. Pedro Valladares Guerra, Cienfuegos, obrero agrícola, 32 años
Milicias Nacionales Revolucionarias
Sección Sanitaria
65. Pedro Borrás Astorga, Pinar del Río, estudiante de Medicina, 20 años.
66. Juan Manuel Díaz Valdés, Ciudad de La Habana, portuario, 42 años
67. Marcelino Gutiérrez Aguado, España, vendedor, 23 años.
68. Rolando Vega O Connor, Granma, gastronómico, 28 años
Base Granma
69. Juan Domingo Cardona Bravo, Santiago de Cuba, zapatero, 17 años
70. Nelson Fernández Estévez, La Habana, obrero agrícola, 14 años
71. Hugo Rivero Álamo, La Habana, obrero agrícola, 21 años
72. Rolando Valdivia Fernández, Camagüey, empleado, 16 años
Batallón 111
73. José Antonio Pérez Machado, Villa Clara, 27 años
Batallón 113
74. Julio Hildalgo Díaz, Ciudad de la Habana, pintor, 41 años
Batallón 114
75. Argenis Burgos Palma, Santiago de Cuba, jornalero, 24 años
Batallón 120
76. José Manuel Torres Canals, La Habana, empleado textil, 42 años
Batallón 116
77. Dagoberto Álvarez Muñoz, La Habana, empleado de hotel, 28 años
78. Heriberto Cortés Iglesias, Las Tunas, gastronómico, 37 años
79. Roberto Flores Díaz, Ciudad de La Habana, empleado, 21 años
80. Pedro Fonseca Álvarez, Granma, jardinero, 25 años
81. Juan de Dios Fraga Moreno, La Habana, obrero de la construcción, 34 años.
82. Alberto Hernández Cano, Holguín, obrero, 24 años
83. José Manuel Lazo de la Vega Quintana, Pinar del Río, viajante de víveres, 41 años
84. Alberto Martínez García, Ciudad de la Habana, empleado de hotel, 38 años
85. Luis Víctor León Montes de Oca, Ciudad de La Habana, obrero, 36 años
86. Benjamín Moreno García, Ciudad de La Habana, estudiante, 15 años
87. José Antonio Pérez Santana, La Habana, dependiente, 16 años
88. Juan Ruiz Serna, La Habana, empleado, 59 años
89. Ángel Torres Portales, La Habana, empleado, 25 años
90. Juan Aurelio Triana Pérez, La Habana, empleado, 20 años
Batallón 117
91. Silvio Fernández Álvarez, Villa Clara, carpintero, 29 años.
92. Primitivo Filgueiras Rodríguez, Cienfuegos, ayudante de albañil, 41 años
93. Walfrido Hernández Rosales, Ciudad de La Habana, carpintero, 32 años
94. Amador López Mosquera, Ciudad de la Habana, mecánico, 44 años
95. Pedro Alcides Portuondo Bouly, Guantánamo, albañil, 25 años
96. Rufino del Carmen Suárez Albo, vendedor ambulante, 21 años
97. Luis Fernández Rodríguez, Ciudad de La Habana, obrero, 16 años
98. Enrique Galarraga Rodríguez, La Habana, desocupado, 23 años
99. Rolando García García, Guantánamo, conductor de ómnibus, 32 años
100. Rufino González Martínez, Ciudad de La Habana, obrero ferroviario, 31 años
101. Daniel Hernández Espinosa, Ciudad de La Habana obrero, 37 años
102. Elio Llerena Ravelo, La Habana, campesino, 20 años
103. Reinaldo Mandina Naranjo, Ciudad de la Habana, tapicero, 22 años
104. Agustín Marrero Ferrer, La Habana, obrero agrícola, 19 años
105. Ramón Peón Prieto, empleado de comercio, 19 años
106. Ramón Pol Machado, Villa Clara, obrero, 19 años
107. Bernardo Posse Orta, La Habana, chofer, 22 años
108. José Ramón Reyes Moro, Ciudad de La Habana, conductor de ómnibus, 42 años
109. Santiago Rojas Salinas, Ciego de Ávila, empleado, 33 años
110. Leovigildo Gregorio de la Sierra Baró, Matanzas, obrero, 36 años
111. Julio Verde Ramos, Ciudad de la Habana, estudiante, 16 años
Batallón 144
112. Sandalio Rodolfo Díaz Alfonso, Matanzas, obrero, 30 años.
Batallón 148
113. Miguel Ángel Rodríguez Marín, Villa Clara, obrero, 36 años.
Batallón 180
114. Pedro Rodríguez Santana, La Habana, obrero agrícola, 22 años
Batallón 211
115. Secundino Wilfredo Cabrera Reyes, Cárdenas, Matanzas, obrero agrícola, 19 años
Batallón 225
116. Eugenio Herminio Baró Baró, Matanzas, barbero, 29 años
117. Iluminado Rodríguez Rodríguez, Matanzas, sanitario, 37 años
Batallón 219 (Colón)
118. Jesús Falcón García, Matanzas, obrero agrícola, 34 años
119. Andrés Olano Álvarez, Matanzas, obrero agrícola, 40 años
120. Julio Padrón Armenteros, Matanzas, tractorista, 20 años
121. Dagoberto Rojas Rodríguez, Camagüey, obrero agrícola, 20 años
122. Roberto Senarega del Sol, Matanzas, obrero agrícola, 26 años
123. José Alfredo Sosa Morales, Matanzas, obrero agrícola, 25 años
Batallón 227 (Unión de Reyes)
124. Pablo Prado Rodríguez, Matanzas, empleado, 22 años
125. Juan de Mata Reyes Leonard, Matanzas, estudiante, 17 años
Batallón 339 (Cienfuegos)
126. Julio L. Rodríguez González, Ciego de Ávila, empleado, 31 años
127. Jorge Alfonso Delgado, Cienfuegos, jornalero, 20 años
128. Emiliano Álvarez González, San Fernando de Camarones, Cienfuegos, obrero, 25 años
129. Enrique Cantero Ibáñez, Cruces, Cienfuegos, obrero zapatero, 35 años
130. Jorge Luis Chaviano Chávez, Cienfuegos, obrero, 23 años
131. Rafael Espinosa Armenteros, Cienfuegos, mensajero, 33 años
132. Ramón Jáuregui Díaz, Cienfuegos, desocupado, 20 años
133. José Luis Martínez Paret, Cienfuegos, maestro panadero, 45 años
134. Rafael Morales Bonachea, Cienfuegos, desocupado, 21 años
135. Luis Pérez Iznaga, Cienfuegos, desocupado, 21 años
136. Alfredo Pláceres Barcaza, Cienfuegos, chofer, 28 años
137. Ciro Sosa Ruiseco, Villa Clara, zapatero, 18 años
138. Pedro Suárez Oramas, Cienfuegos, obrero, 27 años.
139. Miguel Vilches Roque, Cienfuegos, empleado de comercio, 37 años
140. Ángel de Jesús Villafuerte y Vázquez, Cienfuegos, empleado de comercio, 21 años
Milicias Territoriales
141. Pedro Filgueiras Solis, Cienfuegos, obrero azucarero, 49 años
142. Cecilio Miranda Díaz, Santiago de Cuba, administrador de cooperativa, 25 años
Ataques a los aeropuertos de Ciudad Libertad y San Antonio de los Baños
143. Juan Valdés López, Ciudad de La Habana, teniente de las FAR, 27 años
144. Eduardo García Delgado, Cienfuegos, oficinista, 23 años
145. Adalberto Vidal Valdés, La Habana, guardajurado, 28 años
146. Pablo Humberto Veitía Alfonso, Ciudad de la Habana, empleado, 26 años
147. Rolando Espinosa López, Camagüey, jornalero, 18 años.
148. Donatilo Iselín Arencibia Buchillón, Ciego de Ávila, empleado, 18 años
149. Carlos M. Loyarte López, Sancti Spíritus, obrero, 29 años
150. Luis Valdés Rodríguez, Sancti Spíritus, mecánico, 19 años
Otros combatientes caídos
151. Antonio Groso Pujol, Ciudad de La Habana, 24 años
152. Roger Lima Caballero, La Habana , 27 años
153. José Luis Pérez González, Cienfuegos, 21 años
154. Francisco Sanguinetty, 36 años
155. Félix Manuel Suárez González, Villa Clara, 27 años
156. Ramón_Álvarez_Puig, La Habana, 48 años

Fonte: Erica Soares, para Prensa Latina
Fonte: Portal Vermelho

                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

15 de abr de 2016

PELO FIM DO BLOQUEIO A CUBA

‪#‎FIMDOBLOQUEIO‬


O Comitê Carioca de Solidariedade a Cuba vai participar da II Jornada Pelo Fim do Bloqueio em Washington D.C. de 18 a 22 de abril.

Vamos levar aos políticos estadunidenses moções de apoio e declarações de parlamentares brasileiros sustentando o fim do bloqueio econômico, financeiro e comercial que os Estados Unidos impõem a Cuba há mais de meio século causando graves prejuízos ao povo cubano.

O deputado Eliomar Coelho criou na Assembleia Legislativa a Frente Parlamentar em Apoio ao Restabelecimento de Relações Diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba. A Frente criou uma carta com mais de vinte assinaturas e este documento será entregue em mãos no Capitólio em Washington como mais uma forma de demonstrar o apoio dos parlamentares brasileiros para que o Congresso norte-americano cesse de uma vez com o bloqueio genocida.

                                                                 VENCEREMOS !!!

MAB RECUSA ENTREVISTA A YOANI SANCHEZ

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Recentemente o Movimento dos Atingidos Barragens (MAB) recebeu um convite para participar de um programa realizado pela Deutsche Welle, um meio de comunicação alemão. A proposta seria realizar uma entrevista sobre megaprojetos e contaminação. Surpreendemo-nos, porém, quando descobrimos que o programa em questão seria conduzido por ninguém mais, ninguém menos que Yoani Sanchez, a blogueira cubana, alinhada ideologicamente com forças da direita golpista e imperialista.

Reafirmamos que nós, do MAB, não daremos entrevista e nem trégua para golpistas em nenhuma situação.

Segue a nota de esclarecimento do MAB sobre o caso:

Nós agradecemos o convite para participar da entrevista com o tema de megaprojetos e contaminação. No Brasil, assim como em outros países a população e o meio ambiente sofre com a ganância de empresas transnacionais e nacionais na exploração de minério e energia.

Apenas há cinco meses sofremos com o maior crime ambiental e social na história do Brasil, que foi a ruptura da barragem de Fundão. Tragédia anunciada, cometido pelas duas maiores transnacionais de mineração do mundo a BHP Billiton e a Vale.

Vemos a Deutsche Welle como um veiculo de comunicação importante, acreditamos na importância de denunciar as violações sofrida pelos atingidos pelos grandes empreendimentos nos meios de comunicação, dialogando com os vários setores da sociedade. Certamente a experiência dos atingidos poderia muito contribuir no debate sobre a energia a e violação de direitos humanos. Não teríamos desacordo em poder nos pronunciar por meio deste veiculo, se não fosse o fato que a condutora do programa, do qual nos fomos convidados a participar, é a Sra. Yoani Sanchez.

Vale lembrar que quando ela esteve no Brasil em 2013, teve apoio e esteve lado a lado de diversas personalidades e parlamentares que representam o pior da política brasileira e que neste momento estas mesmas figuras estão desconsiderando a nossa Constituição de 1988 ao defender o impedimento da Presidente Dilma sem ela ter cometido nenhum crime, o que significa um golpe e o plano destes setores para o povo brasileiro é dos mais perversos. Referimos a figuras como o deputado federal Jair Bolsonaro, que tem posições contrárias aos direitos humanos, aos direitos das mulheres e a população LGTB, que defende as torturas cometidas pela ditadura militar do Brasil, que alude ao crime quando grita em palanque publico que os trabalhadores sem terra devem ser assassinados.



Reiterando, e pedimos vossa compreensão, agradecemos o convite da Deutshe Welle, mas o Movimento dos Atingidos por Barragens coerente com sua posição na defesa da democracia e em solidariedade aos povos da América Latina, ao povo cubano, não nos dispomos a participar do programa conduzido por Yaoni Sanchez.Nos colocamos a disposição em participar de outras entrevistas e ao dialogo.

Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Em español:

Agradecemos la invitación para participar de la entrevista sobre los megaproyectos y contaminación. En Brasil, así como en otros países, la población y el medio ambiente sufre con la ganancia de compañías nacionales y transnacionales en la explotación de minería y energía. Hace apenas cinco meses que sufrimos con el mayor crimen ambiental y social de la historia de Brasil, que fue la ruptura de la represa de Fundão. Tragedia anunciada, cometida por las transnacionales de minería más grandes del mundo, la BHP Bilition y la Vale.

Vemos Deutsche Welle como un vehículo de comunicación importante y creemos en la importancia de denunciar en los medios de comunicación las violaciones sufridas por los afectados debido a los grandes emprendimientos, dialogando con los diversos sectores de la  sociedad. Seguramente la experiencia de los afectados podría sí contribuir con el debate sobre la energía y la violación de derechos humanos. No tendríamos problemas en pronunciarnos por este vehículo, si no fuera el hecho de que la presentadora del programa, al cual fuimos invitados a participar, sea la Señora Yoani Sanchez.

Recordamos que, cuando Yoani Sanchez estuvo en Brasil en 2013, tuvo el apoyo y estuvo lado a lado de diversas personalidades y parlamentares que representan lo peor que existe en la política brasileña, que en este momento estas mismas figuras stán desconsiderando nuestra constitución de 1988 al defender el impedimento de la presidente Dilma, que no cometió ningún crimen, lo que significa un golpe; y el plan de estos sectores para el pueblo brasileño es de lo más perverso posible. Nos referimos a figuras como el diputado federal Jair Bolsonaro, que tiene posiciones contrarias a los derechos humanos, a los derechos de las mujeres y de la población LGBT, que defiende las torturas cometidas por la dictadura militar de Brasil y que alude al crimen cuando grita en público que los trabajadores sin tierra deben ser asesinados.

Reiteramos y pedimos vuestra comprensión. Nuevamente agradecemos la invitación de Deutshe Welle, pero el Movimento dos Atingidos por Barragens, coherente con su posición, en la defensa de la democracia y en solidaridad al pueblo latino americano y especialmente al pueblo cubano, no participara del programa conducido por Yoani Sanchez.

Nos colocamos a disposición para participar en otras entrevistas y al diálogo
Movimiento de los Afectados por Represas.

Publicado por MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens

                                                                      VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!