31 de mai de 2011

Carta de suma urgencia


Por Tomás Borge [1], Embajador de Nicaragua en Perú

24.05.2011, en  http://www.argentinaporlos5.blogspot.com/

Compañeros del Foro de Sao Paulo y de la Conferencia de Partidos Políticos de América Latina y el Caribe (COPPAL):
   
           Yo estoy informado. Muy pocos lo están.  El Foro de Sao Paulo acordó solidarizarse con los 5 prisioneros cubanos en cárceles norteamericanas. Fue una decisión más del Foro. Fue una buena decisión, hija de un  compromiso sagrado aunque, a mi juicio, insignificante  y  puramente formal. La misma decisión  fue tomada (pocos lo saben) por la  importante organización interpartidaria, COPPAL.

            Desde mi punto de vista deberíamos producir   una monumental  denuncia de esta tragedia y adoptar medidas solidarias y efectivas en búsqueda de resultados concretos.

             La prisión es terrible. Lo sabemos por experiencia personal.  Algunos hermanos nuestros vivieron  la trágica experiencia de las cárceles  somocistas. Los mártires José Benito Escobar, Julián Roque, Oscar Benavidez y los compañeros Daniel Ortega, Jacinto Suarez, Lenin Cerna, Leopoldo Rivas, Manuel Vallecillo, entre otros, fueron crucificados en la prisión de Tipitapa durante más de seis años. Tal experiencia marcó sus vidas para siempre. Semejante sacrificio tiene un mérito histórico  que ninguna circunstancia, ni la venganza ni otras circunstancias de la vida, pueden borrar. A estos compadres hay que sumarles el mérito de su continua militancia: digna, firme, sin vacilaciones en estas horas difíciles, sin caer en  pánico mientras sus adversarios se permiten  calumnias, mentiras  y otras conductas odiosas e inapropiadas. A pesar de todo, con toda la dureza y los riesgos de la cárcel,   aquellos  hermanos nuestros estaban juntos y tenían el consuelo de las visitas familiares. Fueron liberados gracias a una excelente  acción del FSLN que los llevó a Cuba, donde los esperaban Carlos Fonseca [2], autor intelectual de su liberación, y el efusivo afecto  de esta isla hermana.

             Los prisioneros cubanos, justamente llamados héroes, están aislados entre sí, en celdas solitarias, oscuras, deprimentes que parecen tumbas.  Sólo Satanás es capaz de semejante crueldad. Están condenados a  penas muy largas. Uno de ellos a dos cadenas perpetuas, más 15 años. Llevan trece años de encarcelamiento solitario y torturante. La crueldad es insólita y bestial. Las condenas son claramente desproporcionadas, una profanación a los derechos humanos. Su inocencia está probada, hasta sus rabiosos enemigos lo saben. Trece largos años no es como decir una broma. Tanta dignidad y tanta fortaleza, casi inconcebibles, tan sólo pueden  explicarse porque son herederos del heroísmo martiano y  del ejemplo de Fidel. La liberación de estos hombres es para los cubanos y para Fidel una persistente y obligada prioridad. 

             Las declaraciones formales no son suficientes.  Es necesario convertir nuestra voluntad solidaria en un inmenso jurado de nuestros pueblos para romper el tímpano del imperio y de Barak Obama, el sospechoso ganador del  premio Nobel de la Paz, obligándolos a poner fin a semejante ultraje.

           Si logramos la libertad de estos hombres, el pueblo de Cuba y Fidel se regocijarán y es obligación nuestra otorgarles esa dicha, como  una simple muestra de  reciprocidad por  la solidaridad sin límites  del pueblo cubano  y de Fidel hacia  todos los pueblos del mundo. Hay que recoger millones de firmas —¡millones de firmas!— realizar miles de actos públicos —¡miles de actos públicos!. Hagamos que suenen  tambores y trompetas para que los oiga el sordo e insensible presidente norteamericano. Más aún, junto a nuestras luchas por los intereses de nuestros pueblos, tal demanda debiera de estar en la primera línea de combate.

           Estoy seguro de que la terquedad de Fidel y del pueblo cubano, terquedad igual a la de la mula de Sandino o a la de José Martí cuando cabaló  hacia su martirio—, logrará la libertad de estos jóvenes. Algún día ellos caminarán por el malecón de La Habana tomados de las manos con sus madres, esposas e hijos, oyendo la rompiente de las olas y a las multitudes, disfrutando de una victoria tan esperada como inevitable. Estamos obligados a participar en la producción  de semejante paisaje. Cuando ocurra este milagro, y yo creo en los milagros, todos  seremos más libres.

                                              Tomas Borge, Lima, Perú. 24 de mayo de 2011

notas:

[1] Político nicaragüense. Comandante de la Revolución Sandinista. Es actualmente embajador de Nicaragua en el Perú.
[2] Fundador con Germán Gaitán y Julio Jerez el Movimiento Nueva Nicaragua (MNN); el MNN denuncia los preparativos de la invasión a Bahía de Cochinos y publica el primer ideario de Sandino. Viaja de nuevo a Honduras donde se reúne con el Coronel Santos López, Tomás Borge, Silvio Mayorga y Noel Guerrero, entre otros, y forman el Frente de Liberación Nacional que deciden llamar Sandinista.



Comité Argentino por la Libertad de los Cinco

Nos reunimos los viernes a las 19 hs en la Liga Argentina por los Derechos del Hombre. LLamanos al 4371 3939
Preguntá por Edith

16 de mai de 2011

Levantemos nossas vozes pelos 5 Cubanos

“A justiça só virá quando a decretar 
um jurado de milhões”
Gerardo Hernández Nordelo

LEMBRE-SE!

NO PRÓXIMO DIA 5 DE JUNHO envie um fax, escreva um email, ligue e/ou envie telegramas exigindo do Presidente Obama que liberte os 5 Cubanos presos nos EUA por defender a vida.

São cada vez mais os que, de todas as partes do mundo, se comprometem a todo dia 5 de cada mês fazer chegar seu sentimento de indignação à Casa Branca.

Vamos exigir uma vez mais que o Presidente Obama, utilizando o poder concedido-lhe pela Constituição dos EUA, como advogado, como pai, como filho, como esposo, como Prêmio Nobel da Paz, ponha um FIM A ESSA IMENSA INJUSTIÇA E LIBERTE OS 5 AGORA.


HÁ DIFERENTES FORMAS DE SE COMUNICAR COM A CASA BRANCA:

- Por telefone: 202-456-1111
Se estiver fora dos EUA, marque 00 + 1 (código dos EUA) + 202.456.1111 


- Por fax: 202 456-2461
Se estiver fora dos EUA, marque 00 + 1 (código dos EUA) + 202 456-2461
Instruções para enviar um email ao Presidente Obama:

Basta preencher as perguntas com asterisco (*), exceto em “Type” (clicar em "Internacional")
First Name = nome
Last Name = sobrenome
Country = país
Subject = assunto. Escolha "Foreign Policy" (“Política Internacional”)
Message = mensagem com até 2.500 caracteres.
No final, repita as duas palavras que aparecem no quadro vermelho.
Clique em “Submit” (= “Enviar”)

- Para enviar um telegrama:
President Barack Obama
The White House
1600
Pennsylvania Ave, NW
Washington, DC 20500
EE.UU.    


ESTA AÇÃO COLETIVA SÓ SERÁ EFICAZ SE PESSOAS DOS EUA E DE TODAS AS PARTES DO MUNDO LIGAREM, ENVIAREM FAXES, CARTAS, EMAILS E/OU TELEGRAMAS
A TODO DIA 5 DE CADA MÊS.



Obs.: caso ninguém atenda ao telefone (é comum...), DEIXE UMA MENSAGEM...!


Para saber como apoiar, por outras formas, a Campanha, contacte com os Comitês:

FAÇAMOS OUVIR NOSSAS VOZES - AVAAZ

Vamos sugerir ao Avaaz que faça conosco a
Campanha pelos Cinco

Para quem não sabe o que é o Avaaz:

"A Avaaz é uma comunidade de mobilização online que leva a voz da sociedade civil para a política global."

É um site com boa repercussão no Brasil e no mundo, mas vamos ver se são realmente bons!

Entre no link para conferirmos...


E envie sua mensagem de indignação e solidariedade.


Preencha os campos nome/email e escreva alguma palavra de apoio à Campanha pelo Cinco.

Se preferir, basta ler, copiar e colar o texto abaixo no campo de “mensagem”:


“Eu apóio a Campanha abaixo!
É urgente e necessária!

Liberdade aos Cinco Cubanos

É a partir da solidariedade internacional que convocamos a tod@s a denunciar e exigir o fim da imensa injustiça sofrida pelos "Cinco" cubanos, há 12 anos injustamente presos nos EUA, por crimes que não cometeram, e que jamais foram sequer provados.

O julgamento foi marcado por inúmeras violações legais,
e os Cinco foram condenados, no total, a 4 prisões perpétuas mais 77 anos.
Atualmente, estão quase esgotados, na prática, os recursos legais para apelar contra a decisão.

O processo contra os Cinco é absolutamente político e somente se ganhará
à força da denúncia e da solidariedade internacional.

Exigimos a libertação imediata dos Cinco.

Que todo dia 5 de cada mês se converta em uma jornada de luta e clamor pela liberdade dos Cinco.

Convocamos a todos a, principalmente nesses dias, “inundar” as redes sociais com o "repasse" de qq informação sobre os Cinco cubanos, como ato de repúdio à injusta privação de liberdade, reivindicando sua libertação imediata, fazendo-se cumprir os Direitos Humanos.

O apoio é essencial, o respaldo é essencial,
CONHECER E INFORMAR é essencial.

INFORME-SE sobre o caso (há uma síntese em português, inglês e espanhol):

Levantemos nuestras voces por los 5 Cubanos

“La justicia solo vendrá cuando la dicte 
un jurado de millones"
Gerardo Hernández Nordelo

¡RECUERDE!

EL PROXIMO DÍA 5 DE JUNIO envíe un fax, o escriba un correos electrónicos, o llame por teléfono y/o envíe un telegramas demandando al Presidente Obama que libere a los 5 Patriotas Cubanos presos en EEUU por defender la vida.
Cada vez son más las personas que desde todas partes del mundo toman como referente el 5 de cada mes para hacer llegar su demanda a la Casa Blanca. 

Pidamos nuevamente al Presidente Obama, que haciendo uso de las facultades que le confiere la Constitución de los EEUU, como abogado, como padre, como hijo, como esposo, como Premio Nobel de la Paz, ponga FIN A ESTA COLOSAL INJUSTICIA Y  LIBERE A LOS 5 AHORA!!!   

DIFERENTES FORMAS DE COMUNICARSE CON LA CASA BLANCA:
- Por teléfono: 202-456-1111
Si llama desde fuera de los EEUU, marque el Código Internacional del respectivo país + 1 (Código de EEUU) 202.456.1111 


- Por fax: 202 456-2461
Si envía un fax desde fuera de los EEUU, marque el Código Internacional del respectivo país + 1 (Código de EEUU) 202-456.2461

- Por correo electrónico: HTTP://WWW.WHITEHOUSE.GOV/CONTACT 
Instrucciones para las personas que no leen Ingles para enviar un correo electrónico al Presidente Obama:    
Solo debe llenar las preguntas que contienen un asterisco (*)
Donde dice First Name escriba su nombre
Donde dice Last Name escriba su apellido
Donde dice E-mail escriba su correo electrónico
IMPORTANTE: "Type" no tiene asterisco pero DEBE hacer clic en "Internacional" para poder continuar.
Donde dice Country escriba su País
Donde dice Subject: elija "Foreign Policy"
Donde dice Message escriba su mensaje pero no sobrepase los 2.500 caracteres.
Al final escriba textualmente la frase que aparece en la pantallita donde dice "type the two words" dejando un espacio entre las dos palabras
Para enviar el mensaje debe hacer clic en Submit

- Para enviar un telegrama
President Barack Obama
The White House
1600
Pennsylvania Ave, NW
Washington, DC 20500
EE.UU.    


ESTA ACCIÓN COLECTIVA SOLO PODRÁ SER EFECTIVA SI PERSONAS DE LOS EEUU Y DE TODAS PARTES DEL MUNDO, LLAMAN POR TELEFONO, O ENVIAN FAXES, CORREOS ELECTRONICOS O TELEGRAMAS, EL DIA 5 DE CADA MES.

SI NADIE RESPONDE EL TELÉFONO DEJE UN MENSAJE.

3 de mai de 2011

O CASO DOS CINCO CUBANOS - 13 ANOS DE INJUSTIÇA

  • Quem são os Cinco?

           “Os Cinco” são cinco jovens profissionais que decidiram dedicar suas vidas, longe de seu país, à luta contra o terrorismo na cidade de Miami, principal centro difusor das agressões contra Cuba.

  • Por que estavam nos Estados Unidos?

Para obter informação sobre os planos e monitorar as atividades de grupos e organizações responsáveis por atos terroristas contra o Governo de Cuba, que têm sua base de operação, já há muitos anos, na cidade de Miami. 
Apesar de não ser divulgado, após o triunfo da revolução cubana em 1959, Cuba foi alvo de mais ataques terroristas do que qualquer outro país no mundo: desde então, 3.478 pessoas foram mortas e 2.099, feridas, nesses atos. 
E, igualmente não divulgado, é o fato de que a imensa maioria dos ataques foi e ainda é organizado, a partir do sul da Flórida, por grupos tolerados e até parcialmente financiados pelo Governo dos Estados Unidos, tais como: a Fundação Nacional Cubano-Americana (FNCA), o Conselho para a Liberdade de Cuba (CLC), Irmãos ao Resgate, Movimento Democracia, Alfa-66, e muitas outras organizações de reconhecida trajetória criminal.

  • Violações no processo judicial:
         Em Setembro de 1998 os Cinco cubanos foram presos em Miami por agentes do FBI. Imediatamente após a prisão, as autoridades os encaminharam diretamente para o confinamento em solitárias, onde foram mantidos pelo longo período de 17 meses, antes mesmo que seu caso fosse julgado. 

        Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Fernando González, Antonio Guerrero e René González foram acusados do duvidoso crime de “conspiração para cometer espionagem”. Porém, durante todo o julgamento, o Governo dos Estados Unidos nunca conseguiu acusá-los diretamente de espionagem em si, nem nunca pôde afirmar que ações de espionagem tivessem realmente ocorrido, já que jamais foram encontrados com os cinco cubanos quaisquer documentos secretos que comprovassem o crime. 

        Apesar da enérgica objeção por parte da Defensoria, o caso foi a juízo em Miami, Flórida, comunidade esta com uma longa história de hostilidade frente ao Governo cubano – o que impediu que os Cinco recebessem um julgamento justo e imparcial, segundo as próprias leis dos Estados Unidos e do Direito Internacional. 

      A imprensa local e os setores anticubanos realizaram uma falaciosa e intensa campanha propagandistica para pressionar a opinião pública e o júri, fato que foi reiteradamente denunciado pela Defensoria do caso, a qual apresentou diversas moções de solicitação de mudança de sede do julgamento, as quais foram negadas – negação esta que viola o texto da Quinta Emenda da Constituição dos Estados Unidos, assim expressada: “a ninguém será privada a liberdade sem o devido processo legal”. 

     Ademais, o julgamento, que durou mais de seis meses é, até hoje, o mais longo da história dos Estados Unidos. Mais de 119 livros de testemunhos e 20 mil páginas de documentos foram recolhidos. Somado à demora do julgamente, o fato de ter sido realizado em Miami infringe claramente, também, a Sexta Ementa da Constituição estadunidense, segundo a qual “em toda causa criminal, o acusado gozará do direito de ser julgado rapidamente e em público por un jurado imparcial.”

     Durante todo o processo legal as autoridade obstaculizaram o trabalho da Defensoria ao limitar o acesso a somente 20% da documentação supeitosamente classificada como secreta, e ainda hoje é vetado o acesso das advogados de defesa a estes milhares de documentos, que poderiam sustentar o processo de apelação e revisão da sentença.

  • De que crimes foram acusados, e considerados culpados?
1) "Conspiração para cometer assassinato em primeiro grau" 
        Gerardo Hernández foi o único acusado deste crime, sete meses depois de ser detido, por supostamente provocar a queda, a 24 de Fevereiro de 1996, de dois aviões da organização terrorista Irmãos ao Regate. O próprio Governo dos Estados Unidos reconheceu, por escrito, que havia fracassado em provar a principal acusação contra Gerardo. Alegando que “à luz das provas apresentadas em julgamento” os Estados Unidos estavam enfrentando um “obstáculo intransponível”, insuperável, para ganhar o caso, o governo admitiu que sua conclusão seria um provável fracasso, por parte da Promotoria (Acusação). Ao final do processo a Promotoria compreendeu que não podia provar a acusação e solicitou então à Corte de Apelações de Atlanta que a retirasse. A apelação foi negada e, de forma injustificada e irracional, o júri o considerou culpado, sentenciando-o a 2 prisões perpétuas e 15 anos.

2) "Conspiração para cometer espionagem"
Deste crime foram acusados Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero. Nenhum deles realizou quaisquer atividades de espionagem contra os Estados Unidos: segundo a própria lei americana, um espião é aquela pessoa que rouba ou obtém documentação classificada como secreta, devidamente protegida para evitar sua facilitação a um governo estrangeiro, e resguardar a segurança da país.

Durante todo o julgamento, porém, o Governo dos Estados Unidos jamais conseguiu acusá-los diretamente de espionagem em si, nem nunca pôde afirmar que ações de espionagem tivessem realmente ocorrido, já que jnão foram encontrados com os cinco cubanos quaisquer documentos secretos que comprovassem o crime. 

           Segundo testemunhos de diversos especialistas e autoridades, incluindo os de um almirante e três generais aposentados do Exército dos Estados Unidos, não existia, no caso, nenhuma evidência concreta de espionagem, pois os cinco cubanos jamais tiveram acesso a informações secretas. Até James Clapper, ex-diretor da Agência de Inteligência do Pentágono, e testumunha da Promotoria, reconheceu que os acusados não haviam realizado espionagem contra os Estados Unidos. Apesar disso, tais testemunhos foram desconsiderados, o que reafirma q arbitrariedade do fraudulento processo, claramente político.

           Os cinco cubanos tinham, exclusivamente, a missão de obter informação sobre os planos dos grupos terroristas radicados no Sul da Flórida, os quais, apesar das incongruências do processo judicial, não fazem parte do Governo dos Estados Unidos.

3) "Conspiração para cometer crime contra os Estados Unidos"
          Deste crime foram acusados todos os cinco cubanos, apesar de buscarem informações exclusivamente sobre possíveis ações terroristas anti-Cuba e não outras, que poderiam afetar a segurança nacional dos Estados Unidos – o que foi provado pela Defensoria e confirmado por diversas testemunhas, durante o processo.

4) "Identidade e documentação falsa"
         Para poder penetrar nesses grupos e conhecer, para evitar, os planos de tais organizações, três dos cinco lutadores anti-terroristas precisaram ocultar suas verdadeiras identidades. E, de fato, no Direito existe o princípio do “Estado de Necessidade”, segundo o qual em casos nos quais o objetivo seja o de evitar um delito maior, como atos de terrorismo, é justificável que uma pessoa incorra de delitos menores, como utilizar identidade e documentação falsas para proteger suas atividades e vida (considerando que os cinco jovens atuariam no interior de grupos de assassinos e terroristas com amplo histórico criminal).

5) "Agentes não-registrados de um governo estrangeiro"
       Considerando os objetivos de seu trabalho, os riscos neste envolvidos e a conhecida e sistemática política de hostilidade do Governo dos Estados Unidos contra Cuba, era impossível que os Cinco se registrassem frente às autoridades estadunidenses como agentes do Governo Cubano.
         É um fato amplamente conhecido que esses grupos terroristas e seus mandatários atuam impunemente em Miami e gozam da proteção de suas autoridades. O próprio chefe do Escritório Central do FBI em Miami, Héctor Pesquera, declarou que os dirigentes da Fundação Nacional Cubano-Americana e do Conselho pela Liberdade de Cuba são pessoas respeitáveis e de absoluta confiança, afirmando que jamais investigariam oficialmente as atividades daqueles que favorecem e financiam as acções terroristas contra Cuba. 
       Se ambas as organizações são exatamente as principais responsáveis pela grande maioria dos atos terroristas comentidos contra Cuba nos últimos 15 anos, o que teria acontecido com os Cinco se tivesses se registrado frente às autoridades de Miami como pessoas que trabalham para o Governo de Cuba? Viram-se, de fato, forçados a não registrar-se como agentes de um governo estrangeiro.

  • Sentenças injustas e desproporcionais
        Após un processo ilegítimo, a Juíza, que não aceitou nenhuma das atenuantes (as quais podem reduzir as penas) da Defensoria e ainda aplicou todas as agravantes (que aumentam as penas) da Promotoria, impôs sentenças desproporcionais e injustas, aplicando as penas máximas em todos os casos, mesmo naqueles em que as acusações principais não puderam ser provadas, violando assim, dentre outros, o Artigo 14 do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos da ONU, segundo o qual “toda pessoa tem direito a ser ouvida publicamente e com as devidas garantias por um tribunal competente, independente e imparcial.”

Todos os cinco cubanos foram declarados culpados, de todas as acusações. Os Cinco foram sentenciados, no total, a 4 prisões perpétuas e 77 anos, pena esta que deveriam cumprir separadamente, em cinco distintas prisões de segurança máxima, localizadas em cinco pontos diferentes do território estadunidense, para impossibilitar a comunicação entre os Cinco. As acusações de “conspiração para cometer espionagem” e “conspiração para cometer assassinato” representaram para três, dos Cinco, a pena de prisão perpétua. 

Foram as primeiras pessoas, na história dos Estados Unidos, a receber a pena de prisão perpétua em um caso relacionado à espionagem – caso este no qual jamais foi encontrada qualquer evidência de obtenção e transmissão de informações de segurança nacional, no qual nem um único documento secreto foi apresentado como prova.

Gerardo Hernández Nordelo: 2 prisões perpétuas e 15 anos
Ramón Labañino Salazar: 1 prisão perpétua e 18 anos
Antonio Guerrero Rodríguez: 1 prisão perpétua e 10 anos
Fernando González Llort: 19 anos
René González Sehwerert: 15 anos

Atualmente, estão quase esgotados, na prática, os recursos legais para apelar contra a decisão da Corte, que revalidou e reafirmou todos estes vereditos de culpabilidade.