31 de dez de 2015

COMITÊ INTERNACIONAL PAZ, JUSTIÇA E DIGNIDADE AOS POVOS: SONHANDO UM NOVO ANO! SONHANDO UM MUNDO MAIS NOBRE! DIREITO AO DELÍRIO - EDUARDO GALEANO

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

FELIZ 2016 !!!!

Apesar das declarações feitas pelo Presidente Obama há um ano, quase nada mudou.

Em 2016 multipliquemos nossos esforços e trabalhemos unidos para cobrar do governo dos Estados Unidos:

- Pôr fim ao bloqueio criminoso contra Cuba;
- Fechar o centro de tortura de Guantánamo e devolver seu território a Cuba;
- Pôr fim às proibições de viajar a Cuba;
- Pôr fim aos programas de mudança de regime;
- Pôr fim à Lei de Ajuste Cubano, a "política dos pés secos, pés molhados" e o "programa parole" para profissionais médicos cubanos.

DEIXEM CUBA VIVER EM PAZ !!!!

DIREITO AO DELÍRIO - EDUARDO GALEANO
 
(COM LEGENDAS EM PORTUGUÊS, ESPANHOL E INGLÊS) SETE MINUTOS MARAVILHOSOS !!!!
 
                                                                                                                                                                                                                             
                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

EDUARDO GALEANO: O DIREITO AO DELÍRIO (+ VÍDEO)


Mesmo que não possamos adivinhar o tempo que virá, temos ao menos o direito de imaginar o que queremos que seja.

As Nações Unidas tem proclamado extensas listas de Direitos Humanos, mas a imensa maioria da humanidade não tem mais que os direitos de: ver, ouvir, calar.

Que tal começarmos a exercer o jamais proclamado direito de sonhar?

Que tal se delirarmos por um momentinho?

Ao fim do milênio vamos fixar os olhos mais para lá da infâmia para adivinhar outro mundo possível.

O ar vai estar limpo de todo veneno que não venha dos medos humanos e das paixões humanas.

As pessoas não serão dirigidas pelo automóvel, nem serão programadas pelo computador, nem serão compradas pelo supermercado, nem serão assistidas pela televisão.

A televisão deixará de ser o membro mais importante da família.

As pessoas trabalharão para viver em lugar de viver para trabalhar.

Se incorporará aos Códigos Penais o delito de estupidez que cometem os que vivem por ter ou ganhar ao invés de viver por viver somente, como canta o pássaro sem saber que canta e como brinca a criança sem saber que brinca.

Em nenhum país serão presos os rapazes que se neguem a cumprir serviço militar, mas sim os que queiram cumprir.

Os economistas não chamarão de nível de vida o nível de consumo, nem chamarão qualidade de vida à quantidade de coisas.

Os cozinheiros não pensarão que as lagostas gostam de ser fervidas vivas.

Os historiadores não acreditarão que os países adoram ser invadidos.

O mundo já não estará em guerra contra os pobres, mas sim contra a pobreza.

E a indústria militar não terá outro remédio senão declarar-se quebrada.

A comida não será uma mercadoria nem a comunicação um negócio, porque a comida e a comunicação são direitos humanos.

Ninguém morrerá de fome, porque ninguém morrerá de indigestão.

As crianças de rua não serão tratadas como se fossem lixo, porque não haverá crianças de rua.

As crianças ricas não serão tratadas como se fossem dinheiro, porque não haverá crianças ricas.

A educação não será um privilégio de quem possa pagá-la e a polícia não será a maldição de quem não possa comprá-la.

A justiça e a liberdade, irmãs siamesas, condenadas a viver separadas, voltarão a juntar-se, voltarão a juntar-se bem de perto, costas com costas.

Na Argentina, as loucas da Praça de Maio serão um exemplo de saúde mental, porque elas se negaram a esquecer nos tempos de amnésia obrigatória.

A Santa Madre Igreja corrigirá algumas erratas das tábuas de Moisés, e o sexto mandamento mandará festejar o corpo, a igreja também ditará outro mandamento que Deus havia esquecido: “amaras a natureza da qual fazes parte”.

Serão reflorestados os desertos do mundo e os desertos da alma.
Os desesperados serão esperados e os perdidos serão encontrados, porque eles se desesperaram de tanto esperar e se perderam de tanto procurar.

Seremos compatriotas e contemporâneos de todos os tenham vontade de beleza e vontade de justiça, tenham nascido onde tenham nascido e tenham vivido quando tenham vivido, sem se importarem nem um pouquinho com as fronteiras do mapa e ou do tempo.

Seremos imperfeitos porque a perfeição continuará sendo um chato privilégio dos Deuses.

Neste mundo trapalhão, seremos capazes de viver cada dia como se fosse o primeiro e cada noite como se fosse a última.

Eduardo Galeano.
                                                                     
                                                                   VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

ICAP COMPLETA 55 ANOS

Instituto Cubano de Amizade com os povos (ICAP) celebra o 55º aniversário de sua criação
Autor: Ernesto Gómez Figueredo | informacion@granma.cu
dezembro 25, 2015

Photo: Yaimí Ravelo

O ICAP festejou o 55º aniversário de sua criação com um ato político-cultural presidido pelo membro do Bureau Político e ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla; José Ramón Balaguer Cabrera, membro do secretariado do Comitê Central e chefe de seu Departamento das Relações Internacionais e contou, ainda, com a presença dos Cinco Heróis da República de Cuba.

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, enviou uma mensagem de felicitação aos trabalhadores dessa instituição na qual os felicita por seu trabalho durante este tempo.

Ramón Labañino Salazar, herói da República de Cuba, disse em nome dele e de seus irmãos, referindo-se a Gerardo Hernández, Antonio Guerrero, Fernando González e René González, estar profundamente emocionado por esta importante data.

“Graças ao ICAP e ao povo cubano por manter-se ao nosso lado todo este tempo, mas a luta continua, contra o bloqueio, exigindo o fechamento da base naval de Guantánamo e a devolução do território ocupado e contra a Lei de Ajuste Cubano”, acrescentou.

A direção do ICAP entregou em forma de reconhecimento a seus criadores, o comandante-em-chefe Fidel Castro e ao general-de-exército Raúl Castro Ruz obras do artista plástico Alberto Lescay e do designer Luis Ramírez Jiménez.

Por sua parte, Kenia Serrano Puig, presidenta do ICAP, remarcou o compromisso dessa instituição com a criação do ser humano novo. Lembrou, ainda, que sua máxima tem sido e continuará sendo que “ser internacionalistas não é dar o que sobre mas sim compartilhar o que se tem”.

A também deputada à Assembleia Nacional do Poder Popular afirmou que as raízes do ICAP estão em seus trabalhadores e que se pode estar certo que o legado e exemplo de seus homens e mulheres está salvo.

No ato foram reconhecidos 14 trabalhadores que por suas funções se têm destacado ao longo de mais de meio século de trabalho desse organismo, entre eles mais da metade com aproximadamente 40 anos de serviço no ICAP.

Por Granma 
ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL
DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

30 de dez de 2015

CUBA NÃO RENUNCIARÁ AOS PRINCÍPIOS E IDEAIS PELOS QUAIS VÁRIAS GERAÇÕES DE CUBANOS LUTARAM

#‎FIMDOBLOQUEIO‬ 

Aprovado Plano da Economia e a Lei do Orçamento do Estado para 2016. Economia cubana cresceu 4%


Sexto Período Ordinário de Sessões da 8ª Legislatura da Assembleia Nacional del Poder Popular. Photo: Jorge Luis González

“A história de nossa Revolução está cheia de páginas gloriosas frente às dificuldades, riscos e ameaças”, afirmou o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, ao encerrar o 6º Período Ordinário de Sessões da 8ª Legislatura da Assembleia Nacional do Poder Popular (Parlamento), em 29 de dezembro.

O chefe de Estado cubano afirmou que, apesar da crise econômica e o bloqueio econômico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 4% e disse que continuará ascendendo em 2016, embora a um ritmo menor.

Igualmente reconheceu que o número de turistas estrangeiros recebidos no país foi de 3,5 milhões, o mais alto registrado até o momento, e ratificou a decisão do governo da Ilha de honrar os compromissos resultantes dos acordos atingidos na renegociação da dívida cubana.

Ao abordar o tema das relações com os EUA, Raúl Castro assinalou que já foi reiterado ao governo dos Estados Unidos que para normalizar a relação bilateral, o bloqueio deve ser levantado e o território que usurpa a Base Naval de Guantánamo há de ser devolvido, “tal como expliquei em minha declaração no Conselho de Ministros do dia 18, na qual reafirmei, ainda, que não se deve pretender que Cuba abandone a causa da independência ou renuncie aos princípios e ideais pelos que várias gerações de cubanos lutaram durante um século e meio”, afirmou.

A poucos dias de comemorar mais um aniversário do triunfo da Revolução, Esteban Lazo, presidente do Parlamento, reconheceu a contribuição do povo na procura de um socialismo próspero e sustentável. Pôs em destaque o desempenho de deputados e vereadores na resposta a propostas, queixas e sugestões da população.

Da mesma forma reiterou que o direito à independência, a soberania e a autodeterminação são essenciais para a defesa dos cubanos. Reafirmou que “as relações econômicas, diplomáticas e políticas com qualquer outro Estado jamais poderão ser negociadas sob agressão, ameaça o coerção de uma potência estrangeira”.

O vice-presidente do Conselho de Ministros e ministro da Economia e Planejamento (MEP) e membro do Bureau Político do Partido, Marino Murillo, explicou que o PIB cubano cresceu 4% no presente ano, principalmente devido à existência de dinheiro líquido antecipado, contratações e execuções adiantadas dos créditos, e a tendência à diminuição dos preços das importações.

Comentou que todos os setores registraram aumentos relativamente ao ano 2014. E se referiu especialmente à indústria açucareira, que cresceu 16,9%, a construção 11,9 %, e a indústria manufaturera 9,9%. Precisou que um objetivo bem claro é dar prioridade e proteger os produtores nacionais, para continuar diminuindo as importações e disse que o salário médio dos trabalhadores do setor empresarial teve um aumento, embora ainda seja insuficiente, tendo como referência os preços do mercado retalhista.

O vice-presidente do Conselho de Ministros definiu as linhas principais nas quais o país trabalha para atingir o crescimento da economia que se espera para 2016. Entre elas mencionou potencializar a eficiência no uso de divisas, aproveitar a tendência à baixa dos preços, o emprego racional dos inventários a partir das existências e os índices de consumo que propiciam economizar determinados recursos.

Anunciou que para o próximo ano se estima um crescimento em torno de 2%, onde os maiores incrementos estarão focalizados nas construções, hotéis e restaurantes, agricultura, pecuária, silvicultura, transporte, armazenamento, comunicações, indústria açucareira e geração de eletricidade, água e gás.
A titular do Ministério das Finanças e Preços, Lina Pedraza, destacou que as estimativas de execução do Orçamento do Estado para 2015, mostram correspondência com a execução do Plano da Economia, de maneira que as receitas netas foram cumpridas em 97% e as despesas totais estão na ordem de 96% do previsto.

Insistiu em que o Orçamento corrente atribuiu fatias de 30 e 23%, respectivamente, à Saúde Pública e à Educação. Para a atividade empresarial, acrescentou Pedraza, foram destinados nove bilhões de pesos, fundamentalmente para o Ministério da Agricultura e para os grupos empresariais Azcuba e o da Indústria Alimentar.

O Orçamento aprovado de forma unânime pelos deputados cubanos para o ano 2016 apresenta um resultado financeiro deficitário de 6,22 bilhões (6.223.200) que representa 7,1% do PIB, aos preços correntes.

ELEITOS NOVO MEMBRO DO CONSELHO DE ESTADO E JUÍZES LEIGOS DO SUPREMO TRIBUNAL

Na jornada vespertina do 6º Período Ordinário de Sessões da Assembleia Nacional do Poder Popular, em sua 8ª Legislatura, os deputados elegeram Jennifer Bello Martínez, presidenta da Federação Estudantil Universitária, como membro do Conselho de Estado, em substituição de Abelardo Colomé Ibarra, quem foi liberado de suas responsabilidades nessa instância, devido a problemas de saúde.

Esta é a primeira vez que um líder estudantil ocupa um cargo nesse importante órgão de direção, o que ratifica a confiança da Revolução em seus jovens.

Ainda, foram eleitos 285 juízes leigos do Supremo Tribunal Popular (TSP); deles 28 para a vara militar e 257 para outras varas do TSP.

A VIDA DO PAÍS NO DEBATE DOS DEPUTADOS

O desempenho da economia durante o ano e as projeções para 2016 estiveram no centro das análises prévias das dez comissões permanentes da Assembleia Nacional, no Palácio das Convenções de Havana, reunidas durante os dias 26, 27 e 28 de dezembro.

O vice-presidente do Conselho de Ministros, Marino Murillo, informou que 58% do Plano da Economia previsto para o ano que começa será dedicado a empreendimentos em esferas fundamentais para o desenvolvimento do país como o turismo, que receberá 1,3 bilhão de pesos; para o desenvolvimento do petróleo, as fontes renováveis de energia e o setor agropecuário, com 600 milhões.

Durante o último dia de trabalho das comissões do Parlamento o titular da Economia e Planejamento exortou a continuar a política de poupança, incrementar a produção de bens materiais e a diminuir as importações.

O primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Diaz-Canel Bermúdez, participou dos debates da Comissão de Educação, Cultura, Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, onde foi examinada a aplicação dos resultados da ciência na produção de alimentos.

Ao analisar a ligação entre universidade e sociedade, o ministro da Educação Superior, doutor Rodolfo Alarcón Ortiz, fez um reconto das principais transformações implementadas nesse setor.

Dentre as modificações mais significativas figura a redução para quatro anos de estudo das disciplinas pedagógicas, a partir de setembro do ano próximo, a integração das universidades, a criação do ensino superior de ciclo curto, como novo nível de ensino e a incorporação do idioma inglês como requisito obrigatório em todas as carreiras.

A Comissão de Saúde e Esportes fez uma abordagem da preparação do país para os próximos jogos olímpicos, o cenário demográfico cubano, o envelhecimento da população, a caracterização dos serviços necrológicos e o desempenho assistencial no atendimento primário de saúde.

O ministro da Saúde Pública de Cuba, Roberto Morales Ojeda, expôs soluções a problemas colocados em encontros anteriores, com um trabalho coeso nas instituições geriátricas, focalizadas na formação e preparação do pessoal que atende aos idosos.

A Comissão de Defesa incluiu em sua agenda o impacto da seca que está afetando 137 municípios, 37 deles de forma moderada; 50 de modo severo e outros 50 de maneira extrema.

O presidente do órgão legislativo cubano e membro do Bureau Político do Partido Comunista de Cuba, Esteban Lazo Hernández, ratificou na comissão de Atenção à Infância, a Juventude e a Igualdade de Direitos da Mulher a necessidade de estimular o trabalho não estatal, exercido por mais de 0,5 milhão de cubanos, dos quais três em cada dez são jovens e o mesmo número do total são mulheres.

“É preciso vermos o trabalho autônomo ou independente como parte do desenvolvimento do país, do socialismo e, se através desta modalidade se consegue consolidar um melhor serviço, isto influirá diretamente no avanço dos municípios”, sublinhou. E depois advogou também pela educação do povo no sentido da disciplina, a responsabilidade e, principalmente, nos valores humanos.

Nessa linha, o vice-presidente do Conselho de Estado e membro do Bureau Político, Salvador Valdés Mesa, reiterou que o país deve adquirir uma cultura acerca dos impostos e tributos.

Um olhar à 4ª Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos que se celebrará em janeiro próximo, em Quito, Equador, foi o centro da análise da Comissão das Relações Internacionais, onde se emitirão propostas para serem levadas a esse organismo regional, que examinará a desigualdade social.

Igualmente, os deputados receberam informação atualizada sobre o complexo cenário mundial da atualidade, marcado por crises políticas e econômicas, guerras e catástrofes naturais sem precedentes.

Também examinaram as contribuições materiais a partir de e para Cuba.

Por Granma 
ÓGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL
DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

THE NEW YORK TIMES PEDE MUDANÇAS NA POLÍTICA DE IMIGRAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS PARA CUBA

#‎FIMDOBLOQUEIO

O jornal americano influente apelou às autoridades de seu país para mudar as leis e as políticas seletivas que promovem a imigração ilegal de cubanos

Photo: AP

WASHINGTON.— O jornal americano influente The New York Times pediu às autoridades de seu país para mudar a lei e as políticas seletivas que promovem a imigração ilegal de cubanos.

“O Congresso deveria revogar a Lei de Ajuste Cubano, de 1966, que criou um mecanismo expedito para apoiar os cubanos em uma época em que os EUA estavam tentando minar um aliado soviético”, disse um editorial publicado segunda-feira, 21 de dezembro.

O documento também defende a eliminação da política de ‘pés molhados-pés secos’, que permite que os cubanos uma rota rápida para conseguir a residência, independentemente das formas que eles usam para atingir o território norte-americano.

O jornal também critica a persistência do programa Parole para profissionais médicos cubanos, implementado pelo governo do republicano George W. Bush, com o objetivo de promover as deserções do pessoal de saúde da Ilha.

O jornal acredita que essa legislação e essas políticas são “uma relíquia da Guerra Fria que estão impedindo a normalização das relações entre Washington e Havana”.

Também explica que este sistema é uma bênção para os traficantes de pessoas na América Latina e um fardo para os países desde o Equador até o México, por onde os imigrantes e as redes de traficantes se movem.
Atualmente, na Costa Rica, há mais de cinco mil cubanos à espera de continuar sua passagem para os Estados Unidos, o que provocou uma situação complexa na região.

O jornal sublinha que um dos motivos que provocou a disparada do fluxo migratório é o medo de que Washington acabe com o “tratamento especial” que recebem os imigrantes da Ilha, especialmente após o restabelecimento das relações diplomáticas.

A situação atual na América Central colocou em foco o "absurdo" da política norte-americana, diz o editor.
Acrescenta que a exceção no tratamento dos cubanos é difícil de justificar e contrasta com o tratamento dado aos centro-americanos, incluindo crianças, que deixam seus países de origem para salvar a vida.

Além disso, a prática atual tem impedido às autoridades norte-americanas a realização de uma exaustiva investigação, tal como a que recebem os imigrantes de outras nacionalidades.

OPÇÕES DE PRESIDENTE

Embora o New York Times admita que é da responsabilidade do Congresso dos EUA mudar a Lei de Ajuste Cubano, afirma que o presidente pode tomar medidas executivas para mudar o cenário atual.

O Times enfatiza que Obama tem várias opções, e até mesmo a própria lei dá a faculdade ao Poder Executivo de admitir os cubanos que chegam, mas que não obriga a que o governo realmente o faça.

A administração Obama deveria negociar “um novo acordo com o governo cubano para fazer com que a emigração ordenada seja a norma", indica o jornal. E propõe que “aqueles cubanos que chegam nos Estados Unidos sem autorização sejam devolvidos, a menos que demonstrem um medo credível de perseguição”.

A Lei de 1966, assinada durante a Guerra Fria, foi para desestabilizar a jovem Revolução, mas ocultou suas intenções com o suposto objetivo de proteger os cubanos que ‘fugiam’ da Ilha, dando a todos eles a categoria de refugiados políticos.

No entanto, a maioria dos cidadãos que beneficia atualmente desta legislação visita seu país de origem várias vezes por ano e reconhece que sua principal motivação para a migração era econômica.

O jornal norte-americano sugere que, em troca de revogar leis existentes e políticas atuais, Washington poderia tratar com Havana o assunto dos cidadãos cubanos que permanecem nos EUA com ordens de deportação.

O editorial esclarece que, com apenas um ano de mandato, o governo de Obama “parece não estar disposto a descartar a política que dá a cada cubano que atinge o território dos EUA o direito automático para se estabelecer nesse país e solicitar a cidadania em alguns anos”.

Entre as preocupações da atual administração, também seriam as possíveis consequências no fluxo migratório, caso forem alteradas a lei e as políticas vigentes.

Na trilha dos acordos migratórios em vigor, os Estados Unidos devem conceder 20 mil vistos anuais em sua embaixada em Havana.

O editorial conclui que o governo dos EUA poderia continuar admitindo grande número de migrantes cubanos que procuram a permissão de saída mediante os canais legais, dando prioridade àqueles que têm “direitos legítimos” ou parentes nos Estados Unidos.

Fonte Granma - ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

MEDICINA CUBANA DESCOBRE CURA PARA VITILIGO E ATENDE BRASILEIROS QUE PRECISAM DE TRATAMENTO

 #‎FIMDOBLOQUEIO‬

 As causas do Vitiligo podem ser ocasionadas por uma herança genética, autoimunidade e até mesmo ser desenvolvida devido ao stress. A doença conhecida pela despigmentação da pele que atinge 1% da população mundial, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. Atualmente uma variedade de tratamentos foram desenvolvidas para a doença. 


Um deles é o método cubano que apresenta resultados de cura. Cuba desenvolve o tratamento desde a década de 70 e de acordo com o Centro de Histoterapia Placentária, em Havana, a técnica tem base na retirada de uma substância chamada Melagenina Plus, que é extraída da placenta humana. Esse extrato alcoólico estimulante da melanina, é responsável pela pigmentação da pele. 

Em sua primeira aplicação, o medicamento mostrou que 84% dos 732 pacientes que participaram do estudo conseguiram voltar com a pigmentação total da pele atingida pelo vitiligo.“As manchas foram regredindo. Eu tinha manchas no rosto e não tenho mais. Eu tenho algumas manchas localizadas, como no pé e no joelho, mas são muito pequenas. Faz mais de vinte anos que elas pararam de crescer”, contou Glícia Pontes, professora da Universidade Federal de Goiás, uma das primeiras brasileiras a ter êxito com o método cubano.

O estrangeiros que estejam interessados no tratamento podem procurar o CEHP. Para mais informações é só clicar no link:Centro de Histoterapia Placentária

Fonte: Best of Web

                                                                      VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!! 

29 de dez de 2015

COM CUBA PELO SOCIALISMO CONTRA O BLOQUEIO

#‎FIMDOBLOQUEIO‬
VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

PRIMEIRO VOO COMERCIAL ENTRE CUBA E CHINA POUSA EM HAVANA.

Da Agência Lusa

 O primeiro voo entre Pequim e Havana, e primeira ligação aérea entre a China e a região do Caribe, aterrisou hoje (28) em Cuba, anunciou a agência de notícias chinesa Xinhua.
A nova rota, feita por um modelo Boeing 777, vai operara três vezes por semana, com escala em Montreal, no Canadá.
O turismo é a segunda maior fonte de receitas da economia cubana e só no primeiro semestre de 2015 faturou US$ 1,7 milhões, segundo dados oficiais.
Em 2014, 109 milhões de chineses viajaram para fora da China continental, transformando o país no maior emissor mundial de turistas, à frente dos Estados Unidos.

Fonte EBC Agência Brasil 

                                                                       VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

25 de dez de 2015

ELIS REGINA CANTANDO MÚSICA DE CHICO BUARQUE E FRANCIS HIME EM HOMENAGEM A CUBA


LINDO !!!!!
"Raridade: Apresentação de Elis Regina em 1978 no Teatro Vilaret, Lisboa. Elis interpreta a música Maravilha, de Chico Buarque e Francis Hime. Ela não chegou a gravar essa música. Apenas cantou durante a temporada do show Transversal do Tempo. E isso basta."
                                                                     
                                                                                                                                                                                                                                                                      VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

SILVIO RODRIGUEZ: CANCIÓN DE NAVIDAD

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Silvio Rodriguez e a canção de Natal. Lindo !!!
                                                                                                     VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

22 de dez de 2015

SILVIO RODRÍGUEZ: APÓS 1 ANO DA RETOMADA DAS RELAÇÕES ENTRE CUBA E EUA NÃO RENUNCIAMOS AO SOCIALISMO!

#‎FIMDOBLOQUEIO‬ 

Na última quinta-feira (17) completou-se um ano da reaproximação entre EUA e Cuba. Abaixo postamos entrevista com Silvio Rodrígues sobre o reatamento dos cubanos com EUA e de como isso tem afetado a cultura, a música e os acontecimentos em Cuba


Silvio Rodríguez. Foto: El Telégrafo 
Por Fernando Ravsberg no site Publico. Tradução: Inês Castilho/Outras Palavras.

“Cabe perguntar-se o que pode significar para Cuba sair do bloqueio e cair nas mãos do FMI. Seja como for, há que ser muito valente para declarar que não renunciamos ao socialismo”, é o que diz o cantor Silvio Rodríguez que, com mais de 40 anos de carreira, é hoje um dos nomes mais importantes da cena cultural cubana. Anunciada há um ano, em 17 de dezembro de 2014, a reaproximação entre Cuba e os Estados Unidos gera ampla discussão dentro e fora da ilha comunista.

Em entrevista ao site espanhol Publico, Rodríguez comenta a aproximação dos Estados Unidos a seu país. No âmbito cultural, ele ressalta que “sempre houve intercâmbio com os Estados Unidos em nível cultural. Criar condições para que esse intercâmbio se amplie será como levantar barreiras para que tudo flua com mais naturalidade” e ressalta: “Não se pode subestimar a centelha dos cubanos. Basta ver o crescimento vertiginoso dos restaurantes e outros serviços. Se chegar a Cuba, não duvido que o McDonald’s acabe vendendo pão com carne de porco”.

Quanto à Revolução Cubana, da qual participou ativamente, Silvio Rodríguez considera que “foi uma realidade imensa, reconhecida com um legado inquestionável. Fui uma partícula desse turbilhão o tempo todo. Não duvido que haja outra revolução no futuro. Mas, até que chegue esse momento extraordinário, o que nos cabe é evoluir”.

Confira a íntegra da entrevista:

A aproximação de Cuba e Estados Unidos abre muitas possibilidades, mas também representa desafios para a cultura cubana.

Sempre houve intercâmbio com os Estados Unidos em nível cultural. Criar condições para que esse intercâmbio se amplie será como levantar barreiras para que tudo flua com mais naturalidade. Se há algo frustrante, não é porque o contato seja negativo, mas porque a ilusão das pessoas propensas a deslumbrar-se acriticamente poderia aumentar. Digamos que o mimetismo pode tornar-se ainda mais pedestre, se é que isso é possível.

Cuba é também uma potência cultural, mas sem o poder econômico da cultura estadunidense. Você não teme que a cultura cubana se veja obrigada a “passar pelo aro” para acessar o mercado dos Estados Unidos?

Público no concerto gratuito do cantor cubano Silvio Rodríguez na inauguração da Cúpula dos Povos - Universidade do Panamá, 09 de abril de 2015

Sempre houve artistas que pensam em mercados e conveniências, e artistas que colocam a arte à frente de todo o resto. Nunca esqueço daquela frase de José Marti, segundo a qual nossos ramos podem ser do mundo, desde que o tronco se mantenha nosso. Satyajit Ray iniciou sua célebre “trilogia Apu” com um pensamento muito lúcido: “Conta sua aldeia e contarás o mundo”. Só a banalidade é capaz de se maquiar de “mundo” e dar as costas ao próprio, pensando no êxito fácil.

Quais são as principais forças da cultura cubana para enfrentar o desafio da nova aproximação com os Estados Unidos?

Acredito na identidade. Sem confundi-la com o excessivamente típico, que pode tornar-se caricato, como essa pintura tosca do cubano que parece seduzir a tantos. É que a identidade também evolui com a instrução de um povo, como foi nosso caso. Inclusive quando não tínhamos a consciência que nos deu meio século de confronto político, Cuba resistiu e seguiu sendo Cuba. Porque não haveria de fazê-lo agora?

Quais seriam suas principais fraquezas?

Suponho que a superficialidade, tão abundante como a verdolaga [uma planta rasteira comum em Cuba]. E ocasionalmente, alguns brotos de oportunismo.

Num momento em que as reformas buscam o autofinanciamento de todos os setores, como a cultura pode fazê-lo? Podem alcançá-lo o balé ou o cinema?

Atividades artísticas que requerem infraestruturas mais ou menos complexas, como o balé e o cinema, são impraticáveis em países em desenvolvimento. Mas é muito pior se não existe a vontade de construí-las e sustentá-las. Em Cuba, desenvolveram-se pela vocação humanista de Fidel Castro e pelo impulso de personalidades como Haydeé Santamaría, Alicia e Fernando Alonso, Alfredo Guevara, Julio García Espinosa e outros. Inclusive países desenvolvidos, como a Espanha, estão em constante luta por orçamentos para o cinema, a música clássica e outras manifestações. Em muitos lugares, essas expressões apenas sobrevivem graças ao mecenato. Mas supõe-se que um Estado socialista deva ser mais responsável, mas generoso.

Inclusive tratando-se de um Estado pobre, bloqueado, cada vez com menos ajudas e ainda por cima em meio a uma crise econômica mundial, como pano de fundo. Cabe perguntar-se o que pode significar para Cuba sair do bloqueio e cair nas mãos do FMI. Seja como for, há que ser muito valente para declarar que não renunciamos ao socialismo. Os cineastas cubanos mostram-se conscientes da realidade; vêm também daí suas demandas de independência e de uma lei cinematográfica. Não acredito que o balé vai desaparecer, mas as instituições dificilmente sobreviverão sem mudanças. É admirável que figuras como Liz Alfonso e agora Carlos Acosta levem adiante seus projetos. Por outro lado, também há outras experiências novas e interessantes, como a Fábrica de Arte, de X Alfonso.

Estruturas como as fundações foram vistas em Cuba com reservas, talvez por medo de que fiquem muito independentes. Há projetos que esperam há anos pela anunciada revisão da Lei de Fundações. Acredito que uma forma de salvar algumas boas atividades que tiveram início com a Revolução é transformando-as precisamente em fundações, ou instituições semelhantes. E que cada iniciativa prove na prática sua capacidade e sua vigência.

O turismo em Cuba cresceu muito, dizem que muitos turistas querem conhecer o país “antes que cheguem os americanos”. Você acredita que Cuba realmente corre o risco de americanizar-se, de que os McDonalds superem o pão com carne de porco?

Não se pode subestimar a centelha dos cubanos. Basta ver o crescimento vertiginoso dos restaurantes e outros serviços. Se chegar a Cuba, não duvido que o McDonald’s acabe vendendo pão com carne de porco – ainda será preciso ver como serão feitos… Gostaria que não mudássemos a comida saudável que ainda temos: é um valor nosso a ser defendido. Alguns apressados pressionam a natureza para que as frutas amadureçam mais rápido, o que lhes muda o sabor, além do dano dos agentes químicos. Espero que esses maus hábitos não se generalizem e que nunca venhamos a substituir saúde por falso crescimento. Pode ser que as coisas assim fiquem associadas ao “antes dos americanos chegarem”.

Seus concertos pelos bairros repercutiram muito em nível nacional e internacional.

Começamos a fazê-los muito discretamente; recusávamos que o trabalho que fazíamos nesses lugares se transformassem em show. Mas com o tempo foi inevitável que transcendesse. Alguns documentários ajudaram. O primeiro foi feito pelo espanhol Nico García, e chama-se Oxalá. Também foi feita uma exposição de pintura de Tony Guerrero e fotos minhas no Centro Cultural Pablo da Torriente. Foram acontecendo coisas que trouxeram o projeto à luz.


Assista ao documentário Oxalá (em espanhol):
 

-
                                                                                   
 Por que decidiu fazê-los?

Quem me pediu o primeiro concerto foi José Alberto Álvarez, um policial que atendia no pequeno bairro de La Corbata. Ocorre que ir aos bairros vicia. Você chega e vê as famílias, as crianças, os velhinhos nos portais e varandas, jovens pendurados nos telhados. Você é transpassado pela beleza, vê que faz falta e as pessoas lhe agradecem. Não há melhores razões.

Quantos realizou?

Hoje faremos o concerto número 68. [Em] 9 de setembro completamos cinco anos de turnê.

Como os financia?

Recebo um pouco de ajuda estatal. Emprestam-me o palco, o equipamento de eletricidade e as luzes, que são coisas que não temos. Também nos ajuda algum pessoal do departamento de excursões do Ministério da Cultura. Tudo o resto, o som, os microfones, os instrumentos e os salários de alguns trabalhadores, é por conta do projeto Oxalá. Esses custos são um item fixo em nosso orçamento. As turnês pelo exterior nos ajudam a ir melhorando as condições, sobretudo a qualidade das caixas de som, das mesas de som, dos cabos, que gradualmente foram se tornando muito profissionais. Vale lembrar que todos os músicos e artistas que se oferecem para fazer a turnê o fazem com absoluto desinteresse material.

Suas opiniões sobre a situação social que encontrou nos bairros suscitou todo tipo de comentário. O que encontrou, realmente, nesses lugares?

Não que eu ignorasse que havia bairros assim. O projeto Oxalá está há mais de 20 anos ao lado do bairro de El Romerillo. Todos que vivem em Cuba e querem ver que isso existe, veem. É que o trabalho constante nesses lugares permite enxergar não só as carências e as condições de vida, mas também na luta constante contra a indolência e a burocracia. Assim foi feito Canción de Barrio, o documentário de Alejandro Ramírez que resume os dois primeiros anos dos giros: descarnado, assim como a realidade. E por isso no dia da estreia convidamos os dirigentes dos lugares que iam ser expostos. Alguns foram.

Assista ao documentário Canción de Barrio (em espanhol):

                                                                                                                                                                                                                                     
O que lhe acrescentam, como artista e como pessoa, esses concertos?

Comecei a experimentar desde criança, nos primórdios da Revolução. Vi balé não por formação familiar ou por possibilidades econômicas, mas de repente Alicia Alonso dançava numa praça. O que conta o primeiro documentário de Octavio Cortazar, ‘Por primera vez?’: a visita de um caminhão projetor às montanhas, onde o cinema nunca havia estado. Que fazíamos em nossa juventude nós mesmos, constantemente, se não cantar em todas as partes?… Nunca deixei de cantar assim, sobretudo em meu país.

Assista ao documentário Por Primera Vez, que é o primeiro contato de comunidades cubanas com a sétima arte:


                                                                                                                                                                                                                           
Pode ser que não se saiba, mas jamais cobrei um concerto em Cuba. Bem, uma vez Luis Eduardo Aute e eu cobramos um, no Teatro Karl Marx, e doamos o dinheiro a San Antonio de los Baños, para que a prefeitura tivesse um fundo (que dizia não ter) e pudesse pagar trabalhadores para limpar o rio Ariguanabo. Mas também lá fora cantei assim. Tenho feito muitíssimo no México, aonde comecei a ir nas Jornadas de Solidariedade com o Uruguai. Fiz na Colômbia, Venezuela, em Angola, na República Dominicana, Equador, Bolívia, Paraguai. Fiz em alto mar, durante meses, na Frota Cubana de Pesca. Fiz nas prisões, várias vezes. Há pouco fizemos um concerto no bairro de Lugano, em Buenos Aires. No Chile falei com Michelle Bachelet para que fizesse uma lei que obrigasse os estrangeiros a fazer um concerto gratuito. Parece que não pode. Atingir a sistematização do Giro pelos Bairros em Cuba (ou Giro Interminável) me deu uma satisfação muito grande. Mais que qualquer outra coisa.

Como vê as possibilidades de que se mantenha o projeto social da revolução?

Os projetos sociais humanistas, revolucionários, se manterão sempre que existir quem os leve adiante.

Quando no seu blog Segunda Cita [“Segundo Encontro”] lemos “em evolução”, a gente pensa se em algum outro momento você não teria dito “blog em revolução”. Há alguma contradição entre esses dois conceitos?

Não há contradição, o que há é consequência. A Revolução Cubana foi uma realidade imensa, reconhecida com um legado inquestionável. Fui uma partícula desse turbilhão o tempo todo. Não duvido que haja outra revolução no futuro. Mas, até que chegue esse momento extraordinário, o que nos cabe é evoluir.
Qual deve ser o papel dos artistas em meio à transformação que vive Cuba?
Este assunto de papeis me causa angústia. Chegamos ao que chamam arte, e ao que isso signifique, de diferentes maneiras; por chaves às vezes coletivas, mas também pessoais. Então, nem sempre há respostas genéricas fáceis; tudo tem aspectos que são assunto de cada um, e isso é muito respeitável.
A cada um cabe empurrar os processos para onde acreditamos ser certo. Pensamos igual? Obviamente não. Mas há matizes. Posso ter sonhos complicados, mas me identifico com coisas muito básicas. Estou contra o bloqueio, e vejo todos os que estão contra o bloqueio como família. Os que estão em favor de uma sociedade responsável em relação ao planeta e aos menos favorecidos também são minha família.
Que é a poesia para você? Como a concebe hoje? É necessária no processo de mudança de Cuba?
A poesia é imprescindível onde quer que existam seres humanos. É alcançável de muitas formas — sem dúvida, também com o jornalismo. Quando era jovem li Arte Poética, de José Zacarías Tallet, e me pareceu um disparate fabuloso; mas hoje eu poderia subscrever cada um dos versos. Por isso, garanto que há poesia “até na roda de uma bicicleta” e que, em qualquer circunstância, “o problema é encontrá-la”.

Quer enviar alguma mensagem a seus seguidores espanhóis?
Sempre senti que devo muito à Espanha. Cheguei lá em 1977, quando muitos povos latino-americanos tinham governos militares. Alguns exilados levaram minha música a seus países porque na Espanha era possível conseguir meus discos. Eram camuflados com outras capas. Em 2016, fará nove anos que não faço concertos lá. Tentei em várias ocasiões, mas a crise econômica não permitiu. Queria voltar ao menos uma vez mais e fazer algumas apresentações para, no final, me dar o prazer de fazer um concerto bem lindo num bairro dos mais necessitados; talvez on de também haja imigrantes. Sonho com fazer esse regalo. Oxalá possamos nos ver lá.

Fonte para esta versão: Revista Samuel.
           

20 de dez de 2015

DECLARAÇÃO DO PRESIDENTE OBAMA SOBRE O ANIVERSÁRIO DAS MUDANÇAS NA POLÍTICA PARA CUBA

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

Palavras do presidente dos Estados Unidos da América com motivo do primeiro aniversário das mudanças políticas desse país relativamente a Cuba



HÁ um ano, anunciei que depois de mais de 50 anos, os Estados Unidos mudariam seu relacionamento com Cuba e colocariam os interesses dos povos de ambos os países acima dos desatualizados instrumentos do passado.
Desde então, temos adotado passos importantes encaminhados a normalizar as relações entre ambos os países: restabelecer relações diplomáticas e abrir embaixadas, facilitar o incremento das viagens e do comércio, ligar mais os estadunidenses e os cubanos, bem como promover o livre fluxo de informação para, a partir de e dentro de Cuba.
Temos avançado em nossos interesses comuns e temos trabalhado juntos em temas complexos que durante muito tempo nos definiram e dividiram. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos estão em uma posição mais forte para comprometer os povos e governos de nosso hemisfério. O Congresso pode apoiar melhores condições de vida para o povo cubano caso levantar o embargo, legado de uma política falhada.
Hoje, a bandeira das estrelas e as faixas tremula novamente sobre nossa embaixada em Havana. Hoje, mais estadunidenses visitam Cuba e se relacionam o com o povo cubano, como nunca antes nos últimos 50 anos. Continuamos tendo diferenças com o governo de Cuba, mas colocamos esses temas diretamente e sempre defenderemos os direitos humanos e os valores universais que apoiamos no mundo todo. As mudanças não acontecem da manhã para a noite e a normalização será uma longa viagem. Ainda assim, os últimos 12 meses são exemplo do progresso que se pode atingir, quando traçamos a rota rumo a um futuro melhor. No próximo ano, continuaremos este caminho, dando poder a cubanos e estadunidenses para que liderem o rumo.

Via: Granma

ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
 
                                                                                               VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

DEPUTADO ELIOMAR COELHO INICIA FORMAÇÃO DE FRENTE PARLAMENTAR CONTA O BLOQUEIO A CUBA




Prosseguindo na campanha de solidariedade a Cuba, o Deputado Estadual Eliomar Coelho (foto) iniciou o processo de formação de Frente Parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ). Em requerimento publicado no Diário Oficial Legislativo convoca os parlamentares a se unirem nesta importante empreitada. Já conta com pelo menos nove deputados em muito pouco tempo e outros com certeza virão. 

A concretização desta Frente estadual será muito importante no combate pelo fim do bloqueio estadunidense a Cuba que já dura mais de cinquenta anos sem razão de ser e castigando de forma cruel todo o povo cubano que com isso conta com muitas limitações me seu dia a dia.

O próprio presidente Obama já reconheceu a inutilidade dessa desastrosa medida que impede as relações de igualdade entre os dois países. 

Da mesma forma que obtivemos êxito espalhando pelo mundo a história real dos Cinco cubanos lá detidos injustamente, vamos internacionalizar mais esta batalha na certeza de mais esta vitória, por ser justa e humana. 

A luta é por uma sociedade mais justa, humana e igualitária !
VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

POUCA COISA MUDOU UM ANO APÓS O ANÚNCIO DO RESTABELECIMENTO DAS RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS ENTRE CUBA E EUA

 
Nesta semana que se completou um ano do encontro entre os Presidentes Raúl Castro e Obama (dia 17 de dezembro de 2014) e da libertação dos Cinco Cubanos que lá se encontravam presos injustamente, muitas alegrias alcançamos. Principalmente em relação aos Cinco e sua volta ao país, muita alegria e esperança preencheram este ano. A emoção de vê-los com suas famílias foi contagiante.

Seguimos, no entanto, e comemoramos avançando ainda mais na campanha pelo fim do bloqueio estadunidense contra Cuba. Somente cessando o genocida bloqueio as relações entre os dois países poderão ser realmente normalizadas. Sem essa medida - que o próprio presidente Obama definiu como inútil e ultrapassada, sem razão de existir - não há como se estabelecerem relações equilibradas. Esse é o começo de tudo. 

Quem detém esse poder de eliminar o bloqueio é o Congresso estadunidense. Por isso estamos envidando todos os nossos esforços junto a diferentes parlamentares no país para, formando Frentes com legisladores antenados com a causa, divulgar a realidade e,dessa forma, fazer chegar ao congresso dos EUA as vozes de outros países. Isto foi feito no caso dos Cinco e obteve êxito.

Aqui no Rio de Janeiro, o Vereador Leonel Brizola Neto encabeça a Frente Parlamentar Carioca de Solidariedade a Cuba. 

Em ato realizado no último dia 8 de dezembro foi divulgada Carta dirigida às autoridades estadunidenses que ele assina - assim como outros vereadores.

Esta carta foi enviada para o Ministério das Relações Exteriores no Rio de Janeiro e em Brasília (Itamaraty), Presidência da República e sua versão em inglês no Consulado Geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro e enviada com registro para o Congresso dos Estados Unidos.
Temos muito trabalho pela frente e vamos perseguir mais esta meta. Não vamos desistir até a vitória !

A carta:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO
GABINETE DO VEREADOR LEONEL BRIZOLA NETO

Em 08 de dezembro de 2015.
Depois de meio século de bloqueio econômico a Cuba, o presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, reconheceu a necessidade de pôr fim a essa política de embargo. É um passo importante no sentido de restabelecer relações comerciais e diplomáticas entre os dois países. A cooperação dos povos americanos é fundamental para o desenvolvimento do continente. Entretanto, essa cooperação deve ser embasada no respeito as diferenças e ao direito de autodeterminação dos povos, princípios que foram estabelecidos pela Carta das Nações Unidas, pelo Direito Internacional e pela Convenção de Viena.
A abertura de embaixadas em Havana e Washington, no dia 20 de julho de 2015, foi o primeiro ato na direção do fim do bloqueio. É inegável que essa política implantada no auge da Guerra Fria prejudicou, não apenas os Estados Unidos e Cuba, mas sim, toda a diplomacia dos demais países latino-americanos. As saudáveis trocas culturais entre os povos são fruto das relações diplomáticas. O conhecimento das experiências acumuladas das diversas realidades nacionais é imprescindível para o desenvolvimento social, político e econômico das nações. Cumpre não esquecer que os primeiros brasileiros a reconhecer a legitimidade e a importância da Revolução Cubana foram Leonel Brizola e Darcy Ribeiro.
Vivemos tempos sombrios, onde o ódio é diariamente disseminado. Sabemos que a raiz de todo ódio é a intolerância. A falta de abertura para aceitar as diferenças é uma marca de nossa história recente. A Segunda Guerra Mundial ainda ecoa em nossas memórias. Portanto, devemos apoiar o fim do bloqueio, bem como contribuir de todas as formas para sua efetiva concretização.
A Frente Parlamentar em Apoio ao Restabelecimento das Relações Diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba nasce desse entendimento. Somando esforços, construiremos um continente que olhe para o futuro, desfazendo os equívocos do passado. Afinal, Cuba Socialista demonstrou que tem muito a contribuir para a superação do subdesenvolvimento no continente americano.

Vereador Leonel Brizola Neto

                                                 VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!