21 de fev de 2016

VÍDEO: QUAL O PRATO PRINCIPAL DA VISITA DE OBAMA A CUBA?

#‎FIMDOBLOQUEIO‬
                                   
                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

A BRIGADA MÉDICA CUBANA MERECE O PRÊMIO NOBEL DA PAZ



MONCADA

A brigada médica cubana merece o Nobel da Paz. O ex-presidente do Timor Leste, José Manuel Ramos-Horta, manifestou hoje que nenhuma outra organização ou grupo de pessoas no mundo merece tanto o Prêmio Nobel da Paz como a brigada médica cubana.

De acordo com o ex-presidente (2007-2012), que recebeu o prêmio em 1996, como vencedor tem a oportunidade de nomear pessoas ou instituições para lhes entregar o prêmio, por isso este ano propôs os médicos da ilha caribenha que oferecem seus serviços em diferentes partes do mundo.

Se trata de uma iniciativa única e extraordinária que ninguém contestou, afirmou ele durante uma conferência no Congresso Internacional Universidade 2016, que terminou nesta sexta-feira no Palácio de Convenções de Havana.

A ocasião é perfeita para entregar o prêmio a brigada médica, assegurou o político, que reconheceu o apoio dado a seu país pela nação caribenha, onde 700 estudantes timorenses foram formados como profissionais de saúde.

Além disso, recordou, por iniciativa do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro, a ilha caribenha instalou no Estado asiático uma universidade de medicina, que permite que Timor Leste tenha atualmente mil médicos formados.

Cuba tem mais médicos no mundo que o grupo das sete maiores economias do mundo juntas. por que países como o Japão, Alemanha ou os Estados Unidos não fezem algo semelhante, não só na medicina, mas em outras áreas como a agricultura?, questionou ele.

Durante seu discurso, Ramos-Horta recordou que a cooperação médica da maior ilha das Antilhas começou em 1963, um ano após a independência da Argélia, quando o primeiro contingente partiu para o território Africano.

Ele destacou o fato de que enquanto outras organizações, como os Médicos Sem Fronteiras, já foram laureados com o Prêmio Nobel, da Literatura, que levam assistência aos lugares por um determinado período de tempo durante situações de emergências, os médicos cubanos permanecem em muitas nações o quanto seja necessário.

Ao mesmo tempo, e no contexto do tema do Congresso de ensino superior, ele ressaltou que a brigada médica é um exemplo de inovação educacional.

Servir o povo, a humanidade, formar os melhores profissionais, para isso deve ser a educação, expresso em referência ao trabalho dos professores cubanos que formam os trabalhadores de saúde em territórios como a Venezuela, Iêmen, Guiné-Bissau, Gana e seu próprio país.

Fonte: Prensa Latina - sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016


                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

20 de fev de 2016

VÍDEO RETRATA AS AGRESSÕES COMETIDAS PELOS EUA CONTRA CUBA DESDE A VITORIOSA REVOLUÇÃO CUBANA

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Em 6 de outubro de 1976 um atentado terrorista contra avião cubano matou 73 pessoas.

Este vídeo mostra as agressões que Cuba vem sofrendo por parte dos EUA desde o início de sua Revolução. Mostra também a firmeza e a determinação do povo cubano em não se render às pressões exercidas pela maior potência econômica e militar do planeta em todos os tempos. Há mais de cinco décadas o país vem sendo obrigado a suportar o maior bloqueio já exercido sobre qualquer país na história da humanidade - somando-se a isso diversos ataques terroristas e atos de sabotagem que visam destruir seus meios de produção com vista a causar-lhe escassez de alimentos e outros recursos. 

No entanto, Cuba dá um exemplo para a toda a humanidade de que é possível resistir vitoriosamente a toda essa monstruosa agressão imperialista quando um povo está dotado de consciência política, determinação de luta e organização.


                         
                                              
                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

PARA QUE NINGUÉM SE ILUDA




A melhor coisa para os Estados Unidos e Cuba é desfrutar algum dia de relações normais, uma situação que a ilha nunca conheceu desde a sua independência da Espanha em 1902, pôs o vizinho do norte sempre aspirou a ser o dono e senhor do maior arquipélago das Antilhas.

Assim reconhece a história desde que, em 1802, o governador do Mississippi, William C. Claiborne, disse em uma carta ao presidente Thomas Jefferson:

"... Não desejo nada mais do que ver a bandeira do meu país voando sobre o castelo de El Morro. Cuba é a entrada real para o Mississippi, e a nação que possui poder no futuro de mandar no Hemisfério Ocidental ".

Até 1820, Jefferson considerava que "Cuba era a adição mais interessante que poderia ser feita para o nosso sistema de estados ... devemos, na primeira oportunidade, apoderarmos de Cuba".

Depois de restabelecidas as relações diplomáticas em 17/12/2014, não se percebeu nenhuma evidência forte de que os dois países podem chegar a normalizar suas relações, apesar do presidente Barack Obama, dizer o contrário.

O principal obstáculo é a permanência do criminoso bloqueio econômico, comercial e financeiro que os Estados Unidos insistem em disfarçar de embargo, quando seus documentos, classificados em 1962, conceituam como uma "guerra econômica para induzir o regime comunista a fracassar em seus esforços para cumprir necessidades do país ".

Além disso, existem outros impedimentos como a existência da Base Naval em Guantánamo no território Guantánamo, resultante da imposição de um apêndice à primeira Constituição da República de Cuba nascida em 1901, conhecida como Emenda Platt, nome do senador Orville Platt, que propôs ao presidente dos Estados Unidos.

Roberta Jacobson

Para que ninguém seja enganado e sonhe com essa normalização das relações, que, segundo declarou o presidente Obama, será alcançado durante o recente anúncio de sua visita a Cuba em março próximo, a mesma secretária adjunta para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, Roberta Jacobson, o deixou bem claro durante seu depoimento em 16/02/2016 diante do Comitê de Assuntos Exteriores da Câmara de Representantes, um dia depois que ele fez diante da Subcomissão de Assuntos do Hemisfério ocidental do Senado.

Em sua defesa Jacobson assegurou de forma irrefutável que:

"Os EUA não entregarão a Cuba a Base Naval de Guantánamo, nem tão pouco fechará (as ilegais e subversivas) Rádio e TV Marti, acrescentando que "meu governo não está interessado em discutir esta questão, e o assunto de Guantánamo não está na mesa destas conversações ".

Como se sabe, ela é responsável pelas negociações com as autoridades cubanas para a restauração das relações bilaterais entre Washington e Havana, pois está habilitada a emitir tais critérios.

Subverter politicamente a população cubana é um propósito histórico desde 1959, quando triunfou a Revolução liderada por Fidel Castro. A Rádio e TV Marti foram criadas precisamente para este fim, sob o argumento de "promover uma sociedade aberta e pluralista em Cuba" , algo que nunca tentaram fazer durante a tirania sangrenta de Fulgencio Batista.

Ambas as emissoras têm custado aos contribuintes estadunidenses ao longo dos últimos 30 anos 770 milhões de dólares, e em 2016 vai custar 27 milhões de dólares a mais, segundo afirmou a congressista democrata Betty McCollum, quando no final de janeiro passado apresentou um projeto de projeto de lei na Câmara dos Representantes para fechar os dois "meios de comunicação".

Portanto, Obama poderá visitar Havana, desfrutar de seus encantos, da hospitalidade de seu povo, compreender o disparate da política de obrigar a "rendição" de um país pela fome e pelas enfermidades do povo cubano, porém nada disso fará derrubar o alto e sólido muro do bloqueio econômico, comercial e financeiro, sustentado também pela lei para a liberdade e a solidariedade democrática cubana, ou Lei Libertade, aprovada em 1996, mais conhecida como Lei Helms Burton.

Diante de situações semelhantes José Martí disse:
"Os sonhos da imaginação não valem grande coisa quando é necessário exercer um pensamento."
 
Publicado por: heraldocubano
Por: Arthur Gonzalez.
Via: Guayacán de Cuba 
                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

DECLARAÇÃO DA REDE DE SOLIDARIEDADE COM CUBA NOS EUA (NNOC) SOBRE A VIAGEM DO PRESIDENTE OBAMA A CUBA


A Rede Nacional de Solidariedade com Cuba nos EUA congratula-se com a visita do presidente Obama a Cuba em 21 e 22 de Março de 2016. Esta visita é histórica, não só porque será a primeira vez desde 1928 que um presidente dos Estados Unidos visita Cuba, mas mais importante ainda porque representa mais um passo nos esforços para melhorar as relações que começaram após os anúncios feitos em 17 de dezembro de 2014 pelos presidentes Raúl Castro e Barack Obama.

Apesar das medidas que o presidente Obama tem tomado, o bloqueio econômico, comercial e financeiro permanece intacto, o estabelecimento total do comércio bilateral não tem acontecido, a Lei de Ajuste Cubano ainda está em vigor e os fundos para financiar programas subversivos ainda estão disponíveis. Apesar dos planos para restaurar os voos comerciais com Cuba, ainda é negado aos estadunidenses o direito de viajar sem restrições. A base naval de Guantánamo continua aberta e o território ainda não foi devolvido a Cuba. Produtos farmacêuticos cubanos que salvam vidas não estão disponíveis para os estadunidenses e continuam negando aos cubanos acesso a muitos medicamentos patenteados nos Estados Unidos.

Instamos o presidente Obama a aproveitar ao máximo esta oportunidade de encontro do o povo cubano e seu governo e se comprometer-se a estabelecer um diálogo mutuamente respeitoso e ao mesmo tempo reconhecer e aceitar as diferenças. Estamos confiantes de que o presidente Obama vai experimentar o calor do povo cubano e seu desejo de uma relação mais positiva como parceiros e vizinhos.

É fundamental que os membros da Rede Nacional (NNOC) continuem exigindo dos seus senadores e representantes no Congresso o fim do bloqueio. Instamos as organizações membros da rede para ligar ou visitar os seus representantes, em 21 e 22 de Março e pedir-lhes para votar a favor da leis que exigem o fim do bloqueio.

Também solicitamos as organizações membros a participarem ativamente na Segundo Jornada Contra o Bloqueio em Washington DC de 18 a 22 de abril para levar pessoalmente a nossa mensagem ao Capitólio para acabar com o bloqueio contra Cuba. 

A maioria do povo estadunidense quer ter relações diplomáticas e econômicas normais com Cuba. A maioria dos estadunidenses veem Cuba de forma favorável de acordo com uma pesquisa recente do Gallop. Devemos lembrar aos nossos representantes em Washington que chegou a hora de acabar com todos os aspectos do bloqueio. Mostremos nossas caras em Washington; façamos que escutem nossas vozes em Washington. Nós somos parte do povo dos EUA que quer e exige uma política justa em relação a Cuba.

Fonte: Siempre con Cuba 

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!
                         

18 de fev de 2016

OBAMA EM CUBA? QUE VENHA A FERA MAS QUE SOLTEM O MACACO. POR IROEL SÁNCHEZ


Nas últimas semanas, várias fontes vêm anunciando uma possível visita do presidente dos EUA Barack Obama a Cuba que já teria data fechada como parte de uma turnê latino-americana, que incluiria Argentina, Colômbia e Peru, no final de março.

Sem dúvida, se houver, esse fato seria um impulso para a normalização das relações entre os dois países e um golpe para os setores que se opõem a este processo desencadeado publicamente em 17 de dezembro de 2014.

A julgar por suas declarações à Yahoo Notícias semanas atrás, a visita de Obama também é vista como um instrumento para forçar mudanças que historicamente os EUA têm buscado em Cuba e fortalecer sua influência no hemisfério ocidental, o que foi reiterado em seu discurso sobre o estado da União diante do Congresso.

"Se querem consolidar a nossa liderança no continente devem reconhecer que a Guerra Fria acabou, levantem bloqueio", disse Obama diante do plenário da Câmara e do Senado em 12 de janeiro depois de reconhecer que mais de cinquenta anos de bloqueio econômico não trouxeram a democracia, como pretendia Washington, na maior das Antilhas.

Mais uma vez, o presidente deixou ao Congresso uma tarefa na qual ele pode contribuir muito mais do que tem feito. Não só pela quantidade de mudanças ao alcance do poder presidencial que pode enfraquecer o bloqueio sem a necessidade da intervenção legislativa: a autorização do uso do dólar nas transações internacionais de Cuba; reverter a política de perseguição financeira contra a Ilha; permitir as importações para os EUA de produtos e serviços cubanos e autorizar exportações diretas para Cuba, estão entre eles, e também por decisões específicas solicitadas por entidades de seu país que espera há meses pela aprovação de seu governo. Entre estas últimas estão a autorização tramitada pela MLB para que jogadores de beisebol cubanos possam jogar nos Estados Unidos sem romper com seu país de origem, ou licença para uma empresa de produção de tratores destinados a agricultores privados para estabelecer-se na Zona Econômica Especial de Mariel, a oeste de Havana.

Outro instrumento da estratégia da Guerra Fria em relação a Cuba que o presidente pode mudar é a política de acolhida automática, em caráter de refugiados políticos, para todo imigrante cubano que chegue a solo estadunidense, o que incentiva o tráfico de pessoas e a migração ilegal, como ferramenta de desestabilização contra a Ilha junto aos mais de cinquenta milhões de dólares distribuídos pelos EUA entre as pessoas que organizam e treinam para "programas de apoio à democracia" em território cubano.

O Presidente não considerou a reivindicação histórica do povo de Cuba sobre o território de Guantánamo que os EUA ocupam militarmente e tornou-se um campo de tortura que Obama não tem podido fechar. A base militar que não é uma relíquia da Guerra Fria, mas de oportunismo com que Washington interveio na guerra de independência que os cubanos lutaram contra a Espanha, chegando como aliado dos libertadores porém atuando como ocupante, e impondo uma emenda constitucional que lhe deu direito de instalar bases militares consideradas necessárias, bem como a prerrogativa de intervir pela força toda vez que desejasse.

Em seu último discurso sobre o Estado e a União diante do Congresso, o presidente dos EUA disse que "os Estados Unidos são a nação mais poderosa da Terra. ponto ". O "ponto" nos recorda que diz algo que não tem discussão: Os EUA é o rei da selva em que suas mesmas políticas têm transformado o planeta.
Na história das relações entre Cuba e os EUA, e as circunstâncias em que ela ocorre, a visita do presidente dos EUA a Havana não deixa de ser parte de um confronto, porém um confronto que como disse o líder cubano, Raul Castro, deve transcorrer de uma maneira civilizada entre iguais. 

Assim como diz uma canção cubana, que venha a fera que a estamos esperando. Porém se seu país é tão poderoso, Obama não deveria temer soltar um pouco as amarras antes de fazer a honra de visitar-nos, ou é como diz outro ditado popular em Cuba, o bairro bonito só gosta das lutas de leão e macaco com o macaco amarrado?

(Cubahora)
 Via: La Pupila Insomne

                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!


CRIADO EM OHIO CONSELHO PARA POR FIM AO BLOQUEIO CONTRA CUBA



Líderes empresariais e comunitários de Ohio criaram um conselho representando uma ampla gama de indústrias locais, e tornou-se a principal coalizão de empresas privadas que trabalham em Ohio para por fim ao bloqueio econômico contra Cuba.

O anúncio veio depois de uma pesquisa recente, onde 78 % dos moradores de Ohio -democratas e republicanos- apoiam o fim do bloqueio a Cuba e aprovam a restauração das relações diplomáticas entre os dois países.

"É hora de dos líderes em Washington escutarem as pessoas de Ohio e se comprometerem com Cuba ", disse James Williams, presidente da Engage Cuba Coalition.

Entre os membros do conselho destacam-se Michael Drake, presidente da Universidade de Ohio; Jane Campbell, ex-prefeito de Cleveland; Brad Moffitt, Diretor do Estado de Desenvolvimento de Mercado da Associação de Produtores de Milho e Trigo, e Ronald Richard, presidente da Fundação Cleveland.

Segundo Brad Moffitt, diretor da Associação de Desenvolvimento de Mercado da Associação de Produtores de Milho e Trigo de Ohio, "Cuba representa um mercado novo e excitante, com mais de 11 milhões de clientes potenciais para os nossos agricultores."

"Agora é o momento para o comércio com o povo cubano", disse ele.

(Com informações da Prensa Latina)
Via: CUBADEBATE

                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

17 de fev de 2016

FIDEL CASTRO: LUTAR PELA PAZ É O DEVER MAIS SAGRADO DE TODOS OS SERES HUMANOS

 
Tristemente, quase todas as religiões tem tido que lamentar o feito destruidor das guerras e suas terríveis consequências. A essas tarefas tiveram que dedicar as maiores energias. A singular importância do encontro entre o Papa Francisco e patriarca Kirill em Havana suscitou a esperança dos povos do mundo. 
 
A paz tem sido um sonho dourado da humanidade e anseio dos povos em cada momento da história. Milhares de armas nuclear pendem sobre as cabeças da humanidade. Impedir a mais brutal das guerras que pode desatar tem sido, sem dúvida, o objetivo fundamental do esforço dos líderes religiosos das igrejas dirigidas por homens como o Papa Francisco, sumo pontífice da Igreja Católica e o patriarca Kirill, líder religioso de Moscou e toda a Rússia.
 
Lutar pela paz é o dever mais sagrado de todos os seres humanos, quaisquer que sejam suas religiões ou país de nascimento, a cor da pele, a idade ou a juventude.
 
 
14 de fevereiro de 2016.
Fonte: CubaDebate/Tradução: Vermelho.
Via: Solidários
 
                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

CUBA E EUA ASSINARAM ACORDO PARA RESTABELECER VOOS COMERCIAS REGULARES APÓS 50 ANOS

 
Serão 20 voos diários a Havana e dez voos diários a outros aeroportos na ilha; os dois países irão operar a partir do último trimestre de 2016
 
Reprodu/Fçãolickr
Acordo entre os dois países não contempla a empresa estatal Cubana de Aviación
Agência Efe | Havana - 16/02/2016 - 19h55
 
Os governos de Cuba e Estados Unidos assinaram nesta terça-feira (16/02), em Havana, um memorando de entendimento sobre aviação civil que inclui rotas regulares diretas pela primeira vez em mais de 50 anos, que estarão operativas a partir do último trimestre deste ano.

"Hoje é um dia histórico na relação entre Cuba e Estados Unidos. Estamos assinando este memorando de entendimento para que, pela primeira vez em mais de cinco décadas, EUA e Cuba tenham um serviço de transporte aéreo regular", afirmou na capital cubana o secretário de Transporte norte-americano, Anthony R. Foxx. Além de Foxx, assinaram o acordo o ministro de Transporte de Cuba, Adel Yzquierdo, o secretário-adjunto para Assuntos Econômicos e Negócios do Departamento de Estado dos EUA, Charles H. Rivkin, e o presidente do Instituto de Aeronáutica Civil cubano, Alfredo Cordero.

O secretário de Transporte norte-americano indicou que o reinício dos voos comerciais ratifica o compromisso de "seguir fortalecendo" os laços entre ambos países, enquanto o ministro Yzquierdo destacou que a assinatura do memorando marca o início de uma nova etapa nas relações entre Cuba e EUA.

Segundo Yzquierdo, além de definir um serviço aéreo regular, graças a este memorando as companhias aéreas de ambos países poderão também fechar acordos comerciais de colaboração, como códigos compartilhados e contratos de arrendamentos de aeronaves. O acordo, que não exclui os voos fretados que operam há muito tempo dos EUA a Cuba, contempla 20 voos diários a Havana e dez voos diários a outros aeroportos na ilha, detalhou o secretário adjunto Charles H. Rivkin.


PUBLICIDADE
 
Com a assinatura do acordo, será aberto nesta quarta-feira (17/02) o processo de licitação para que as companhias aéreas norte-americanas apresentem suas solicitações ao Departamento de Transporte para as rotas que gostariam de operar. Esse processo de licitação exclui a companhia estatal Cubana de Aviación devido a litígios nos EUA que poderiam fazer com que seus bens fossem embargados se entrassem em território norte-americano.

Os dois países haviam sinalizado, na ocasião do aniversário de um ano da reaproximação diplomática e econômica, no último mês de dezembro, que haviam chegado a um entendimento sobre a aviação civil.

Além disso, em Washington, o Departamento de Segurança Nacional dos EUA anunciou também nesta terça-feira que eliminará as barreiras legais que pesam sobre os voos com Cuba, que antes só podiam partir ou chegar de 22 aeroportos, mas que agora estarão sujeitos às mesmas regras que qualquer outro voo internacional.

O início de voos regulares entre Cuba e EUA facilitará as viagens para os norte-americanos que se encaixem em uma das 12 categorias que podem visitar à ilha, onde ainda não podem entrar como turistas.

Desde o anúncio do restabelecimento de relações entre ambos países, o presidente Barack Obama flexibilizou restrições ao comércio de alguns bens e às viagens, mas ainda segue vigente o bloqueio econômico e a proibição do turismo à ilha. Por se tratar de uma lei, o bloqueio imposto à ilha só pode ser totalmente suspenso com a aprovação do Congresso norte-americano, cuja maioria republicana se opõe à reaproximação com Havana.

Fonte: operamundi

                                                                  VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!                           

16 de fev de 2016

É CLARO QUE NÃO PODEMOS CONFIAR NUNCA EM IMPERIALISTAS, MAS LER ISSO É MUITO BOM...

#‎FIMDOBLOQUEIO‬ 


                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

VÍDEO: POR QUE OS CUBANOS NÃO MUDAM SEU SISTEMA?

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Com a palavra os próprios cubanos.

                                                    
                                                                   
                                                 VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

15 de fev de 2016

XXIII BRIGADA SUL-AMERICANA DE TRABALHO VOLUNTÁRIO E SOLIDARIEDADE A CUBA


  
MPSC - Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba 

Declaração final

Nós, os 202 delegados da XXIII Brigada Sul-Americana do Brasil, Chile e Argentina, no 163º aniversário de José Martí, na Segunda Conferência Internacional “Com Todos e Para o Bem de Todos”, no 55º aniversário do ICAP, organismo encarregado da organização dessa brigada, e no 44º aniversário do CIJAM, acampamento que nos acolhe, declaramos o seguinte.

O novo contexto geopolítico de nossa América Latina, onde se evidencia um notório avanço da direita neoliberal e um possível retrocesso da integração entre nossos países. Entendemos que é determinante para as relações futuras de nossa Grande Nação, organizar a resistência e articular a luta dos movimentos sociais para defender a liberdade e a igualdade de nossos povos.

A participação nas diferentes atividades tais como a mencionada Conferência, as visitas a lugares históricos e emblemáticos de Cuba e as oportunidades de encontro com seu povo nos permitiram uma aproximação melhor da realidade atual da sociedade cubana. Assim gostaríamos de ressaltar:

• O grande trabalho do processo revolucionário cubano em garantir e proteger os direitos humanos e sociais de seu povo tais como: acesso universal a saúde, a educação, a moradia e a cultura.

• Os valores de solidariedade, unidade, igualdade, compromisso com os princípios e ideais que são fruto do processo de luta revolucionária que se refletem na unidade e organização social que pudemos vivenciar em cada uma das experiências.

• O papel das novas gerações e o compromisso de renovar e encarar a atualização do projeto da Revolução, compreendendo o enorme desafio que isto implica.

• A solidariedade internacional manifestada em torno da luta pelo retorno dos cinco heróis antiterroristas a Cuba presos injustamente nos Estados Unidos.

• A resistência ante os incansáveis ataques imperialistas e midiáticos contra a Revolução.

Em consequência exigimos:

• O fim definitivo do embargo genocida imposto pelos Estados Unidos, sanção arbitrária e cruel que provoca o isolamento da ilha e o sofrimento do povo cubano. O bloqueio deve acabar para que Cuba possa explorar todo seu potencial, expandir seu comércio, sua rica cultura, seus princípios, fortalecer seus laços de amizade e cooperação com outras nações e proporcionar maiores benefícios a sua população.

• O fim da campanha midiática negativa contra o povo cubano, responsabilidade dos meios de comunicação imperialistas que distorcem sua história, desacreditando e deslegitimando a Revolução com o objetivo de subverter seu sistema político e de governo.

• A retirada da base naval controlada pelos Estados Unidos em Guantánamo que representa uma clara violação da soberania e independência do povo cubano e da devolução do território ilegalmente ocupado a seus legítimos donos.

• Ao fechamento de todas as bases militares na região e no mundo, assim como nossa adesão ao acordo firmado pela CELAC e pela UNASUR que declara a região da América Latina e Caribe como zona de paz.

Nós, 202 brigadistas nos comprometemos a:

• Exercer pressão política nos organismos governamentais internacionais mobilizando a população para denunciar e exigir o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba.

• Apoiar as ações que as organizações de solidariedade a Cuba desenvolvem em nossos respectivos países a favor desse país irmão para combater essehorrívelcrime.

• Gerar uma mobilização popular para boicotar os veículos de informação que de modo intencional e covarde destroem a imagem do país e sua luta revolucionária. Nos comprometemos a produzir e propiciar canais alternativos de comunicação com o objetivo de conhecer a realidade cubana.

• Promover as brigadas de trabalho voluntário organizadas pelo ICAP com o objetivo de que se conheça de perto a realidade cubana e os esforços de seu povo em construir uma sociedade mais equitativa apesar dos desafios econômicos enfrentados.

• Expressar nossa mais enérgica oposição por todas as vias e em todos os fóruns possíveis das tentativas imperialistas de negar a Cuba seu direito a independência, soberania e autodeterminação.

• Divulgar a celebração da Jornada Internacional contra o bloqueio em Washington D.C. em Setembro e no VIII Encontro Continental de Solidariedade a Cuba a ser celebrado na República Dominicana em Julho de 2016.

• Difundir e defender os ideais que se baseiam a Revolução Cubana, a aprofundar a amizade e unidade dos povos latino-americanos e caribenhos como objetivo dessa missão, recordando e praticando o legado de José Martí: “Pátria é humanidade”.

Saudamos o 90º aniversário do Comandante Chefe e líder da Revolução, nosso companheiro Fidel Castro, símbolo vivo presente e futuro da Revolução Cubana e da união de todos os povos.

Agradecemos enormemente ao ICAP, ao CIJAM, a AMISTUR e as delegações das províncias de Santiago de Cuba, Camagüey, Villa Clara e Ciego de Ávila pela organização dessa Brigada e calorosa acolhida que nos proporcionaram.

Compreendendo a importância dessa experiência para o fortalecimento da solidariedade e da amizade entre os povos, consideramos um dever nos inspirarmos nas vivências e aprendizagens que obtemos em Cuba para construir uma realidade mais justa, solidária e igualitária em nossos respectivos países.

“Até a vitória, sempre!”

Viva Cuba!
Viva a Revolução!
Viva Fidel!
Viva a irmandade entre os povos da Grande Nação!
Caimito, Artemisa, 6 de Fevereiro de 2016.

                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

A MENINA MALAK, REFUGIADA SÍRIA QUE SOBREVIVEU A TRAVESSIA, VIRA FILME DA UNICEF (VÍDEO)

Apesar do menino sírio, Aylan Kurdi, ter chegado sem vida à costa da Turquia e tornar-se um símbolo da tragédia humana, outras crianças foram salvas desse destino, seja por acaso ou pela valentia de grupos salva-vidas. Malak, uma menina síria sobrevivente, foi escolhida para estrelar um curta-metragem da UNICEF intitulada "O barco de Malak" ... para viver e contar.

A organização UNICEF apresentou um curta-metragem que contém imagens reais e animação sobre a história da Malak, com a menina síria como o protagonista da obra. Malak e sua família, que estavam tentando escapar da guerra na Síria, testemunharam mortes nas entranhas do mar..

 O filme tem duração de dois minutos e mostra um bote que transporta a menina junto com vários refugiados sírios sem rostos. O filme também descreve os momentos de terror vividos em alto-mar em meio a ondas violentas. Os fragmentos são acompanhadas pela voz real da menina Malak narrando em árabe.

O curta de drama atinge o seu pico quando a menina se encontra completamente só lutando contra as ondas e a morte.
Malak é uma menina real que desembarcou na ilha grega Lisbos. Ela roubou a atenção do mundo para a sua inocência e coragem de se expressar, para de se tornar uma testemunha da imigração em condições deploráveis.

As emoções que transbordam e as imagens surpreendentes e impactantes refletidas nesses dois minutos têm comovido milhares de pessoas através das redes sociais e estão tornando Malak em um exemplo de valentia e esperança. 

"El bote de Malak"... para vivir y contar

                                                         
Fuente: Al Mayadeen TV Español


                                                             VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!          

14 de fev de 2016

PATRIARCA DA IGREJA ORTODOXA VISITA FIDEL CASTRO EM CUBA

O patriarca da Igreja Ortodoxa Cirilo visitou na tarde deste sábado (13/02) o líder da Revolução Cubana, Fidel Castro. Segundo a imprensa do país, os dois conversaram sobre a preservação da paz, a luta conta a discriminação e a sobrevivência humana.


Durante o encontro, Fidel lembrou da contribuição de Cirilo ao “fortalecimento da amizade entre os povos russo e cubano” e à “difusão dos valores que unem os dois povos”, de acordo com o jornal Granma.
Cirilo esteve em Cuba para um encontro histórico com o papa Francisco, na primeira reunião entre os líderes das duas igrejas em mais de 900 anos.
“Foi um encontro muito esperado tanto por mim como pelo meu irmão Cirilo”, afirmou o papa a jornalistas. Antes de chegar à ilha, Francisco disse em seu perfil oficial no Twitter que o encontro com Cirilo era “um presente de Deus” e pediu que os fiéis rezassem pelos dois.
Segundo o patriarca, o encontro com o papa foi um sinal de esperança para toda a comunidade cristã. Cirilo está em uma viagem de 11 dias pela América Latina, que inclui o Brasil.


Publicado por: operamundi
Fotos: Alex Castro/Juventud Rebelde

                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

13 de fev de 2016

MÍSSIL ESTADUNIDENSE QUE CHEGOU A CUBA "POR ENGANO" É DEVOLVIDO


 
DECLARAÇÃO DO MINISTÉRIO DE RELAÇÕES EXTERIORES SOBRE O AGM 114 "HELFIRE"

Em junho de 2014 chegou a Havana em um voo procedente de Paris uma carga comercial que, ao ser inspecionada pelas autoridades da Alfândega Geral da República se descobriu que se tratava de um foguete com cabeça de autocondução a laser AGM 114 "Helfire".

Este míssil chegou a Cuba por equívoco o má manipulação no país de procedência. Para as autoridades cubanas pareceu preocupante a entrada no país de um objeto militar de fabricação estadunidense que não tinha sido declarado como tal na declaração de carga da aeronave que a transportara.

Este artefato militar foi devidamente conservado e custodiado. Quando o governo dos Estados Unidos informou oficialmente ao governo cubano que um míssil de treinamento, de propriedade da empresa "Lockheed Martin" havia sido enviado a nosso país por erro e expressou seu interesse em recuperá-lo, Cuba transmitiu a decisão de entregá-lo e se iniciaram as negociações entre as partes para a sua devolução.

Como resultado destes intercâmbios, uma equipe de especialistas do governo estadunidense e da referida empresa viajou a Cuba para vistoriar o estado da carga.

Em 13 de fevereiro de 2016 os especialistas retornaram aos EUA com o míssil.

Cuba agiu com seriedade e transparência e cooperou para encontrar uma solução satisfatória para o fato.

Fonte: CUBADEBATE 13-02-2016

                                                                   VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!! 

PAPA FRANCISCO E O PATRIARCA KIRIL ENCONTRAM-SE PELA PRIMEIRA VEZ EM HAVANA (VÍDEO)


Encontro dos dois religiosos em Havana.

Papa Francisco: "Não quero ir sem dar um sentido de agradecimento a Cuba, ao grande povo cubano e a seu presidente aqui presente. E agradeço à sua disponibilidade ativa. Se continua assim, Cuba será a capital da Unidade"

A mídia internacional ressalta a visita do patriarca Kirill a Cuba e seu encontro com o papa Francisco




 Porém a mídia brasileira guarda um estranho e absoluto silêncio. Ainda ressoa nas redes sociais um dos lemas prediletos da direita: “Vai pra Cuba!” E não é que Suas Santidades Francisco e Kirill escolheram exatamente Cuba para seu encontro histórico. Kirill está de visita a Havana – mais tarde virá ao Brasil - e Francisco estará viajando ao México. Vão se encontrar no aeroporto José Marti de Havana, especialmente preparado para o importante evento. Poderiam ter escolhido uma outra sede, por exemplo, a alardeada democracia da Costa Rica, ali pertinho, que nem exército tem. Francisco esteve recentemente em Cuba, Kirill é a quarta vez que pisa na Ilha. Parece que gostaram e aceitaram de bom grado “Ir pra Cuba!”.

E então, por quê o papa Francisco e o patriarca russo Kirill escolheram Cuba para a sua histórica reunião?

O papa Francisco e o patriarca Kirill conversarão durante duas horas no aeroporto José Martí | Foto: BBC


O chefe da Igreja Católica Romana papa Francisco se reunirá nesta sexta-feira com o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa Kirill no que se constitui no primeiro e único encontro entre os líderes de dois dos principais ramos do cristianismo desde que ambas se separaram em 1054, há quase um milênio. 

O interesse de Francisco no encontro estava claro desde pelo menos novembro de 2014, quando ao regressar de uma viagem a Istambul, revelou que havia falado por telefone com Kirill e que lhe havia dito: “Irei aonde quiser. Chama-me e eu vou”.

Finalmente o encontro está confirmado, porém não ocorrerá nem em Moscou nem em Roma nem em nenhuma outra capital europeia e sim em Havana, Cuba, onde ambos conversarão durante cerca de duas horas numa sala de reuniões especialmente montada no aeroporto internacional José Marti.

Por quê esses líderes religiosos decidiram encontrar-se em Havana, capital de um país que até 1992 era oficialmente ateu e que é o país com menos cristãos, proporcionalmente, da América Latina?

John Allen, editor associado de Crux, uma publicação do Boston Globe e autor de 10 livros sobre o Vaticano e temas do catolicismo, considera que na escolha do local houve uma parte de sorte e outra de estratégia.


"A parte da sorte tem a ver com que o patriarca russo já tinha previsto viajar a Cuba ao mesmo tempo que o papa Francisco iria ao México, de modo que resultava prático se verem ali. A parte estratégica tem a ver com o fato de que a relação entre ambas as igrejas está muito carregada pela história europeia”, explicou Allen. "Esta relação necessita de um novo começo, por isso a reunião não poderia ocorrer na Europa nem nos Estados Unidos. Cuba é uma excelente escolha porque é amistosa para a Igreja Católica porém também para a Rússia porque foi o alido mais próximo de Moscou no continente americano.”

Por seu lado, Vakhtang Kipshidze, porta-voz do Patriarcado de Moscou da Igreja Ortodoxa, afirmou que "Cuba é ideal porque é um país principalmente católico que tem uma comunidade ortodoxa em Havana. É um lugar igualmente hospitaleiro para todos. Em contraposição, a Europa está ligada a experiências negativas e dramáticas para ambas as comunidades religiosas".


O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, opinou que "no passado se tentou, sem êxito, conseguir esse encontro, nos tempos de João Paulo II e do patriarca Alexis II, levantando-se hipóteses de diferentes lugares na Europa, que é um continente muito complexo e com grande densidade histórica”.

Para John Allen, o fato de que Cuba seja percebida como um país majoritariamente secular contribui para a sua imagem de território neutro. “Encontrar-se ali não significa uma vitória do papa nem do patriarca. Simplemente decorre ser um lugar que para ambos resulta conveniente”.


 
Victor Gaetan, correspondente do National Catholic Register e colaborador da revista Foreign Policy, considera que a escolha de Cuba favorece o governo de Raúl Castro "ao posicionar Havana como um mediador entre Ocidente e Rússia. Pode dar a impressão que Francisco esteja fazendo concessões, todavia o que fica claro é sua disposição de cicatrizar uma ferida que já dura 1000 anos. Cuba significa um meio para alcançar um grande objetivo: a reconciliação”.

Ted Piccone, analista do programa sobre América Latina do Brookings Institution, concordou que o encontro ajudará a melhorar a imagem de Cuba no exterior. "Cuba precisa reconstruir seu capital no estrangeiro agora que já não pode limitar-se simplesmente a queixar-se dos Estados Unidos. Quer construir a imagem de que é um ator conciliador diplomático neutro como tem sido nas negociações de paz entre a Colômbia e as FARC".

A Secretaria Geral das Nações Unidas qualificou de histórico o encontro entre o papa Francisco e o patriarca Kirill. O porta-voz Stephane Dujarric assegurou que Ban Ki-moon se sente feliz pelo encontro na Ilha caribenha.

                                                                 
                                                                         
                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

11 de fev de 2016

MUDAR GUANTÁNAMO — MAS SÓ DE ENDEREÇO...


Para salvar imagem, Obama pode transferir presos encarcerados na base infame. Planeja, porém, mantê-los na condição de condenados eternos, sem julgamento ou direito à defesa


Por Luis Matías López | Tradução: Inês Castilho

Barack Obama não quer passar para a história como um presidente cheio de boas intenções, algumas conquistas importantes (reforma da saúde, normalização das relações com Cuba, acordo nuclear com o Irã…), mas com a coluna de créditos do seu balanço mais curta do que o saldo devedor (incapacidade de impedir a emergência do Estado Islâmico, internacionalização do terrorismo jihadista, guerras de Bush falsamente encerradas, graves tensões com a Rússia…).

No afã presidente norte-americano para salvar seu legado há uma questão de alto valor simbólico, porque supõe o sonoro e midiático descumprimento da promessa de fechar o cárcere vergonhoso de Guantánamo, na base de mesmo nome localizada em Cuba. Sua ocupação resulta do direito colonial rançoso, anterior à revolução cubana, e não do livre acordo entre aliados –, já que Havana não desistiu de sua reivindicação estéril para recuperar essa parte do país.

Além do alto valor estratégico de manter forte presença militar em um país vizinho que os EUA não conseguiram submeter em 57 anos, Guantánamo brindou tanto Bush como Obama com uma saída perfeita para reter, em condições frequentemente sub-humanas e já há 14 anos, centenas de combatentes inimigos, sem ter de reconhecer o direito de serem considerados inocentes até prova em contrário.

Obama sustenta que a culpa não é sua, mas de um Congresso dominado pelos republicanos que boicotou, sistematicamente, todas as tentativas de fechar a prisão atípica e vergonhosa. Não lhe falta parte da razão, mas, se é bem certo que o sistema de equilíbrio de poderes limita suas atribuições presidenciais, não é menos verdadeiro que deixa ampla margem ao Executivo quando este demonstra uma clara vontade política de batalhar contra a resistência do Legislativo. Trata-se tanto de poder como de querer, e não está claro se Obama deseja fechar Guantánamo a ponto de assumir, por essa questão, o desgaste de um conflito aberto com o Congresso.

Uma prova evidente de como o presidente relativiza o assunto é que, em que pesem suas advertências em contrário, ele terminou aceitando, em novembro, um orçamento de defesa que proíbe o traslado aos Estados Unidos de prisioneiros aprisionados na base. Enviá-los para território norte-americano suporia, entre outras coisas, reconhecer seu direito a um julgamento justo. Se se aceitasse este princípio, a grande maioria dos detidos ilegalmente – contra os quais não há provas sustentáveis diante de um tribunal imparcial – deveriam ser colocados em liberdade. Isso suporia reconhecer um dos maiores ultrajes legais cometidos pelos Estados Unidos em seus quase dois séculos e meio de história. E, num país onde os advogados florescem como cogumelos, poderia multiplicar as exigências de reparação pelos danos físicos e morais à multidão de encarcerados durante esses 14 anos.

Esse perigo parece distante, sem dúvida. De fato, o secretário de Defesa, Ashton Carter, anunciou que apresentará, ao Congresso, de um plano que, se colocado em prática, implica mudança da localização dos prisioneiros – de Guantánamo aos Estados Unidos –, sem alterar necessariamente seu status. Hoje, eles não podem ser transferidos a outros países; nem julgados (por falta de provas), nem libertados (porque continuam sob suspeita de terrorismo). Uma aberração legal, mas que não seria a mais grave perpetrada na “guerra contra o terror” empreendida por Bush desde 11 de Setembro, e que também aprisionou Obama, mais preocupado em salvar a própria pele do que com que se faça justiça.

Obama não é exatamente igual a Bush, e fez, sim, alguma coisa. Por exemplo, proibiu as torturas – ainda que persista tratamento degradante – que tiveram inclusive cobertura legal (embora secreta), e que foram praticadas de forma rotineira durante o mandato de seu predecessor. Reduziu o némero de presos aos 93 atuais, dos 245 que havia quando assumiu a presidência (há sete anos!), e um número muito distante dos 680 que Guantánamo chegou a ter no seu ápice, em 2003.

Dos 93 que continuam lá aprisionados, 34 estão tão “limpos” que se admite transferi-los a outros países – se houver quem aceite acolhê-los; três foram condenados pelas “comissões militares” que substituem os tribunais civis; sete estão sendo julgados por esses mesmos órgãos; e os 49 restantes, classificados como “combatentes ilegais”, estão retidos em caráter indefinido e sem indícios de culpabilidade que permitam serem processados com as mínimas garantias legais que deveriam ver reconhecidas.

As irracionalidades abundam. É claro que o sistema penitenciário, capaz de aprisionar o autor do atentado da maratona de Boston e o rei do narcotráfico, Chapo Guzmán – se for finalmente extraditado do México –, não teria problemas em deter, com garantias, um punhado de supostos terroristas. O problema é que, se chegarem aos Estados Unidos, fora já do limbo legal de Guantánamo, demonstrar sua culpabilidade, caso exista, seria questão quase impossível. E a propaganda dos republicanos, amplificada em pleno ano eleitoral, somada às reticências nos Estados onde se encontram as eventuais prisões receptoras, reafirma que haveria um grave risco à segurança nacional se, finalmente, a maioria desses reclusos acabassem em liberdade. Difícil imaginar maior exercício de hipocrisia num país que dá lições de democracia e respeito aos direitos individuais ao mundo todo.

Mas ainda tem mais. Pois Obama está preso à sua sonora promessa de fechar Guantánamo, e descumpri-la o colocaria em evidência. Por isso continuará esforçando-se para realizá-la, ainda que isso suponha pouco mais que maquiagem. Diversas organizações defensoras dos direitos humanos (como Anistia Internacional e a União de Liberdades Civis Americanas) temem que o eventual transporte dos prisioneiros para os Estados Unidos não inclua mudança em seu status atual de “presos indefinidos”.

A Anistia Internacional, por exemplo, sustenta, através da diretora do Programa de Segurança e Direitos Humanos nos Estados Unidos, Naureen Shah: “A única coisa que a proposta de Obama (realocação dos prisioneiros, conservando-os em detenção indefinida nos Estados Unidos) conseguiria seria mudar o código postal de Guantánamo (…) O certo seria por fim à detenção indefinida sem ressalvas, não mudá-la de lugar (…); os que não podem ser transferidos a outros países considerados seguros devem ser acusados diante de um tribunal federal ou postos em liberdade”. A Anistia exige, além disso, que os EUA assumam “a responsabilidade pelos abusos cometidos no passado” e que “sejam ampliadas as investigações sobre denúncias de tortura e outras violações dos direitos humanos.” Enquanto isso, a advogada novaiorquina Tina Foster, que representa vários prisioneiros, sustenta que o fechamento da prisão seria principalmente uma medida de relações públicas, sem nenhum significado real.

De outro lado, exportar para outros países os prisioneiros de Guantánamo não garantiria que estejam seguros e com seus direitos fundamentais a salvo, algo que exigiria um mecanismo de controle para garantir que não estão mudando de uma prisão para outra, igualmente injusta e arbitrária. Um exemplo: o marroquino Yunus Chekuri, transferido encapuzado e algemado a seu país após 14 meses detido na base norte-americana sem que houvesse nenhuma acusação contra ele, e sem que a CIA e o FBI o considerassem uma ameaça, continua aprisionado próximo a Rabat. E seu caso não é o único.

Fonte: Blog do Luis Nassif em 10/02/2016

                                                                        VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

FALAR DE CUBA É FÁCIL...

#‎FIMDOBLOQUEIO‬


                                                 VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

EUA e CUBA TERÃO NOVO DIÁLOGO ECONÔMICO NA PRÓXIMA SEMANA EM WASHINGTON

Washington, 10 fev (EFE).- Estados Unidos e Cuba realizarão nos dias 17 e 18 deste mês uma nova rodada do chamado Diálogo Regulador, com participação da secretária de Comércio americana, Penny Pritzker, e o ministro cubano Rodrigo Malmierca, informou nesta quarta-feira a Casa Branca, em comunicado.

No encontro, também estarão funcionários do Tesouro e do Departamento de Estado dos EUA. Nele, serão analisadas as "mudanças regulatórias" aplicadas em 27 de janeiro, que afetam a exportação e o financiamento de certos bens e serviços autorizados por Cuba, além dos desafios identificados pelas empresas americanas.

De acordo com a nota, a delegação cubana abordará "as partes relevantes para o sistema econômico cubano, incluída a importação de bens e serviços e as transações financeiras".

O ministro do Comércio de Cuba, Rodrigo Malmierca, iniciará na próxima terça-feira a visita à Washington, a primeira em décadas. Além da reunião, estará a frente de conferência sobre as relações bilaterais, na Câmara de Comércio dos EUA.

Penny Pritzker, por sua vez, destacou que "esta segunda rodada de conversas "é outra oportunidade para trabalhar diretamente com nossos colegas cubanos, para entender melhor a maneira na qual nossos governos e economias podem trabalhar conjuntamente".

O primeiro encontro aconteceu no ano passado, na primeira visita da secretária de Comércio dos Estados Unidos à Havana, em outubro do ano passado.

O secretário do Tesouro, Jack Lew, também se manifestou hoje e afirmou que "nossas sucessivas ações para emendar as Regulações de Controle de Ativos Cubanos estão dando mais poder aos cubanos".

No fim de janeiro, o governo americano anunciou novas mudanças quanto as restrições que seguem afetando as exportações e as viagens para Cuba, como parte da aproximação bilateral iniciada há pouco mais de um ano, entre os presidentes Barack Obama e Raúl Castro.

Embora o mandatário americano tenha tomado medidas para flexibilizar as viagens e algumas transações comerciais, o levantamento completo do embargo comercial depende do Congresso de EUA, controlado pela oposição republicana, que rejeita as propostas.

Durante seu último discurso sobre o Estado da União, em 12 de janeiro, Obama cobrou que o Congresso reconheça que a "Guerra Fria acabou".
                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!