31 de mar de 2016

VÍDEO COM RESPOSTAS DE RAÚL CASTRO NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA QUE ELE E BARACK OBAMA DERAM EM CUBA

#‎FIMDOBLOQUEIO‬ 


   Assista o vídeo: 

 

                           
                                                       
                                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

29 de mar de 2016

DIAS DEPOIS DA HISTÓRICA VISITA DE OBAMA A CUBA, SOLIDÁRIOS SE REÚNEM EM WASHINGTON PARA EXIGIR O FIM DO BLOQUEIO




 PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 23 de março de 2016

CONTATO:
Nancy Kohn: 617-504-9773

O Comitê Internacional de Paz, Justiça e Dignidade dos Povos voltará a Washington em abril, para colocar pressão sobre o governo do presidente Barack Obama que ao pode fazer muito mais para reduzir o impacto do bloqueio brutal de 55 anos contra Cuba e ao Congresso para que aprove a lei que finalmente porá um fim à agressão mais longa da história sobre um pequeno país que nunca atacou ninguém.

Presidente Obama e o executivo continuam anunciando novas regulamentações para aliviar as restrições contra Cuba em áreas como viagens e comércio, mas permanecem mínimas em relação ao que poderia realmente fazer Obama se fizesse uso de suas prerrogativas. O dano causado ao povo cubano pelo criminoso bloqueio permanece intacto.
 
Membros do Comitê Internacional, acompanhados por dezenas de simpatizantes dentro dos Estados Unidos e em outros países, se reunirão em Washington de 18 a 22 abril para a realização da "Segunda Joranada: Dias de Ação Contra o Bloqueio". Durante o evento visitaram escritórios de senadores e membros da Câmara dos Representantes e será realizado um importante fórum comunitário, "Através dos olhos cubanos", com informações a partir da perspectiva dos próprios protagonistas do que tem ocorrido em Cuba e o estado das relações entre os dois países.

Além do embaixador cubano em Washington DC, José Ramón Cabañas, os convidados da Ilha que que viajarão incluem profissionais de saúde envolvidos na luta contra o Ebola na África Ocidental e na reestruturação da infraestrutura de saúde no Haiti, a Diretora do Museu de Alfabetização de Havana, um representante do Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP), um estudante de jornalismo que vai apresentar uma história excepcional: Jorge Jérez "Jorgito el Camagüeyano". George nasceu em Cuba em 1993 com paralisia cerebral, mas graças ao atendimento do sistema de saúde e o sistema educação de Cuba, tornou-se um jovem jornalista cubano que não só usa seu conhecimentos e escritos para si, mas participa e trabalha ativamente. "O Poder dos Fracos" é um documentário do cineasta alemão Tobias Kriele sobre a vida de Jorgito, que será exibido durante a Jornada, em Washington.

Embora reconhecendo a importância da decisão do Presidente Obama, em dezembro de 2014, de por fim (em suas próprias palavras) "ao método ultrapassado imposto a Cuba durante décadas fracassou em fazer avançar nossos interesses" e a recente visita histórica do Presidente a Cuba, Alicia Jrapko do Comitê Internacional nos EUA explicou que Obama pode fazer muito mais para ajudar a normalizar as relações com Cuba. "Enquanto aplaudimos os passos que Obama tem tomado, o exortamos a utilizar seu poder executivo para desarticular o bloqueio, fechar a prisão de Guantánamo e devolver a Cuba seu território. Ele deve também por fim a lei preferencial "Pés secos, pés molhados", política que incentiva a imigração ilegal e insegura, deve por fim ao programa de liberdade para médicos cubanos que encoraja os profissionais a abandonar programas médicos de Cuba no exterior, e terminar com financiamento da USAID e o Fundo National para a democracia com seus programas destinados a promover a mudança de regime em Cuba ". 

Netfa Freeman, do Instituto de Estudos Políticos, um dos grupos organizadores das ações de abril disse que a maioria dos estadunidenses, incluindo cubanos estadunidendes, apoiam o fim do bloqueio. "Parte deste apoio", disse Freeman, "é o resultado de uma maior consciência da hipocrisia das exigências dos Estados Unidos de promover uma mudança da sociedade em Cuba, a qual não sofre da epidemia nacional de assassinatos de negros pela polícia e encarceramento em massa, ou males sociais como falta de moradia. A grande maioria dos cubanos tem garantidos moradia e cuidados de saúde como direitos humanos".

Freeman referiu-se a bem sucedida turnê de 10 dias pela Costa Oeste realizada recentemente por Miguel Fraga, primeiro secretário da Embaixada de Cuba em Washington DC, como outro sinal do estado de ânimo das pessoas. Fraga falou para umas 1.500 pessoas em 20 eventos diferentes, e foi apresentado no Senado do estado da Califórnia. "A Guerra Fria terminou", declarou aos seus colegas o senador estadual Isadore Hall III, onde pela primeira vez a bandeira cubana foi desfraldada no plenário do Senado. "É hora de olhar para a frente e para um futuro em que Cuba é um parceiro, não um inimigo dos Estados Unidos."

Como parte da turnê do diplomata cubano, em uma conferência em Seattle, o congressista do 7º Distrito do Estado de Washington, Jim McDermott, incitou o público a participar ja Jornada de abril em Washington DC para pressionar o Congresso para que ponha fim ao bloqueio.

Fonte: Comitê Internacional de Paz, Justiça e Dignidade dos Povos

                                                    Vencemos !!! Venceremos !!!

ARTIGO DE FIDEL SOBRE DISCURSO DE OBAMA EM CUBA CORRE O MUNDO

#‎FIMDOBLOQUEIO


O Artigo do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, publicado segunda-feira em nosso diária, teve tido grande repercussão na imprensa do mundo todo.

O irmão Obama, referindo-se à recente visita do presidente dos Estados Unidos a Cuba, pôs o nome de Fidel entre as principais tendências na rede social Twitter.

O portal da Nicarágua, La Voz del Sandinismo,blicou o material divulgado pelo líder histórico da Revolução onde ele afirma que Cuba é capaz de produzir alimentos e as riquezas materiais que precisam com esforço e inteligência do seu povo.

Fidel disse que ninguém pode ter a ilusão de que o povo de Cuba renunciará à glória e aos direitos, e à riqueza interior que ganhou com o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura.


A agência de notícias Reuters disse que Fidel Castro criticou Obama por não se referir em seu discurso ao extermínio dos povos indígenas nos Estados Unidos e Cuba e por não reconhecer os ganhos de Cuba na saúde e na educação.

O jornal La Nacion da Argentina, dedicou um grande título para a resposta do Comandante em Chefe a Obama e utilizou a frase "não necessitamos que o império nos presenteie com nada."

A Agência Francesa de Imprensa também repercutiu as palavras de Fidel que afirmou que, apesar da recente visita de Barack Obama, a ilha não vai esquecer seu último confronto com Washington.

No material intitulado O Irmão Obama, informou a AFP, o ex-presidente cubano recordou o bloqueio imposto pela nação vizinha em 1962 e seu apoio à ações violentas contra o governo da ilha.

Em Ansa, poodemos ler que "o ex-presidente Fidel Castro sugeriu ao presidente dos EUA, Barack Obama depois de sua histórica visita a Cuba, que "não tenta teorizar sobre a política cubana "e lhe advertiu que a ilha não precisa de presentes do "império"."

A BBC de Londres também fez referência ao artigo do líder da Revolução cubana e utilizou a frase a frase de Fidel: "não necessitamos que o império nos presenteie nada."

"Se Supõe que cada um de nós correu o risco de um infarto ao ouvir estas palavras do Presidente dos Estados Unidos", comentou o ex-mandatário cubano sobre o convite de Obama para esquecermos o passado e olharmos juntos para o futuro.



Da Venezuela o diário 4F Digital admirou a resposta de Fidel e se referiu às suas declarações de que "nossos esforços serão legais e pacíficos, porque é o nosso compromisso com a paz e fraternidade entre todos os seres humanos que vivem neste planeta".

O governo dos EUA também se referiu ao artigo de Fidel através John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado em suas publicações diárias.

O porta-voz disse que "Fidel Castro pode falar por si mesmo sobre a história conturbada entre os EUA e Cuba (...). As políticas anteriores dos últimos cinquenta anos não funcionaram, nós acreditamos que haverá de se comprometer para finalmente ter relações normais com Cuba".

Ao comentar o artigo de Fidel, Kirby reconheceu que "ninguém esperava" que o restabelecimento das relações entre os EUA e Cuba fosse ser "linear, fácil ou rápido."

O jornal La Jornada, do México, também se referiu às ideias do líder cubano ao analisar o discurso do presidente Obama durante sua visita a Cuba.

Fidel, diz o jornal, disse que Obama omitiu em seu discurso que "a discriminação racial foi varrida pela Revolução; que a aposentadoria e o salário de todos os cubanos foram decretados antes do senhor Barack Obama completar 10 anos."

Publicado por Cuba por Siempre

                                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!! 

OBAMA SE ENGANOU DE ILHA


 
Fidel, Obama disse que quer impulsionar o setor privado em Cuba. Melhorar os Direitos Humanos em Cuba, que existam mais partidos políticos, que se reduza o papel do Estado.

Tu disseste "mudar o que deve ser mudado" e o outro entendeu "privatizar tudo o que deva ser privatizado".

Definitivamente o sujeito errou de Ilha, estas são as Ilhas Virgens, não te parece, Fidel ?

Publicação de Fidelista Por Siempre

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!  

O DEPARTAMENTO DE ESTADO DESMENTE PALAVRAS DE OBAMA EM CUBA

#‎FIMDOBLOQUEIO‬ 

  Por Iroel Sánchez

Em seu discurso no Gran Teatro de La Habana, dirigido à sociedade civil cubana, o presidente Barack Obama disse:

"Os Estados Unidos não têm a capacidade nem a intenção de impor mudanças em Cuba, as alterações dependem do povo cubano. Não vamos impor o nosso sistema político e econômico, porque sabemos que cada país, cada nação deve forjar o seu próprio destino "

Ele também disse:

"Já existe uma evolução que está ocorrendo aqui em Cuba, uma mudança geracional. Muitos sugeriram que eu viria aqui e pediria ao povo para destruir algo, mas não, estou apelando aos jovens de Cuba para construirem algo novo, evoluir. O futuro de Cuba tem que estar nas mãos do povo cubano! "

Parece que a "evolução" e o "apelo" não são suficientes e a "elevação" obamista precisava do dinheiro e das instruções de um país onde a polícia mata três pessoas, em média, por dia, em sua maioria jovens. 

Apenas três dias depois de Barack Obama deixar Cuba, o Departamento de Estado anunciou um programa de orientação de práticas comunitárias por $ 753.989 para "jovens líderes da emergente sociedade civil cubana".

Como anunciaram, organização sem fins lucrativos e instituições de ensino estão convidados a apresentar propostas. O prazo limite é 20 de maio e é esperado que os primeiros prêmios sejam dados no final de julho ou início de agosto.

O Bureau de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado pretende gerir o programa destinado para o financiamento de dois a quatro meses de programas de desenvolvimento profissional "que impulsionarão o desenvolvimento de planos de ação para atividades comunitárias não governamentais em Cuba."

O anúncio diz:

"A Sociedade civil cubana não é formada por organizações bem estabelecidas que normalmente seriam encontrados em uma sociedade com uma forte tradição democrática. Através da participação no programa, os participantes vão desenvolver um conjunto de ferramentas de liderança e habilidades para gerir e fazer crescer as organizações da sociedade civil que apoiam os princípios democráticos em Cuba ".

Fonte: La Pupila Insomne 

                                              VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

28 de mar de 2016

FIDEL CASTRO: NÃO NECESSITAMOS QUE O IMPÉRIO NOS PRESENTEIE COM NADA


 
O Comandante da Revolução Cubana comentou o discurso de Obama durante visita a Cuba.

"Cuba não renunciará à glória, aos direitos e à riqueza espiritual que ganhou com o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura"."

"Não necessitamos que o império nos presenteie nada.Nossos esforços serão legais e pacíficos, porque nosso compromisso é com a paz e a fraternidade de todos os seres humanos que vivemos neste planeta."

"Somos capazes de produzir os alimentos e as riquezas materiais que necessitamos com o esforço e a inteligência de nosso povo."

Sobre as declarações de Obama a favor de "esquecer o passado e olhar para o futuro", Fidel Castro considera que utilizou as "palavras mais açucaradas" e afirma que os cubanos correram "o risco de um infarto" ao escutar o presidente dos Estados Unidos falar de cubanos e americanos como "amigos, família e vizinhos".

"Após um bloqueio impiedoso que durou quase 60 anos e diante dos que morreram nos ataques mercenários a embarcações e portos cubanos, além de invasões mercenárias, múltiplos atos de violência e de força?"

Castro lembra a Invasão de Baía dos Porcos, quando em 1961 "uma força mercenária com canhões e infantaria blindada, equipada com aviões, foi treinada e acompanhada por navios de guerra e porta-aviões dos Estados Unidos, atacando de surpresa nosso país".

"Nada poderá justificar aquele ataque que custou a nosso país centenas de baixas entre mortos e feridos"

Fidel Castro também criticou que nas declarações de Obama sobre a origem mestiça tanto de Cuba como dos EUA, não mencionou que "a discriminação racial foi varrida pela Revolução", que aprovou "a aposentadoria e o salário de todos os cubanos" antes que do presidente americano "completar dez anos".

"O odioso costume burguês e racista de contratar aguazís para que os cidadãos negros fossem expulsos de centros de recreação foi varrida pela Revolução Cubana." 

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

 

FIDEL CASTRO: O IRMÃO OBAMA

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Os reis da Espanha nos trouxeram os conquistadores e donos, cujas impressões digitais ficaram nas faixas de terra entregues aos buscadores de ouro nas areias dos rios, uma forma abusiva e sufocante de exploração cujos vestígios se podem ver desde o ar em muitos lugares do país.
Por Fidel Castro


Minrex Cuba
Barack Obama em frente ao monumento em homenagem a Camilo Cienfuegos, mensionado por Fidel em seu artigo Barack Obama em frente ao monumento em homenagem a Camilo Cienfuegos, mensionado por Fidel em seu artigo
 
O turismo hoje, em grande parte, consiste em mostrar as delícias das paisagens e saborear os excelentes alimentos de nossos mares, e sempre que se compartilhe com o capital privado das grandes corporações estrangeiras, cujos , se não atingem bilhões de dólares per capita não são dignos de nenhuma atenção.

Já que me vi obrigado a mencionar o tema, devo acrescentar, principalmente para os jovens, que poucas pessoas se dão conta da importância de tal condição neste momento singular da história humana. Não direi que o tempo se perdeu, mas não vacilo em afirmar que não estamos suficientemente informados, nem vocês nem nós, dos conhecimentos e das consciências que deveríamos ter para enfrentar as realidades que nos desafiam. O primeiro a levar em conta é que nossas vidas são uma fração histórica de segundo, que ademais há que compartilhar com as necessidades vitais de todo ser humano. Uma das características deste é a tendência à supervalorização de seu papel, o que contrasta por outro lado com o número extraordinário de pessoas que encarnam os sonhos mais elevados.

Contudo, ninguém é bom ou mau por si mesmo. Nenhum de nós está desenhado para o papel que deve assumir na sociedade revolucionária. Em parte, os cubanos tivemos o privilégio de contar com o exemplo de José Martí. Pergunto-me inclusive se ele tinha que cair ou não em Dois Rios, quando disse “para mim é chegada a hora”, e fez carga contra as forças espanholas entrincheiradas em uma sólida linha de fogo. Não queria regressar aos Estados Unidos e não havia quem o fizesse regressar. Alguém arrancou algumas folhas de seu diário. Quem tem essa pérfida culpa, que foi sem dúvida obra de algum intrigante inescrupuloso? Conhecem-se as diferenças entre os chefes, mas jamais indisciplinas. “Quem tentar apropriar-se de Cuba recolherá o pó de seu solo afogado em sangue, se não perecer na luta”, declarou o glorioso líder negro Antonio Maceo. Reconhece-se igualmente em Máximo Gómez, o chefe militar mais disciplinado e discreto de nossa história.

Olhando a partir de outro ângulo, como não admirar-se com a indignação de Bonifácio Byrne quando, desde a distante embarcação que o trazia de volta a Cuba, ao divisar outra bandeira junto à da estrela solitária, declarou: “Minha bandeira é aquela que jamais foi mercenária…”, para acrescentar de imediato uma das mais belas frases que jamais escutei: “Mesmo que desfeita em pequenos pedaços, é minha bandeira … nossos mortos alçando os braços ainda saberão defendê-la!…”. Tampouco esquecerei as acesas palavras de Camilo Cienfuegos naquela noite, quando a várias dezenas de metros bazucas e metralhadoras de origem norte-americana, em mãos contrarrevolucionárias, apontavam para o terraço em que estávamos. Obama nasceu em agosto de 1961, como ele mesmo explicou. Mais de meio século transcorreria desde aquele momento.

Vejamos, contudo, como pensa hoje nosso o ilustre visitante:

“Vim aqui para deixar para trás os últimos vestígios da guerra fria nas Américas. Vim aqui estendendo a mão de amizade ao povo cubano”.

De imediato um diluvio de conceitos, inteiramente novos para a maioria de nós:

“Ambos vivemos em um novo mundo colonizado por europeus”. Prosseguiu o presidente norte-americano. “Cuba, assim como os Estados Unidos, foi constituída por escravos trazidos da África; igualmente aos Estados Unidos, o povo cubano tem heranças em escravos e escravistas”.

As populações nativas não existem em absoluto na mente de Obama. Tampouco diz que a discriminação racial foi varrida pela Revolução; que a aposentadoria e o salário de todos os cubanos foram decretados por esta antes que o senhor Barack Obama completasse 10 anos. O odioso costume burguês e racista de contratar esbirros para que os cidadãos negros fossem expulsos de centros de recreação foi varrido pela Revolução Cubana. Esta passaria à história pela batalha que lutou em Angola contra o apartheid, pondo fim à presença de armas nucleares em um continente de mais de um bilhão de habitantes. Não era esse o objetivo de nossa solidariedade, mas ajudar os povos de Angola, Moçambique, Guiné Bissau e outros do domínio colonial fascista de Portugal.

Em 1961, apenas um ano e três meses depois do triunfo da Revolução, uma força mercenária com canhões e infantaria blindada, equipada com aviões, foi treinada e acompanhada por barcos de guerra e porta-aviões dos Estados Unidos, atacando de surpresa nosso país. Nada poderá justificar aquele traiçoeiro ataque que custou a nosso país centenas de baixas entre mortos e feridos. Da brigada de assalto pró-ianque, em nenhuma parte consta que se tivesse podido evacuar um só mercenário. Aviões ianques de combate foram apresentados ante as Nações Unidas como equipamentos cubanos sublevados.

É sobejamente conhecida a experiência militar e o poderio desse país. Na África creram igualmente que Cuba revolucionaria seria facilmente posta fora de combate. O ataque pelo Sul de Angola por parte das brigadas motorizadas da África do Sul racista as leva até as proximidades de Luanda, a capital angolana. Ali se inicia uma luta que se prolongou não menos de 15 anos. Não falaria disto, a menos que tivesse o dever elementar de responder ao discurso de Obama no Grande Teatro de Havana Alicia Alonso.

Não tentarei tampouco dar detalhes, apenas enfatizar que ali se escreveu uma página honrosa da luta pela libertação do ser humano. De certa forma, eu desejava que a conduta de Obama fosse correta. Sua origem humilde e sua inteligência natural eram evidentes. Mandela estava preso por toda a vida e se tinha convertido em um gigante da luta pela dignidade humana. Um dia chegou a minhas mãos um exemplar do livro em que se narra parte da vida de Mandela e, que surpresa!: estava prefaciado por Barack Obama. Folheei rapidamente. Era incrível o tamanho da minúscula letra de Mandela precisando dados. Vale a pena ter conhecido homens como aquele.

Sobre o episódio da África do Sul devo assinalar outra experiência. Eu estava realmente interessado em conhecer mais detalhes sobre a forma com que os sul-africanos tinham adquirido as armas nucleares. Tinha apenas a informação muito precisa de que não passavam de 10 ou 12 bombas. Uma fonte segura seria o professor e pesquisador Piero Gleijeses, que havia redigido o texto de “Missões em conflito: Havana, Washington e África 1959-1976”; um trabalho excelente. Eu sabia que ele era a fonte mais segura do ocorrido e assim me comuniquei com ele; respondeu-me que não tinha mais falado do assunto, porque no texto tinha respondido às perguntas do companheiro Jorge Risquet, que fora embaixador ou colaborador cubano em Angola, muito amigo seu. Localizei Risquet; já em outras importantes ocupações, estava terminando um curso do qual lhe faltavam várias semanas. Essa tarefa coincidiu com uma viagem bastante recente de Piero a nosso país; eu havia avisado que Risquet já tinha certa idade e sua saúde não era ótima. Poucos dias depois ocorreu o que eu temia. Risquet piorou e faleceu. Quando Piero chegou não havia nada a fazer, exceto promessas, mas eu já havia obtido a informação sobre o que se relacionava com essa arma e a ajuda que a África do Sul racista tinha recebido de Reagan e Israel.

Não sei o que Obama terá a dizer agora sobre esta história. Ignoro se sabia ou não, embora seja muito duvidoso que não soubesse absolutamente nada. Minha modesta sugestão é que reflita e não trate agora de elaborar teorias sobre a política cubana.

Há uma questão importante:

Obama pronunciou um discurso em que utiliza as palavras mais adocicadas para expressar: “Já é hora de esquecermos o passado, deixemos o passado, miremos o futuro, miremo-lo juntos, um futuro de esperança. E não vai ser fácil, haverá desafios, e vamos dar tempo a estes; mas minha estada aqui me dá mais esperanças do que podemos fazer juntos como amigos, como família, como vizinhos, juntos”.

Supõe-se que cada um de nós corria o risco de um infarto ao escutar estas palavras do presidente dos Estados Unidos. Depois de um bloqueio desapiedado que já durou quase 60 anos, e os que morreram nos ataques mercenários a barcos e portos cubanos, um avião comercial repleto de passageiros que explodiram em pleno voo, invasões mercenárias, múltiplos atos de violência e de força?

Que ninguém tenha a ilusão de que o povo deste nobre e abnegado país renunciará à glória e aos direitos, e à riqueza espiritual que ganhou com o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura.

Advirto ademais que somos capazes de produzir os alimentos e as riquezas materiais de que necessitamos com o esforço e a inteligência de nosso povo. Não necessitamos que o império nos dê nada de presente. Nossos esforços serão legais e pacíficos, porque é nosso o compromisso com a paz e a fraternidade de todos os seres humanos que vivemos neste planeta.

Fidel Castro Ruz, 27 de março de 2016


Fonte: PORTAL VERMELHO
www.vermelho.org.br 

                                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!                    

26 de mar de 2016

CUBA: MEIO MILHÃO DE PESSOAS EM SHOW DOS ROLLING STONES

#‎FIMDOBLOQUEIO‬
#‎ROLLINGSTONESEMCUBA

O show reuniu meio milhão de pessoas que ouviram os Rolling Stones tocarem seus maiores sucessos na noite desta sexta-feira, 25 de março.

Mick Jagger saudou os fãs em Havana em espanhol, antes de abrir o show com Jumpin 'Jack Flash, hit de 1968. "Olá, Havana. Boa noite, meu povo de Cuba", disse o roqueiro.

Veja abaixo algumas fotos do show. 

  Fontes: Regeneración e Socialista Morena

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

24 de mar de 2016

DISCURSOS DO CHE GUEVARA (4 VÍDEOS)

#‎FIMDOBLOQUEIO‬


"A bestialidade imperialista" (1965)


                                                          

Discurso de Che Guevara na ONU (1964) 


  
                                                    
Produção, trabalho, bloqueio imperialista (bloqueio diplomático e econômico)

                                                         

Baía dos Porcos (1961)

                                                         
 Fonte: Revolución en Televisión

                                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

23 de mar de 2016

OBAMA NO GRANDE TEATRO OU O GRANDE TEATRO DE OBAMA?

 
O presidente dos Estados Unidos, neste 22 de março, desde o Gran Teatro de La Habana, ofereceu um discurso conciliador, inteligente e sedutor.



Por Iroel Sánchez no Juventud Rebelde

Cuba, América Latina e o mundo escutaram com grande expectativa Barack Obama neste 22 de março no Gran Teatro de La Habana, com um discurso conciliador, inteligente e sedutor. Não foi a primeira vez que durante a sua visita ele usou extensivamente da palavra e se dirigiu aos cubanos através da televisão nacional. Mas, foi a única na qual o presidente dos Estados Unidos não compartilhava o palco com ninguém e tinha todo o espaço para si, desde que chegou dois dias antes nessa ilha.

Como convêm a cultura política que representa, e tem acontecido desde que ele pôs os pés em Havana, novamente nada foi deixado ao acaso e, mais precisamente, o teleprompter trazido de Washington, (o mesmo utilizado na gravação do seu diálogo com o mais popular dos comediantes de Cuba?) o escoltava de ambos os lados do palco com um discurso cuidadosamente escrito.

Para um espectador atento do público, eram perfeitamente reconhecíveis um par de pessoas - situadas no grupo de 40 congressistas que viajaram dos EUA para a ocasião - cada vez que a palavra do orador era respondida com palmas. Este grupo de legisladores, e a delegação dos EUA que acompanhou o presidente durante sua visita, foram os únicos que aplaudiram as muitas vezes que sua intervenção tomou a estrada de conselho paternalista, ou pior, a ingerência mais ou menos disfarçada.

Poucos segundos antes de iniciar, um contra regra apressado colocou na frente do púlpito o escudo da águia, como se um sinal de prevalência entre bandeiras cubanas e norte-americanas duplamente localizado ao fundo do cenário e de frente aos espectadores fosse necessário.

Como esperado, o início foi dedicado a condenar os ataques terroristas que acabam de cometer o Estado Islâmico na Bélgica e o compromisso de "fazer tudo que for necessário" para "levar à justiça os responsáveis", mas, como esperado, nem aquele terrível fato motivou o alto-falante a uma referência aos 3.478 cubanos que morreram vítimas da prática do terrorismo, financiado e incentivado dos Estados Unidos contra o país, que, em suas próprias palavras lhe deu uma "recepção calorosa" a sua família e sua delegação. Muito menos falou sobre a inércia total do governo liderado "para trazer à justiça os responsáveis" por tais crimes.

Várias vezes, no entanto foi para a narrativa, o escritor Christian Salmon define como a "máquina de fabricar histórias e formatar mentes" para - desde relatos pessoais contados com intencionalidade política - apresentar a revolução cubana como algo do passado. Então ele nos disse verdades incontestáveis: que seu pai chegou a US em 1959 e ele nasceu no mesmo ano que a invasão da CIA derrotada na Baía dos Porcos, para esconder eventos como o sequestro de Elian Gonzalez e a prisão injusta dos Cinco ocorridas no século XXI, que foram sentidas pelas gerações mais jovens desta ilha.
 
 Mas devemos reconhecer que houve também elogios: qualquer pessoa inteligente - e Obama o é - sabe que as críticas são mais fáceis de serem aceitas se forem precedidos por aqueles. Os nossos médicos e atletas foram aplaudidos, sempre individualmente, sem reconhecer, muito menos questionar, programas e regulamentos em pleno funcionamento que o governo americano destina para privar-nos deles.

Alguns pares opostos foram utilizados repetidamente durante o discurso (jovens-História, Estado-indivíduo, governo-povo passado-futuro) em uma estratégia de divisão dirigida ao interior da sociedade cubana em que a narrativa voltou apoiada por "empresários" emigrantes bem sucedido, cujo exemplo nosso convidado acha que podemos e devemos seguir, a partir da "mudança" que ele já não nos impõe, mas sugere-nos desde nossos próprios compatriotas que se aproveitaram das "oportunidades" que o capitalismo americano fornece e que a ele lhe disseram alguns daqueles que se dirigiram, um dia antes, quando assumiu o papel de Papai Noel em uma cervejaria em Havana. A propósito, a palavra mudança esteve 14 vezes no discurso.

O que ensina a realidade é que, para cada sucesso são milhares que ficam no caminho, e que todo o sucesso econômico no mundo de hoje significa na maioria das vezes o colapso das esperanças de muitos. Incentivar a iniciativa privada em Cuba, quando o professor de Harvard sabe que a maior verdade contida no Manifesto Comunista é que ele é abolido na prática, para nove décimos da humanidade, não é exatamente um ato de honestidade.

Depois de percorrer algumas semelhanças entre Cuba e os EUA, o contraste entre os dois países teve um parágrafo-chave no qual a democracia é o monopólio dos EUA que ele tentou impor ao mundo; o socialismo é sinónimo de encerramento e que Estado cubano é um seqüestrador direitos:

"Cuba tem um sistema de partido único, os Estados Unidos, a democracia multipartidária ; Cuba tem um modelo econômico socialista, os Estados Unidos, um mercado aberto; Cuba salienta o papel e os direitos do Estado, os Estados Unidos baseia-se nos direitos do indivíduo. "


No entanto, devemos perguntar aos norteamericanos quantos dias duraria seu sistema multipartidário se, como cubanos, tivessem o direito de nomear e escolher entre iguais, sem intermediários de nenhum partido, aqueles que os representam. Na mesma linha democratizante, o mesmo presidente para o qual um dia antes só existiam empresários de sucesso e para o qual os trabalhadores parecia não existir, nos disse no cenário do palco do Gran Teatro que em seu país "os trabalhadores têm voz," omitindo que sua terra apenas 11% dos empregados são sindicalizados.


Olhando à nossa volta, ali onde aos EUA não parece ruim o "sistema", a "democracia", e o "modelo econômico", é fácil perceber que o exercício efectivo dos "direitos individuais" é, apesar de ser mencionado mais do que em Cuba, uma quimera. Como o historiador Fernando Martinez Heredia diz, é uma confusão tremendísima, mas pode haver algumas pessoas que pensam que, porque Obama vêm a Cuba, a situação material de uma grande parte dos cubanos vai melhorar.

Nenhum país no ambiente de Cuba é melhor socialmente do que esta ilha, apesar de não terem bloqueio económico. Longe disso, eles sofrem problemas estruturais, como a violência, trabalho infantil e tráfico de drogas aqui nem existem. Quando os Estados Unidos fala de "empoderar o povo cubano" refere-se ao que realmente é a construção de uma minoria, como naqueles lugares, administra o país de acordo com os seus interesses. E eles dizem que não vão impor a desacreditada "mudança de regime", ainda que eles não tenham retirado um único centavo de fundos multimilionários para tal. Agora, querem criar novas políticas com as condições para que nós mesmos o façamos.

Em 04 de junho de 2009 Obama falou desde a Universidade do Cairo, uma cidade emblemática para o Islã e o mundo árabe, a todo o Oriente Médio. Foi um discurso impressionante de um presidente que não estava nem cinco meses no cargo. Fidel escreveu então:

"Nem mesmo o Papa Bento XVI teria falado frases mais ecumênicas que as de Obama. Imaginei por um segundo o crente muçulmano devoto, católico, cristãos ou judeus ou qualquer outra religião, ouvindo o Presidente no salão espaçoso, da Universidade de Al-Azhar. Em certo momento eu não saberia se estava em uma catedral católica, uma igreja cristã, uma mesquita ou uma sinagoga ".

Como sugeriu uma amiga, as palavras podem ser trocadas por Cuba ou cubanos, onde diz Islam, Irã, palestinos ou muçulmanos; em vez de citações do Alcorão (a palavra de Muhammad) colocando Martí, mencionado pelo presidente dos Estados Unidos este 22 de março, e comparar citações de que o discurso que profeticamente citou Fidel em suas Reflexiones com as que Obama acaba de pronunciar no Gran Teatro. São dezenas as que poderiam ser citadas com uma incrível coincidência, mas por razões de espaço não as relaciono.

Logo depois veio a "Primavera Árabe", o colapso das sociedades secularizadas como a Síria, o aumento do fanatismo religioso, apoio dos EUA ao Estado islâmico e o riso de sua secretária de Estado Hillary Clinton quando soube do desmembramento de Kadafi. Hoje os palestinos estão ainda pior do que em 2009, se é que isso é possível, e os povos árabes são os grandes perdedores da "mudança", promovida por Washington.


Sete anos depois, o Oriente Médio é um inverno de fogo sem fim à vista e Obama continua dando discursos ecumênicos. Agora ele fala para a América Latina a partir de Cuba, em meio a uma contra-reforma neoliberal na região, impulsionada por seu governo, citando -no Gran Teatro- José Martí, cujas últimas palavras seguiram precisamente seu propósito de "impedir a tempo com a Independência de Cuba que os Estados Unidos se espalhassem pelas Antilhas e caiam, com essa força mais, sobre nossas terras da América ". Cuba recebeu e ouviu com respeito e está disposta a avançar para a paz que tanto tem lutado pelo bem de seu povo e dos EUA, mas cortesia não deve ser confundida com ingenuidade.

Iroel Sánchez é jornalista cubano, um dos mais destacados blogueiros do país, ex-presidente do Instituto Cubano do Livro.


Tradução: Fuzil Contra Fuzil.
Postado por AF Sturt Silva
Via: SOLIDÁRIOS

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

VÍDEO EM QUE MIGUEL BARNET FALA SOBRE VISITA DE OBAMA A CUBA: "PERCEBI QUE OBAMA SE RETRAI QUANDO CHE É MENCIONADO


O poeta e ensaísta Miguel Barnet concedeu uma entrevista especial à Arleen R. Derivet da TeleSUR em que afirmou que a visita do presidente dos EUA, Barack Obama, a Cuba foi um gesto corajoso e um ato de honestidade. "Achei que seu discurso foi um discurso moderado, e foi muito respeitoso com o povo de Cuba", Afirmou.

Durante a entrevista Barnet mencionou os atentados terroristas cometidos contra a Cuba, as inúmeras tentativas de assassinato cometidas contra Fidel e a crueldade imposta aos cubanos por mais de meio século de "um  bloqueio criminoso e genocida" que impossibilitou, entre outras coisas, a importação de matéria prima a ser utilizada na produção de remédios importantes. 

"É preciso ficar atento, ficar alerta, porque uma política consumista pode trazer muitos danos à nossa política cultural. Temos que evitar os produtos culturais da frivolidade e o entretenimento pelo entretenimento," falou o etnólogo.

  • Miguel Barnet é um poeta, narrador, ensaísta, etnólogo e político cubano, presidente da União de Escritores e Artistas de Cuba (2007) e da Fundação Fernando Ortiz. Além de membro do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, deputado na assembleia Nacional e membro do Conselho de Estado.


                                                                                     
Fonte: CUBANET

                                                                 VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!


ENCONTRADOS PRESOS POLÍTICOS EM CUBA - NEM ACUSAÇÃO ELES TÊM - E SOFREM TORTURAS

A verdade, acima de tudo !
Guantánamo - território ocupado ilegalmente pelo governo estadunidense.



      VENCEREMOS !!!      

VAMOS FALAR DE VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS E PRESOS POLÍTICOS EM CUBA: O DIÁRIO DE HORROR ESCRITO POR UM PRESO DE GUANTÁNAMO


Base Naval dos EUA, mantida de forma ilegal na Baía de Guantánamo, território cubano, ficou muito conhecida por escândalos de mortes e torturas aos presos. Mohamedou Ould Shlahi relata em um livro as torturas e humilhações a que foi submetidoimpostas 
Mohamedou Ould Shlahi, preso na base estadunidense de Guantánamo.
No segundo ou terceiro dia de sua chegada à prisão de Guantánamo, Mohamedou Ould Shlahi entrou em colapso em sua cela. "Continuamente vomitava e por isso ficou totalmente desidratado", conta em um livro que chegou às livrarias no dia 20 de janeiro de 2015, sobre o prisioneiro número 760, da terrivelmente notória prisão onde os EUA encarceram supostos terroristas após os ataques de 2001.

Shlahi continua preso na mesma cela em que escreveu suas memórias de horror sem que tenham provado qualquer crime. Antes de chegar em Guantánamo, ele havia sido interrogado durante nove meses, primeiro na Jordânia e em seguida na base aérea dos EUA em Bagram, no Afeganistão.

Só as disputas jurídicas pelo "Diário de Guantánamo", de Slahi, é um explosivo que pode ocupar 466 páginas escritas à mão. Por mais de seis anos seus advogados lutaram para conseguir que fosse publicado o manuscrito, sempre sob os protocolos rigorosos do exército dos EUA: o texto foi guardado em um local seguro perto da capital Washington, e só é permitido seu acesso aqueles que disponham possuídos das máximas competências de segurança no país. Além disso, antes da publicação foram tiradas e censuradas páginas inteiras.

A parti da publicação do livro veio à luz uma versão detalhada e tímida de um dos capítulos mais tenebrosos da história dos militares estadunidenses, apenas alguns meses depois um relatório do Senado descreveu como tortura alguns dos métodos de interrogatório usados pela CIA após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

A história de Slahi se une esses relatos horríveis com perturbadoras imagens das câmaras de tortura de Guantánamo: foi intimidado, humilhado, desmoralizado e assim, forçado a confessar através da privação do sono. Ele sofreu,segundo conta, interrogatórios intermináveis, confinamentos em câmara fria, espancamentos, insultos e humilhações.

"De repente entrou uma equipe de comando composta por três soldados e um cão pastor na nossa sala de interrogatório," descreve Slahi, que conta como dois homens totalmente encapuzados o golpearam brutalmente no rosto e nas costelas. "Vendem os olhos do filho da p ... se ele olhar", gritou um e então alguém bateu-lhe com força no rosto e, em seguida, cobriu os olhos, os ouvidos e colocou um saco na sua cabeça e o amarrou.

"Eu não disse nada, estava totalmente dominado pela surpresa e convencido de que naquele momento iriam me executar", escreve Slahi, que foi então arrastado para fora e jogado em um caminhão, depois seguiu em uma viajem de barco pelo mar do Caribe onde continuaram as torturas.

"O comando de tortura continuou por mais três ou quatro horas e depois me entregaram a outra equipe que utilizava outros métodos de tortura", conta Slahi. O obrigaram a beber água salgada, encheram suas roupas com cubos de gelo desde o pescoço até os tornozelos para fazê-lo sofrer, ao mesmo tempo que apagavam os vestígios dos golpes anteriores.

O comando, conforme relatado por Slahi, agiu sob ordens das mais altas instâncias. Donald Rumsfeld, secretário da Defesa do presidente George W. Bush, estava familiarizado com as ações e ordenou o aumento da pressão contra suspeitos de conspiradores da Al Qaeda com interrogatórios mais intensos.

"Não mostrem piedade. Aumentem a pressão. Leve-o à loucura", cita Slahi, o que disse um dos guardas. O mesmo prisioneiro desenvolveu a sua própria estratégia na prisão: "Me mostrava cada vez com mais medo, como era na realidade." Porque se não, eles teriam me tratado ainda pior, diz ele. Continuamente pensava em sua família. Após anos de isolamento, ele hoje está autorizado a retomar contato.

Na ocasião do lançamento do livro em Londres, seu irmão Yahdih Ould Slahi assegurou sua inocência e afirmou que isso o fará resistir. "Se eu tivesse que falar sobre tudo o que tem sofrido minha família ficaria aqui até amanhã."

Yahdih, que vive na Alemanha, soube que seu irmão estava em Guantánamo pelos meios de comunicação. No início, a família na Mauritânia não queria acreditar, mas depois veio a primeira carta da prisão. "A primeira carta foi muito, muito difícil para nós." Quando Mohamedou Slahi pode falar pela primeira vez com a família por Skype, todos choraram. O livro é a derradeira salvação para a família, que está orgulhosa dele. "Nossas mulheres e crianças deixaram de chorar."


Fonte: DPA

Via: Clarín
Clarin.com
                                                                     VENCEREMOS !!! 

22 de mar de 2016

FREI BETTO: CUBA PODE VIRAR UMA PEQUENA CHINA


Amigo pessoal de Fidel Castro, o teólogo brasileiro diz que a visita de Obama à ilha pode apressar o fim do bloqueio econômico, mas teme o tsunami capitalista



Por Vinícius Mendes

Quando o então presidente estadunidense, Calvin Coolidge, desembarcou no aeroporto José Martí, em Havana, em janeiro de 1928, e foi recebido pelo seu colega, Gerardo Machado, ele não poderia imaginar que a pequena ilha viveria, 30 anos depois, uma revolução socialista, que os Estados Unidos se tornariam seu ‘maior inimigo’ e que uma nova visita de um presidente americano em exercício só ocorreria 88 anos depois.

Neste domingo (20), o presidente Barack Obama desembarca na ilha em uma visita histórica em meio a uma tentativa de retomada de relações entre os dois países, anunciado em dezembro de 2014. Essa aproximação caminha a passos lentos, mas, com a visita de Obama, pode ganhar um impulso.

“Barack Obama vai a Cuba agora e pode ser que o Congresso americano decida suspender o bloqueio econômico como um gesto de proximidade. Pode ser. Não depende do Obama, depende do Congresso”, avalia Frei Betto, um dos principais apoiadores do regime cubano e amigo pessoal de Fidel Castro.

À Calle2, o teólogo diz que a reaproximação entre os dois países somente será benéfica quando o bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos cair (“o bloqueio é um genocídio”), revela uma conversa pessoal com Fidel sobre os esforços de Obama e conta um temor: o de que Cuba acabe por “virar uma pequena China” − um governo socialista com uma economia capitalista.

Apesar de o líder da revolução ter publicado um artigo dizendo que Cuba e Estados Unidos seriam “sempre inimigos”, Betto assegura que Fidel Castro receberá, pessoalmente, Obama. 

“Você vai ver a foto do Fidel com o Obama juntos. Fidel sempre recebeu qualquer um. Até os Rockfeller. Com um detalhe: de cada dez inimigos que ele recebeu, nove saíram falando bem dele. O Fidel tem um carisma − que, aliás, o Lula tem também − sedutor. Os caras chegam lá achando que vão falar um monte pra ele e saem com outra postura”.

O Papa Francisco foi a Cuba duas vezes em seis meses. É difícil recordar uma presença papal em qualquer país do mundo em um período tão curto. Tem algo em especial?

Tem, principalmente porque Cuba é um país socialista que se abriu à liberdade religiosa a partir dos anos 1980. Nesse processo, há um passo importante que é a publicação da entrevista que o Fidel Castro deu a mim e que resultou no livro Fidel e a Religião. Foi a primeira vez que um líder comunista no poder falou positivamente do fenômeno religioso, o que promoveu uma grande abertura. Embora Cuba não seja um país católico, tem uma religiosidade profunda: uma mistura de tradição cristã com religiões de origens africanas. É como na Bahia. E mais do que isso: Cuba exerce um papel emblemático nesse planeta. Mil coisas passam no Brasil e ninguém fala nada.
 Qualquer coisa que acontece em Cuba repercute lá na Oceania. É impressionante como eles conquistaram esse fator emblemático. O Papa teve uma bela ideia de reatar as relações dos Estados Unidos com Cuba e, agora, de se encontrar com o Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, que sempre foi amigo de Cuba, em Havana, porque ele não queria que esse evento fosse nem em Roma, nem em Moscou e nem em um país cristão do Ocidente. Ele queria um país neutro. Foi um marco histórico. Um presente para Cuba, que passa por muitas mutações.

Que mutações o senhor enxerga?

Há um empenho do governo e do povo para que haja um aprimoramento do socialismo, mas todos sabem que vai acontecer um choque forte entre o tsunami consumista com a austeridade cubana quando o bloqueio econômico for suspenso. 

Ninguém sabe quando isso vai acontecer, mas ele é insustentável. As relações diplomáticas não vão amadurecer com a persistência do bloqueio e da Base de Guantánamo. 

Barack Obama vai a Cuba agora e pode ser que o Congresso americano decida suspender o bloqueio como um gesto de proximidade. Pode ser. Não depende do Obama, depende do Congresso, mas o próprio Donald Trump − que pode ser o futuro presidente dos Estados Unidos − e a Hillary Clinton já disseram que são contra o bloqueio, ainda que cada um por suas razões. O Trump por razões econômicas óbvias.

foto por: Rose Brasil/Agência Brasil



O Raúl Castro quer mesmo deixar o poder?

Ele disse no último congresso do partido que ficaria no cargo por cinco anos. Isso foi em 2013. Ou seja, em 2018 completa o prazo. O sucessor já está indicado: o Miguel Diaz-Canel, que é o vice-presidente…

O primeiro líder cubano que não viveu Sierra Maestra. Exatamente.

Modifica a estrutura do regime?

Claro. Uma coisa é o carisma impregnado dos irmãos Castro, outra é o coitado do Diaz-Canel, que vai ter que aguentar representar um país cuja história ele não está embutido. Ele pode estar intelectualmente embutido, mas não na prática. Com um detalhe: vai ter que conviver com sobreviventes de Sierra Maestra. Tem alguns sobreviventes da Revolução Cubana que estão com mais de 80 anos, porém gozam de boa saúde. Mas enquanto Raúl e Fidel estiverem vivos, acho que não precisa temer. Salienta-se também que o povo cubano é muito bem alfabetizado e, para além, é o único país socialista onde não há nenhuma manifestação pública significativa contra o regime.

 Existem aquelas Damas de Branco, que são uma meia dúzia de esposas de presos comuns que querem passar a ideia de que seus maridos são presos políticos. Quando o Francisco foi à Cuba no ano passado − e eu estava lá − o cardeal de Havana [Jaime Lucas Ortega] deu uma entrevista à imprensa internacional e, em um momento, um repórter estadunidense perguntou: “E os presos políticos?”. E o cardeal respondeu: “Aqui não há presos políticos”. E é isso: todos os presos políticos foram soltos.

 Agora, se uma pessoa, por razões políticas, colocar uma bomba em alguma rua de Havana e matar alguém, é um delito comum.

Nas conversas com a população cubana, nota-se uma dualidade de opiniões sobre a aproximação com os Estados Unidos. Há quem comemore e quem ache que se relacionar com o pior inimigo significa o fim da manutenção do regime, que também se ampara nesse conflito ideológico. O senhor tem um lado nessa dualidade?

Não. O bloqueio econômico é genocida. Quem é contra o fim do bloqueio não tem ideia do dano que ele causa e causou ao povo cubano. A expressão que os irmãos Castro usam é exatamente essa: um genocídio. Os Estados Unidos são o maior mercado do mundo e, por que não, para Cuba. Vou te dar um exemplo: em fevereiro, o filho mais velho do Fidel, o Fidelito Castro, me levou a conhecer o laboratório de nanotecnologia de Cuba, uma coisa fantástica que está sendo feita. E durante a visita ele me contou que o maior entrave para esse desenvolvimento no país é que eles não podem comprar nenhum equipamento que tenha componentes americanos. Quase todos os equipamentos do planeta tem uma porca, um parafuso, uma placa, um chip produzidos nos Estados Unidos. Nessa visita também vi um computador maravilhoso que faz próteses de audição para crianças. Detalhe: todos os bebês que nascem em Cuba passam, no primeiro mês, por um exame de surdez, porque, se você detecta no início, evita a gravidade da surdez e, portanto, que a criança fique muda. Esse exame é feito por um aparelho feito por um artesão, por causa da necessidade de medir o ouvido de cada bebê, por exemplo. A média de um artesão cubano de aparelhos de audição era de três por dia. Hoje, com o computador, produzem cem aparelhos em uma hora. Eles fazem a prótese por meio de uma impressora 3D. É impressionante. 

Mas, para desenvolver, precisa de equipamentos que estão nessa categoria de componentes americanos. Por isso que, para eles, é muito importante o fim do bloqueio.

Um dos opositores do governo cubano, Manuel Cuesta Morúa, disse recentemente que, quando o bloqueio acabar, vai ser tão fácil fazer negócios em Cuba que o socialismo vai acabar. É uma visão sensata?

É a esperança deles. Eu espero que ele não esteja certo. Acho que é possível manter uma ideologia socialista no governo e, inclusive, eles já tomaram várias medidas observando o problema da China. Entre elas, já disseram que não vai entrar Mc Donald’s, nada dessas coisas. O que vai entrar são instituições, como hotelaria, empresas, etc., tudo com 51% de domínio cubano e 49% de domínio estrangeiro. Nada pode ter maioria de capital privado e não vai ter bolsa de valores, especulação e outras características capitalistas.

Quando foi anunciada a aproximação entre Cuba e Estados Unidos, Fidel Castro publicou um artigo dizendo que eles seriam “sempre inimigos”. O que ele está achando pessoalmente da visita do Obama a Havana?

Os cubanos não são bobos. Imagina o tanto de dinheiro que o Obama vai levar pra Cuba com a visita dele. Só de jornalistas vão 2.500 pessoas. Pessoalmente, ele me disse o seguinte: “O Obama está mudando os métodos e não os objetivos. Ele precisa mudar os objetivos”. Mas ele vai ser muito bem recebido lá.

Alguma possibilidade de se encontrarem?

Eu tenho certeza que Obama vai visitar Fidel Castro em sua casa, assim como foi com o Papa, com o Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, como o presidente da França, François Hollande, como o primeiro-ministro italiano, Mateo Renzi. Isso é prestígio para Cuba e ainda mais porque não foi o Raúl que pediu para o Obama ir a Cuba, mas foi o próprio Obama que pediu para ir a Havana. Tem americano com ódio do Obama por causa disso.

Fidel receberia o Obama?

Claro. Tenho absoluta certeza disso. Você vai ver a foto do Fidel com o Obama juntos. Fidel sempre recebeu qualquer um. Até os Rockfeller. Com um detalhe: de cada dez inimigos que ele recebeu, nove saíram falando bem dele. O Fidel tem um carisma − que, aliás, o Lula tem também − sedutor. Os caras chegam lá achando que vão falar um monte pra ele e saem com outra postura.

Uma última pergunta mais geral: a eleição de Maurício Macri, na Argentina, as derrotas do chavismo no Legislativo venezuelano e do Evo Morales no último referendo na Bolívia indicam que o modelo progressista-desenvolvimentista latino-americano se esgotou?

Esse modelo está perdendo espaço porque não soube se consolidar por falta de um trabalho de organização e politização popular. Se acreditou muito em palavras de ordem, grandes mobilizações, carismas pessoais, mas não se fez um trabalho efetivo de organização popular e alfabetização política. Fui à Venezuela, à Argentina, à Bolívia, ao Equador, e em todos esses países as televisões estatais não cumprem a função de dar outra ótica para a população. Continua existindo uma influência norte-americana muito grande: muito filme de Hollywood, muita música enlatada, muita bobagem. É muito complicado para mim. Não que não possa ter. Não quero um realismo socialista, mas é preciso saber dosar. Não se espera que um povo seja politizado se ele se envenena com enlatados hollywoodianos. Isso emite valores, propostas, não há nada neutro ali. Por falta de consistência e dos fracassos econômicos constantes, esse modelo se esgotou.

Fonte: CALLE2

Vinícius Mendes
É jornalista e estudante de Ciências Sociais; considera-se atrás do seu tempo. Nessa abstração, poderia morrer com Bartolomé de Las Casas, sentar-se com Bolívar, atravessar o Rio da Prata com Artigas e ter lutado com Fidel, Che e Camilo na Sierra Maestra. Tudo umedecido por Galeano, Neruda e Gabo. Sempre Gabo.

                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!